quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Sobre nós, um pouco de oração de verdade e o Salmo 20

"Que o Senhor te responda no tempo da angústia; o nome do Deus de Jacó te proteja! Do santuário te envie auxílio e de Sião te dê apoio. Lembre-se de todas as tuas ofertas e aceite os teus holocaustos. Conceda-te o desejo do teu coração e leve a efeito todos os teus planos. Saudaremos a tua vitória com gritos de alegria e ergueremos as nossas bandeiras em nome do nosso Deus. Que o Senhor atenda todos os teus pedidos! Agora sei que o Senhor dará vitória ao seu ungido; dos seus santos céus lhe responde com o poder salvador da sua mão direita. Alguns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós confiamos no nome do Senhor nosso Deus. Eles vacilam e caem, mas nós nos erguemos e estamos firmes. Senhor, concede vitória ao rei! Responde-nos quando clamamos!" Salmos 20


Que tempos difíceis. Confesso que não gosto desse tempo de final de ano. Ocorre-me um sentimento esquisito. Uma mescla de gratidão ao Senhor pelo ano que tive, aliás, 2013 foi um ano maravilhoso para mim, e um desespero, pelo o que ocorrerá em 2014.

Um tempo de euforia, festas, abraços, carinhos, presentes, sonhos. Mas também, um período de avaliação. Período de se ponderar, avaliar-se, e entender os motivos das falhas, bem como as ações bem sucedidas, e aprovadas por Deus.

Momento de buscar novos referenciais, novos horizontes, novos sonhos e projetos. Momento de dúvidas e insegurança. Momento em que Deus tem provado sua fidelidade e sustento, e momento em que o Senhor certamente nos dará oportunidade de decidir os caminhos a serem trilhados.

Tanto para mim, quanto para você: que Deus nos ilumine, dê graça e misericórdia nesse novo ano.

Mas por que toda essa introdução?

Acredito que era num momento desse que é escrito por Davi o Salmo 20.

O título da minha bíblia, "João Ferreira de Almeida - Revista e Corrigida - Revisão de 1997", para esse salmo é: Oração pelo rei na guerra.

Vocês sabem como é guerra né? Um bando de soldados que vivem em treinamento, em rigorosa disciplina para que em dado momento usem das suas habilidades, seus corpos, artes marciais, armas, etc; para que a bandeira que representam saia vencedora.

E vocês sabem que existem um tanto de interesses por trás, políticos, ambições, etc.

Mas no caso do salmo, quero me ater, ao sentimento que possivelmente está presente nessa oração.

Explico, já vi orações de todos os tipos: envio de missionários, consagração de pastores, exorcismos, por prosperidade (a mais comum na TV evangélica brasileira), curas, etc.

Mas nessa oração, aprendo muita coisa. Aliás, Davi quando ora me ensina muita coisa.

Eugene H. Peterson, no seu livro "A mensagem", na breve introdução do livro de Salmos que o autor faz, dá uma referência de salmos como orações, e cá entre nós, essas orações já nos tem ensinado bastante desde o início do nosso estudo, né?

Mas uma das mais maravilhosas orações que Davi faz, em minha opinião, está em 1 Cr 29, o leitor pode ir lá em sua bíblia conferir. Talvez ajude a acompanhar a meditação aqui proposta.

O mais interessante desse salmo é que pouca ou nenhuma menção é feita às vitórias nas batalhas. Pouca ou nenhuma menção é feita às conquistas. Pouca ou nenhuma oração é feita para que Deus realize desejos de quem ora, e não os dEle.

Isso nos mostra, o que um verdadeiro "homem segundo o coração de Deus", ora, mesmo quando seus interesses estão em jogo.

O vigésimo salmo nos ensina muito, sobre orações que um homem deve fazer, e o que esperar de Deus, e espero conseguir, com submissão ao Espírito Santo, dividir com você algo para nossa reflexão.

Em primeiro lugar, o Salmo de número 20 nos ensina que: certamente você enfrentará problemas.

Comentei que vi algumas orações de envio. Comentei que vi algumas orações de consagração. Entretanto, acho engraçado o que acontece nesses momentos, as festas são tantas, as motivações e palavras de incentivo que poucos se lembram de incentivá-los à perseverança.

Aliás, que palavrinha que perdeu sentido no contexto "pós-moderno". Para os mais velhos, perseverar é sinal de honra, obediência, e respeito à direções previamente estabelecidas. No mundinho gospel de hoje, perseverar significa mais perder o "novo do Senhor", que ter seu caráter transformado no processo.

