segunda-feira, 14 de abril de 2014

No pain, no gain e o Reino dos Céus

"No pain, no gain ('Sem dor, não há ganho') é, originalmente, um termo usado na prática do halterofilismo (wight lifting), querendo-se dizer com isso que, sem fazer esforço a ponto de doer, a pessoa não ganhará aquele tão sonhado 'corpo malhado'. Como o principio também é válido para os demais esportes e campos da vida, popularizou-se.
[Via Tecla Sap]   

    Você, com certeza, já deve ter visto essa frase estampada em algum lugar, desde uma camiseta até em uma rede social. Talvez você pode te-la associada a inúmeras coisas (esporte, trabalho, halterofilismo e afins), mas será que você já associou-a ao Reino dos Céus?
 "... o reino dos céus é tomado à forca, e pela forca se apoderam dele." Mateus 11:1

    Essa passagem é uma daquelas que mais pegam no pé dos cristãos, pois ela pode ser interpretada de várias maneiras, e entra em contradição, a priori, com uma resposta que o próprio Cristo deu aos seus discípulos: "Quem pode, então, ser salvo? Jesus, fixando neles o olhar, respondeu: Aos homens é isso impossível, mas a Deus tudo é possível." (Mt 19:25-26) Afinal, o Reino dos Céus é alcançado por Graça ou por Força? Dicotomicamente respondendo: as duas!

  A verdade é que por nós mesmos, não conseguiríamos nada, e que Deus através da morte (e ressurreição) de Cristo, fez todo o trabalho necessário para que tenhamos acesso a Ele. A obra redentora de Cristo é unica, perfeita e eterna. "Antes de haver Luz, houve Cruz"¹. A Cruz foi o modo que Deus, por amor, fez para que um ser corrompido e maculado pelo pecado, como todos nós, pudêssemos estar conectado com Ele, que é perfeito e que não compactua com o pecado.  
   "Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto."(Efésios 2:11-13)
  É pela graça e por Suas misericórdias que não somos consumidos pelo fogo de Deus. Por Suas misericórdias que se renovam a cada manhã (Lm 3:22-23) é que podemos estar vivos diante de um Deus Santo. E isso, não vem de nós. Não fomos nós quem deu um jeito para se encontrar Ele. Deus fez tudo, e nós não temos méritos nisso.
"Porque pela graça sois salvos, por meio da; e isto não vem de vós, é dom de DeusNão vem das obras, para que ninguém se glorie; Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas." (Efésios 2:8-10) 
"O evangelho é o fato de que Jesus viveu a vida que você deveria ter vivido, e morreu no seu lugar a morte que você deveria ter morrido, para que Deus pudesse te receber não por aquilo que você fez e é, mas por aquilo que Ele fez e é." [Tim Keller]

   A aceitação de Cristo como Senhor e Salvador das nossas vidas tem implicações; Deus, através de Cristo, na Cruz, morreu pelos nosso pecados, e sabendo disso, precisamos nos decidir: aceita-Lo ou não! Paulo coloca em Romanos 10:9 que, simplesmente "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.". É preciso ouvir o bater na porta e abri-la para que a salvação entre em nossas vidas. Ele nos deu o acesso, agora é necessário trilhar o caminho até Ele. Compreendendo isso, é preciso viver como Ele viver, e andar como ele andou (I Jo 2:6) E isso não é fácil, Paulo aos Romanos diz: "Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Pois o que faço, não o entendo; porque o que quero, isso não pratico; mas o que aborreço, isso faço. (Rm 7:14-15)". É preciso abandonar o velho homem para viver a nova vida em Cristo. Assim, faz-se necessário, a partir da confissão de que Jesus é o nosso Senhor e Salvador, saber o que isso significa.

    Primeiramente, agora Ele é o nosso Senhor. Ou seja, somos dEle, somos Seus filhos, ou como Paulo se conota: "somos escravos dEle" (Rm 6:22; Gl 1:10). Como nosso Senhor, devemos nos render a Sua vontade, obedece-Lo, adora-Lo, como reconhecimento de sua divindade. É uma forma tênue de reconhecer a Sua obra na Cruz, mas totalmente válida para uma vida de intimidade com Ele.

