quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Sobre nós, vida com Deus, os percalços do caminho e o Salmo 21

"O rei se alegra em tua força, SENHOR; e na tua salvação grandemente se regozija. Cumpriste-lhe o desejo do seu coração, e não negaste as súplicas dos seus lábios. Pois vais ao seu encontro com as bênçãos de bondade; pões na sua cabeça uma coroa de ouro fino. Vida te pediu, e lha deste, mesmo longura de dias para sempre e eternamente. Grande é a sua glória pela tua salvação; glória e majestade puseste sobre ele. Pois o abençoaste para sempre; tu o enches de gozo com a tua face. Porque o rei confia no Senhor, e pela misericórdia do Altíssimo nunca vacilará. A tua mão alcançará todos os teus inimigos, a tua mão direita alcançará aqueles que te odeiam. Tu os farás como um forno de fogo no tempo da tua ira; o Senhor os devorará na sua indignação, e o fogo os consumirá. Seu fruto destruirás da terra, e a sua semente dentre os filhos dos homens. Porque intentaram o mal contra ti; maquinaram um ardil, mas não prevalecerão. Assim que tu lhes farás voltar as costas; e com tuas flechas postas nas cordas lhes apontarás ao rosto. Exalta-te, Senhor, na tua força; então cantaremos e louvaremos o teu poder". Salmos 21


É engraçado como as coisas acontecem. Reis governam, súditos obedecem. Contudo, diante de Deus, reis são pessoas, homens, falhos, pecadores, inúteis e infiéis. Pessoas são pessoas e lhes atribuir qualquer outra característica e deixar de lado essa para sua apresentação é um erro, um grande erro.

Davi ora. Homem de oração. Homem de Deus. Homem que Deus fala com Ele, e que tem liberdade para agir em seu meio. Davi reconhece que depende de Deus, Davi orava antes de suas batalhas, e decisões, também chorava quebrantado, arrependido, desolado.

Davi era alguém que tinha um desejo por Deus, por pessoas, por ser benção.

É muito diferente a gente falhar porque as falhas acontecem e falhar querendo ajudar. Parece a mesma coisa, mas não é.

Nós devemos nos lembrar das falhas, pois somos passíveis delas. Somos confrontados por elas. Somos postos em xeque. Estamos diante delas constantemente. A cada dia, temos uma oportunidade nova para errar, quem não tem nada de bom, muito provavelmente cometa cada vez mais erros do que acertos.

Isso acontece por falhas naturais. Homem decaído, influenciado pelo pecado, não acerta, erra, não por tentar chegar ao alvo, mas por não ter alvo nenhum e atirar pra qualquer lado.

Quando a gente tenta acertar, as falhas são passíveis da mesma forma. Corremos os mesmos riscos, senão maiores. Contudo alçamos um objetivo. Vou explicar, tento levar pessoas ao amadurecimento na fé, entendendo que esse é o desejo de Cristo para todos e que a confiança em Deus, o desejo por Ele, e a compreensão das situações diversas da vida ocorrerão somente em reflexão e dependência daquele que é o Senhor da história.

Entretanto, uma das maiores dificuldades que se existe é o fato dos vários caminhos propostos. Várias hipóteses, sonhos. Sem prioridade, simplesmente projetos.

Talvez isso explique a quantidade de projetos iniciados por igrejas que não chegam a lugar nenhum; Talvez isso explique a quantidade de pessoas que você diz que ora e não se lembra delas; Talvez isso explique porque você acha que Deus não deseja ou pensa algo para você. Diríamos que ocorre-se uma falta de alinhamento, ou como gostamos de dizer, submissão por nossa parte a vontade do Senhor.

O nosso salmo mostra que Davi sabia pelo que pedia, e Deus caminhava com Ele. O nosso salmo mostra que Davia queria que Deus fizesse a Sua vontade, e se levantasse caso houvesse alguma coisa que O confrontasse de verdade, o Senhor deveria prevalecer, seja como fosse.

Davi nos ensina algumas coisas, e eu peço a Deus para que o Espírito Santo nos capacite e fortaleça para que se tornem reais.

Em primeiro lugar, esse salmo mostra que mesmo por Deus ter realizado prodígios, o Salmista se alegrava no Deus e não no milagre.

Isso já se tornou maçante, mas não ultrapassado. Somos gente que louva o deus da benção e não o Deus da luta. O Deus que nos promete, diz, fala, e nos mima, esse deus nós estamos prontos para adorar. Agora o Deus da repreensão, da caminhada constante, que não muda, que se relaciona e ama, é mais difícil. Ele está no seu papel de origem, como Deus. E nós ficamos decepcionados com seu "afastamento de nós", ou melhor a falta de realizar nossas vontades.

Nós falhamos e havemos de continuar com os erros, entretanto, nós com certeza buscaremos um alvo, o perseguiremos e confiaremos que Deus em si, nos guiará, confirmará, e na sua presença, pelo caminho seremos edificados e abençoados.

Em segundo lugar, o salmo mostra que a gente pode ser sim, sérios com Deus.

Nós podemos levar Deus a sério. Nós podemos e devemos chegar diante das pessoas e crer naquilo que Deus falou e não deixar para trás. Nós podemos e devemos crer que Deus pode nos usar para a edificação de outras pessoas, famílias, bairros, cidades e até os confins da terra.

Não crer que Deus faz com gente que Ele deseja usar, não por méritos, mas por obediência, é achar que Deus é um idiota, que tem mais interesse em mimar alguém do que usar alguém para que seu nome seja mais conhecido.

Deus não é pragmatista, mas o seu interesse é ser conhecido, é se relacionar com pessoas. Seriedade com Deus, é como a seriedade do casamento, não é para ser aproveitada e mantida fiel em seu início e abandonada ao longo da vida, mas ser usufruída para que a cada dia nos aproximemos do Senhor, em reverência e compromisso, Ele não mente e há de fazer o que deseja, conforme a sua vontade, a nosso respeito.

E as dificuldades, virão; As falhas virão; Os erros virão; Os pensamentos impuros virão; As crises virão.

Mas não seremos sérios e comprometidos se não crermos no poder que faz infinitamente mais, que nos leva a depender cada vez mais. O caminho para mais com Deus, é menos de nós. E o caminho para mais com Deus é ser cada vez mais humilhado, esbofeteado e ultrajado pelas dificuldades que a vida nos traz, agora e futuramente também.

Em terceiro lugar, o compromisso que firmaremos é com o louvor do nome do Senhor, e não com o resultado que nos será apresentado.

Não queremos ser conhecidos por milhares de milhares, queremos que Deus seja Deus de toda terra.

Não desejamos ser conhecidos por várias conversões, queremos abençoar aquele que precisa, embaixar o reino, e restaurar a terra.

Não queremos ser poderosos, temos sede de justiça e quando essa for feita, indpendente do local o Senhor será visto, e independente da situação é do lado da justiça que Ele e também nós estaremos.

Louvor, para quem não sabe é o ato de lembrar aquilo que foi feito. Louvor não é música, louvor é fé ativa, por aquilo que já aconteceu, e se Deus quiser, se estiver em seus planos, Ele nos surpreenderá de novo com sua presença manifesta, e poder transformador. No nome de Jesus.



Nenhum comentário:

Postar um comentário