Quero abrir parênteses para esclarecer algo, quando me refiro ao mundinho gospel, neo-pentecostais, carismáticos, etc; não estou me referindo propriamente à classe, mas ao grande número de ditos dessas correntes doutrinárias envolvidos em escandalos, fazendo besteira por aí, ensinando coisas que não tem muito ou quase nada a ver com bíblia. Embora acredite, que exista gente séria no meio disso tudo, e de forma errada alguns nomes citados tenham virado sinônimo errado de gente descomprometida. Fecha parênteses.

Pois bem, tendo esclarecido essas informações, prossigo.

A oração de Davi, mostra logo no primeiro verso: você passará por angústias! Mas quando estiver passando por elas, lembre-se do Senhor! Aquilo em nome do qual você luta, muitas vezes fará mais por você do que a própria batalha em si. Nelson Mandela ficou conhecido por lutar contra o Apartheid, e não todos os seus escritos são popularmente conhecidos da população.

Mandela, aliás, também nos ensina, que proteção (o nome do Deus de Jacó te protegerá), não quer dizer falta de dificuldades ou imprevistos nos planos, mas que nos momentos de luta, importa lembrar que a batalha não é por nós mesmos, mas por um povo.

A oração de Davi, nessa primeira lição nos mostra, que Deus pode nos ouvir; nós temos de quem nos lembrar nos dias ruins; E que em qualquer situação o nome do Deus de Jacó nos proteje.

Porque pior do que orar em aflição, é não ter ninguém para nos ouvir.

Pior que ser afligido pelas circunstâncias da vida, é não ter com quem dividir, não ter um Deus que se preocupa conosco.

Pior do que sofrer em tempos difíceis, é não entender: que se estamos vivos é pela graça e misericórdia do Senhor, e se morrermos, com Ele estaremos em seguida.

Davi nos ensina, lembre-se de Deus, porque você enfrentará grandes provações, e o único que consolará sua alma de maneira eficaz será o Senhor, o Criador de todas as coisas.

Em segundo lugar, o Salmo de número 20, nos ensina que: mais importante é a vida que o reconhecimento.

Guerras, quando vencidas, causam temor nas pessoas. Causa respeito pelo governante da nação.

Guerras causam terror em sua prática, mas benefícios por sua consequência. Países hoje são respeitados internacionalmente por possuírem determinados armamentos bélicos, pela sua segurança nacional, etc.

Davi mostra que antes de benefícios materiais, reconhecimento, fama, etc, vem a vida.

Antes de pedir que Deus atenda os pedidos do combatente, ele deixa claro, o que queremos é você de volta. Enviar gente para guerra, não é como muitos pensam, não ter compromisso com o enviado, mas é alegrar-se em dar condições de vida para o mesmo.

Não adianta enviar missionários se não for para ter compromisso com seu sustento.

Não adianta formar pastores se não for para que esses tenham condições de vida digna.

Não adianta ter seminários se os seminaristas passam necessidades grotescas em seus alojamentos.

Não adianta buscar o reconhecimento sem trabalho, sem mão na massa.

Embora alguns pastores, e missionários, e obreiros estejam pouco interessados com a bandeira que eles representam, nós devemos ter amor e interesse por vidas, essas vidas trazendo ou não algum reconhecimento ou espécie de benefício para nós.

Somos interessados em pessoas, que Cristo ama, e deseja salvar. Usamos as coisas para sinalizar à esses ainda não conquistados pela graça, para que venham conosco, servir o reino de Cristo.

Usar coisas, e não pessoas, para a glória de Deus e não nossa.

Em terceiro lugar, o salmo de número 20 nos ensina que: na hora da batalha, a confiança tem de ser em Deus.

Muitos confiam em gigantes, Davi, confiou no nome do Senhor, sabia que uma pedrinha vira bala de canhão quando a causa é o nome de Deus.

Nós devemos aprender por que causa lutar. Nós devemos aprende, porque nos desgastar. Nós devemos aprender o que deve inflamar o nosso coração.

Já vi gente cheia de conhecimento, perder pra analfabetos de fé. Já vi muito soberbo chorar com quem não tem nada à oferecer além de um ombro amigo.

Já vi gente interessada em ser conhecida e caiu por não ter amor.

Nós não somos gente que confia em coisas. Nós sabemos por quem nós lutamos. Nós sabemos que bandeira é a nossa. Nós conhecemos o nosso Deus.

Nós sabemos que Deus não nos quer em todas as batalhas, mas as batalhas que o próprio Senhor nos colocar, nós lutaremos confiando no nome do Senhor, não em nossos argumentos.

Nossos interesses mudam. Deus é o mesmo pra sempre.


Que nós aprendamos a orar como Davi. Entendendo que enfrentaremos lutas, nosso interesse é por pessoas, e nossa confiança é no nome do Senhor e seus interesses.

Que Deus nos abençoe. Que consigamos sinalizar o reino de Deus que já chegou.

Graça e paz.


Mateus Machado
Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário