segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Devocional: Um lugar pra descansar

Talvez você possa achar estranho, e até um tanto incomum, mas gosto de pensar que Deus usa as coisas loucas do mundo mesmo para confundir as sábias. E foi em uma dessas coisas loucas que algo começou a florescer em meu coração. Poderia ter sido com uma musica da Aline Barros, do Fernandinho ou de qualquer outro cantor gospel, mas Deus falou comigo através da musica Anjos do Rappa. Por favor, sem criticas, mas reparem na letra da canção.

Se você não aceita o conselho, te respeito. Resolveu seguir, ir atrás, cara e coragem. Só que você sai em desvantagem se você não tem fé.

Te mostro um trecho, uma passagem de um livro antigo, pra te provar e mostrar que a vida é linda. Ela é dura, sofrida, carente em qualquer continente, mas boa de se viver em qualquer lugar.

Volte a brilhar, volte a brilhar. Um vinho, um pão e uma reza. Uma lua e um sol, sua vida, portas abertas.

Em algum lugar, pra relaxar. Eu vou pedir pros anjos cantarem por mim. Pra quem tem fé. A vida nunca tem fim. Não tem fim.

Então comecei a refletir: onde nós descansamos normalmente?
Onde vocês descansam geralmente?


E, naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes: Passemos para o outro lado. E eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos. E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia. E ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos? E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança. E disse-lhes: Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé? E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem? Marcos 4:35-41


A nossa vida, geralmente, é como esse barco. Os ventos são os problemas. Os pedestres os banhistas e os barcos são como os carros. Mas quando estamos com Jesus, ainda que o barco esteja a ponto de virar, podemos descansar.



          Jesus é o nosso lugar de descanso. Ele é a nossa paz, nosso aconchego, nosso pai. E o mais importante: Ele não quer de nós exibicionismo, alegorias, ele quer o nosso coração. Nossa fé.



E, entrando Jesus em Cafarnaum, chegou junto dele um centurião, rogando-lhe, E dizendo: Senhor, o meu criado jaz em casa, paralítico, e violentamente atormentado. E Jesus lhe disse: Eu irei, e lhe darei saúde. E o centurião, respondendo, disse: Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado, mas dize somente uma palavra, e o meu criado há de sarar. Pois também eu sou homem sob autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu criado: Faze isto, e ele o faz. E maravilhou-se Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé. Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus; E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Então disse Jesus ao centurião: Vai, e como creste te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado sarou. Mateus 8:5-13



Por vezes, nos achamos como esse modesto Centurião, indignos da presença dEle, mas saiba, realmente não somos dignos. Mas se o filho de Deus decidiu nascer em uma manjedoura, porque Ele não aceitaria nascer em nosso coração? Saiba, o véu se rasgou, Agora podemos ter contato direto com Ele por intermédio da obra redentora de Cristo. Além do mais, não somos nós quem achamos Jesus, mas Ele quem nos acha, quem nos encontra, porque quem está perdido somos nós.

A obra de Jesus foi por mim e por você. Você é especial para Ele. E com Jesus, a vida fica mais linda. Da para entender isso? O cara que para o vento, que anda sobre as águas e cura os cegos, conhece a mim e a você. Mas mais do que isso, Ele quer que sejamos parecidos com Ele.

           Nós somos a Fotocópia de Jesus. E devemos deixar Ele brilhar em nós.

"Volte a brilhar..."

            Ele é o nosso lugar de descanso porque nEle não precisamos nos exibir como um bobo da corte frente ao rei. E quando percebemos isso, que Ele é um pai, o que nos resta apenas é imita-lo, deixar que Ele aja em nós. 

Quem conhece a oração que Jesus nos ensinou? (Mateus 6:9)

As pessoas antigamente chamavam Deus de Deus de Abraão, de Isaac e Jacó. Mas Jesus apresenta Deus como um Pai. 
  • Se temos intimidade com o Pai, podemos pedir que Ele nos dê descanso e tudo quanto mais.
Na oração que Jesus nos ensinou Ele nos ensina a pedir o melhor que há nessa terra. Um teólogo (Joachim Jeremias), diz que a melhor tradução para “pão nosso de cada dia” é o pão de amanhã, o pão de sábado recebido na sexta.

Quando Moisés tirou o povo do Egito, descia maná dos céus. Era a provisão divina. Na sexta caia porção dobrada de Big Frango Maná Duplo Hot, para sexta e sábado.

Jesus está simplesmente nos ensinando a pedir mais do maná. Ele está nos ensinando a pedir a provisão de Deus, a sua plenitude, aquilo que não sacia a nossa barriga, mas a nossa alma. Ele está nos ensinando a pedir o próprio Cristo.

Ele sabia que eu e você passaríamos por brigas, tribulações, fome, desamparo e mais um monte de coisas. Mas Ele nos proporcionou o melhor lugar que poderíamos estar. No centro da sua vontade, ou seja, nEle mesmo.
“Pra quem tem fé. A vida nunca tem fim. Não tem fim.”

domingo, 3 de maio de 2015

ARQUEIRO

- Finalmente voltei para casa! Este, sim, é o meu verdadeiro lar! Aqui é o meu lugar. É esta a terra pela qual tenho aspirado a vida inteira, embora até agora não a conhecesse. A razão por que amávamos a antiga Nárnia é que ela, às vezes, se parecia um pouquinho com isso aqui. - E acrescentou, soltando um longo relincho: Avancemos! Continuemos subindo!
(Fala do unicórnio ao chegar a nova Nárnia em A Última Batalha - Crônicas de Nárnia, C. S. Lewis. p. 730) 


Como disse o Rodolfo Abantes um dia desses: não quero ser conhecido de onde eu vim, mas para onde eu vou. 


Há uma frase, de cujo autor desconheço, que fala que existe uma falta dentro do ser humano que é do tamanho de Deus. Essa falta tenta ser preenchida de inúmeras maneiras, maneiras dais quais nem preciso citar. Porém nada preenche, não por completo. 

É somente quando nos damos conta de que, como C. S. Lewis mesmo nos fala (Cristianismo Puro e Simples, 1942) , que se nada terreno nos completa totalmente, isso é uma prova de que não somos daqui. E não, não somos mesmos desse mundo. Somos estrangeiros no campo inimigo e estamos voltando para casa, e como bons viajantes, devemos levar - apontando o Caminho, todos  aqueles que vagam como murimbundos tentando achar a estrada, mas se perdem em cada bifurcação, devemos aponta-los para o Alvo, como um arco nas mãos do Arqueiro - como gosta de dizer um amigo meu, devemos atira-los para o Céu. Para a Vida Eterna. Para o Paraíso. Paraiso este que creio ser mais que um lugar, que creio ser uma Pessoa. A pessoa de Jesus Cristo, que pagou um alto preço para que eu e você possamos ter uma conversinha com Ele. Então avancemos, continuamente, para o trono da graça para encontramos graça e socorro em momento oportuno (Hb 4:16).

Ronnedy Paiva,
Colunista