quinta-feira, 1 de maio de 2014

Amar é um verbo, e o Verbo é Deus - Parte VI

    Será que você poderia me responder qual desses acontecimentos (A Criação; A Queda; A Cruz) acorreu primeiro? 

     Cronologicamente falando, você me responderia que primeiro houve a criação - do mundo -, depois a queda - do anjo -, e por fim a cruz - de Cristo - como está disposto acima certo? E certamente essa afirmação está correta. Mas se eu disser que antes de haver luz, houve cruz¹? 

     Para facilitar, vou começar a falar sobre a Queda, depois sobre a Criação, e por fim da Cruz para entendermos melhor.


  • A QUEDA
     Como conciliar um Deus que sabe de tudo, que tem tudo em Seus planos com um acontecimento que deturpou a Sua criação, tornando-a má ao ponto de Deus se arrepender de te-la criada (Gn 6:6)? Será que Deus errou?

     Primeiramente é necessário esclarecermos o significado real de arrependimento: Na origem da palavra, arrependimento quer dizer mudança de atitude, ou seja, atitude contrária, ou oposta, àquela tomada anteriormente (Winkpédia). E não consertar algo que fez errado! Ou seja, Deus não errou.

    Deus com certeza sabia da queda, sabia que Lúcifer, seu ser criado e que era formoso e sábio iria corromper-se e orgulhar-se do que era e tentar ser como Ele (Ez 28: 11-19). Certamente Deus sabia disso, mas tanto o anjo como os seres humanos tem o livre arbítrio, e Deus decidiu não interferir nele.

     Mas a partir disso, sabendo que Ele sabe de tudo, forma-se (pelo menos pra mim, a priori) outra pergunta: Porque Deus simplesmente não criou Lúcifer? Bom, se Deus não o criasse, não iria existir pecado, assim, não haveria necessidade de perdão e da Cruz, e Sua criação não iria ama-lo por quem Ele é. Antes de existir qualquer coisa, quando ainda não existia nada no Universo, nem mal, nem pecado, nem coisa alguma, Deus quis unicamente por amor compartilhar com Suas criaturas o Seu amor. Esse é o motivo dEle ter criado tudo. O amor. (Quem quiser saber um pouco mais do conhecimento de Deus, assista o vídeo abaixo onde o Dr. Willian Lane Craig explica magnificamente esse conhecimento - assista quantas vezes for necessário.)


     Então, apesar de Deus saber que iria encontrar iniquidade em Lúcifer, e que ele iria induzir o homem a comer do fruto do conhecimento do bem e do mal, Deus permitiu isso para que um plano maior fosse executado. Essa é a sabedoria dEle, que parece loucura, mas é mais sábia que a sabedoria de qualquer homem.

  • A CRIAÇÃO
    Deus criou tudo o que há no universo pelo poder da Sua palavra, como podemos ler na narração de Gênesis. Esse Deus criador é um ser transcendente, um ser que vive fora do mundo e que criou tudo o que nele há a partir do nada. E uma das provas cabais de que Deus fez o mundo, é que o mundo é imperfeito. 
“Deus cria à partir do nada. Portanto, enquanto um homem não for nada, Deus nada poderá fazer com ele.” (Martinho Lutero)
     Criou Deus os céus a terra e tudo o que há nele, e criou o homem a Sua imagem e semelhança, e Deus andava juntamente com o primeiro homem no Édem, até que um dia a serpente induziu a Eva e posteriormente Eva a Adão, a comer do fruto (nesse momento o anjo já tinha caído), então houve uma separação, e certamente o homem morreu. Afastou-se de Deus. Tornou-se impuro de Sua presença.  

     E sendo o mundo imperfeito, podemos nos questionar: como assim algo imperfeito pode ser a criação de um Deus perfeito?, e se Deus é perfeito, porque Ele não fez um mundo perfeito? A resposta está no pensamento cristão. Se Deus criasse um mundo perfeito, ou um homem que é perfeito e que não transgrediria a Lei de Deus, Ele não teria criado nada além dEle mesmo, pois tudo o que é perfeito é Deus, e o mundo não é perfeito, muito menos o homem. Vemos isso pelas tantas maldades que há nele, pela desigualdade e por tudo o que vem sendo noticiado nas mídias. 

    E isso é fato, vivemos em um mundo imperfeito, criado por um Deus perfeito. Isso partindo de algumas premissas: (1) existe um mundo; (2) nada não cria alguma coisa; (3) para se criar algo precisa de alguém. Então se existe um mundo, ele foi criado, pois ele tem inicio e fim como vemos na ciência. Se ele foi criado por Deus, então pelo pressuposto, juntamente com essa criação, Deus criou a guerra, ainda que seja a suma paz? Ele criou a maldade, ainda que seja a suma bondade? Ele criou o ódio, ainda que seja o sumo amor? Porque um Deus bom criou a maldade, o ódio e a desigualdade?