    Em segundo lugar, agora Ele é o nosso Salvador, ou nas palavras de John Stott: 
"... 'para nós, homens (seres humanos), e para nossa salvação, ele desceu dos céus...'. Agora, 'salvação' é uma palavra ampla, que abrange a totalidade do propósito redentor de Deus para suas criaturas alienadas [...] salvação é libertação, e tem aspectos positivos e negativos. Ela inclui libertação do justo julgamento de Deus para os nossos pecados; libertação da nossa culpa e da nossa consciência culpada; libertação para um novo relacionamento com ele, no qual nos tornamos filhos seus, reconciliados e perdoados, e passamos a conhecê-lo como nosso Pai. E libertação da amarga escravidão da vida sem sentido para um novo senso de propósito na nova e divina sociedade do amor, em que os últimos são os primeiros, os pobres são ricos e os mansos, herdeiros. E libertação da escura prisão de nosso próprio egocentrismo para uma nova vida de auto-realização através de serviço altruísta e abnegado. E um dia ela incluirá libertação da futilidade da dor, da corrupção e da dissolução, para um novo mundo de imortalidade, beleza e gozo indizível. Tudo isso — e muito mais! — é 'salvação'."²   
   Ele é ambos: Senhor e Salvador. Não podemos ter um Salvador sem um Senhor. Não podemos salvar nós mesmo de nós mesmo. E se o temos como Senhor, concomitantemente o temos como Salvador. Pois é a forma de te-Lo como tal.

   Depois da confissão de fé, é necessário negarmos a nós mesmos, pegarmos a nossa cruz, e segui-Lo. Tomar o Seu fardo que é leve e suave e andar o caminho que ante mão Ele nos predestinou para andar. É preciso matar diariamente o nosso 'eu' corrupto, para vivermos o nosso 'eu' em Deus.


"Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus." Lucas 9:62

    Antes andávamos como ovelhas sem pastor (Mc 6:34), mas agora o temos como modelo, nEle podemos olhar nossas atitudes e comparar com as deles. Como uma prova de matemática de um aluno é avaliada pelo gabarito do professor, devemos abandonar certas atitudes pecaminosas pela renovação de nossa mente e ser transformados constantemente por Seu amor para cada vez mais ser parecido com Ele. Mudar para o igual não é mudar, é continuar na mesma. E quando o temos, temos que apresentar uma vida fidedigna o quanto possível para que Ele seja glorificado em nós. Quando entendemos isso, que a salvação é uma pessoa, que não é ir para o céu ou inferno simplesmente; quando compreendemos que iremos habitar com o autor e consumador da nossa fé, o nosso Pai; quando vermos que foi pago um alto preço para termos uma conversinha com Ele, compreenderemos que nenhum esforço é alto demais para estar com Ele, independente do lugar. O posicionalmente é essencial para que experimentemos a boa, perfeita e agradável vontade de Deus (Rm 12:2).    


   A salvação vem dEle, mas uma vida com Ele depende de nós. Que possamos escolher Deus todos os dias. Que deixemos Ele nos lavar para que tenhamos parte com Ele (Jo 13:8). Que não vivamos na carne, mas a mortifiquemos para que vivamos no Espírito (Rm 8:12-13). Que saibamos que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada (Rm 8:18). Que não nos aflijamos quando formos odiados pelo mundo por falar o nome dEle (Mt 10:20-22). Que confessemos o Seu nome em todos os âmbitos de nossa vida (Mt 10:32-33). E que sejamos mais parecidos com Ele, sabendo que de nós não provêm nada, e que até as nossas forças vem dEle. 


"E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou." (1 João 2:2-6)

Que Deus nos abençoe,


Ronnedy Paiva
Colunista


________________
¹ Não foi encontrado fonte confiável com nome do autor da frase.
² STOTT, John. Ouça o Espírito, Ouça o Mundo: como ser um cristão contemporâneo. ABU Editora, 2005. p. 346.

Nenhum comentário:

Postar um comentário