    O pensamento cristão responde isso também: Deus é a perfeição, então tudo o que é imperfeito é o mal, esse mal é a diferença entre o imperfeito e o perfeito. Logo, se os meus atos não condizem com o dEle, essa diferença é o mal, e ele pode ser do tamanho de um grão de mostarda, como pode ser do tamanho de uma montanha.

    Para exemplificar melhor isso, usarei do seguinte exemplo: esse texto é perfeito? Digamos que quase. Bom, se eu quero um texto perfeito, então preciso de Deus comigo. Então começo a redigir o texto, e logo na primeira frase Ele fala: para, está errado. Na segunda, na terceira frase até o final do texto Ele faz o mesmo. No fim, entretanto, o texto sai perfeito, mas não fui eu quem escreveu, foi Deus quem escreveu o texto perfeito. Se eu quiser um mundo perfeito, então Deus deverá estar junto comigo.
"Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo ao qual escolheu para sua herança." (Salmos 33:12)
    E é aí que está a graça dEle. O que foi preciso para que existíssemos como seres imperfeitos que somos? Precisou que Deus tivesse nos deixado em paz, que Ele se retirasse do mundo para que eu pudesse ser o que eu sou, para que eu pudesse escrever o meu texto, viver a minha vida. 

     Ou seja, o mundo é um gesto de amor divino que para que possa ser como ele é - imperfeito -, exigiu que Deus se retirasse para que as coisas pudessem ser por elas mesmas. E esse "ir embora" é um gesto de amor, pois quando Ele faz isso, Ele aceita uma diminuição de si mesmo, Ele aceita uma redução, Deus aceita uma crucificação. Ele que poderia ter feito tudo para sair daquela cruz sem o menor esforço, se deixa crucificar por amor. Esse é o símbolo de alguém que se diminuiu para que eu e você possamos crescer e viver.

    Esse amor chama-se ágape. Deus prefere retirar-se, diminuir-se para que possamos viver. Mais de mim (imperfeito), menos de Deus (perfeito). Aqui reside o suprassumo do amor. Um Deus que é suma bondade, amor, paz, alegria, e tudo mais, se faz menor e cria num ato de bondade um mundo imperfeito para que nós existamos. 

   Então essa maldade que reside no homem, e que reside no anjo caído, é a diferença entre o que é imperfeito e o que é perfeito. No que eu faço, para o que Ele faz. O mal só existe por que Deus se retirou para que vivamos. Porque Se ele permanece, o mundo não permaneceria. Para algo existir além de Deus, isso tem que ser imperfeito.

  • A CRUZ
    Então temos dois viés: Um Deus perfeito, e um ser imperfeito. Como podemos habitar em um Deus perfeito sendo nós maculados pelo pecado, imundos pela maldade, imperfeitos por natureza? Se colocássemos algo imperfeito em Deus, isso seria expulso dEle, como foi feito com Lúcifer. Então precisava que existe-se um antidoto para que algo imperfeito pudesse habitar na suma perfeição.

     Então, antes da criação de qualquer coisa, houve a cruz. A Cruz é o ato de benevolência onde Cristo fez todo trabalho necessário para que pudêssemos estar nEle. Ele se sacrificou para perdoar o nosso pecado, para que eu e você com Deus, sejamos um. Para que eu pudesse estar em contato com Deus. O véu se rasgou, as muralhas caíram. Aleluia por isso.

    Um Deus que permitiu que um dos seus seres se corrompesse, e ainda assim o criou. Um Pai que criou um mundo imperfeito para nós, mesmos imperfeitos (pois o diabo iria nos tentar e íamos cair) pudêssemos viver, também "criou" o meio para que nós pudêssemos se achegar a ele novamente. E a cruz foi esse meio, foi essa ponte. 

   Ele fez todo o trabalho, Ele fez tudo. É pela graça. Não existe nada que fizemos. A unica coisa que podemos fazer é correr em sua direção, e pedir para que Ele esteja conosco, para que a nossa maldade (diferença) diminua constantemente, e acetemos o alvo.
     "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie." (Efésios 2:8-9)

   Então nos planos de Deus, antes da queda, antes da criação, Deus criou o meio para que nós pudêssemos novamente estar em contato com Ele. Deus "criou" a cruz.

Glória a Deus por isso e que Ele nos abençoe!



Ronnedy Paiva
Colunista

Leia Também: Amar é um verbo, e o Verbo é Deus - Parte I, Parte II, Parte III, Parte IV e Parte V
_________
¹ Esta frase está em uma postagem do Caio Fábio, o link do Blog segue: < http://www.caiofabio.et >
14ª Classe Bíblica - Se o pecado surgiu com Lúcifer, porque Deus não o destruiu de imediato?, 2010. Disponível em: < http://blog.clickgratis.com.br/classebiblica/ >
FILHO, Clóvis de Barro. Aula 07:  A vida que vale a pena ser vivida. Cooper IHARA, 2013. Disponível em 

Um comentário:

  1. O melhor texto que encontrei e me deixou em paz com as minhas indagações. Obrigado por você ter dedicado o seu tempo a escrever e agora vou poder ficar melhor com Deus em tudo. Um abraço Ronnedy.

    ResponderExcluir