quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Sobre nós, um pouco de nossas crises e o Salmo 18

"Eu te amarei, ó SENHOR, fortaleza minha. Senhor é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio. Invocarei o nome do Senhor, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos. Tristezas de morte me cercaram, e torrentes de impiedade me assombraram. Tristezas do inferno me cingiram, laços de morte me surpreenderam. Na angústia invoquei ao Senhor, e clamei ao meu Deus; desde o seu templo ouviu a minha voz, aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face. Então a terra se abalou e tremeu; e os fundamentos dos montes também se moveram e se abalaram, porquanto se indignou. Das suas narinas subiu fumaça, e da sua boca saiu fogo que consumia; carvões se acenderam dele. Abaixou os céus, e desceu, e a escuridão estava debaixo de seus pés. E montou num querubim, e voou; sim, voou sobre as asas do vento. Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus. Ao resplendor da sua presença as nuvens se espalharam, e a saraiva e as brasas de fogo. E o Senhor trovejou nos céus, o Altíssimo levantou a sua voz; e houve saraiva e brasas de fogo. Mandou as suas setas, e as espalhou; multiplicou raios, e os desbaratou. Então foram vistas as profundezas das águas, e foram descobertos os fundamentos do mundo, pela tua repreensão, Senhor, ao sopro das tuas narinas. Enviou desde o alto, e me tomou; tirou-me das muitas águas. Livrou-me do meu inimigo forte e dos que me odiavam, pois eram mais poderosos do que eu. Surpreenderam-me no dia da minha calamidade; mas o Senhor foi o meu amparo. Trouxe-me para um lugar espaçoso; livrou-me, porque tinha prazer em mim. Recompensou-me o Senhor conforme a minha justiça, retribuiu-me conforme a pureza das minhas mãos. Porque guardei os caminhos do Senhor, e não me apartei impiamente do meu Deus. Porque todos os seus juízos estavam diante de mim, e não rejeitei os seus estatutos. Também fui sincero perante ele, e me guardei da minha iniqüidade. Assim que retribuiu-me o Senhor conforme a minha justiça, conforme a pureza de minhas mãos perante os seus olhos. Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero; com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável. Porque tu livrarás o povo aflito, e abaterás os olhos altivos. Porque tu acenderás a minha candeia; o Senhor meu Deus iluminará as minhas trevas. Porque contigo entrei pelo meio duma tropa, com o meu Deus saltei uma muralha. O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam. Porque quem é Deus senão o Senhor? E quem é rochedo senão o nosso Deus? Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho. Faz os meus pés como os das cervas, e põe-me nas minhas alturas. Ensina as minhas mãos para a guerra, de sorte que os meus braços quebraram um arco de cobre. Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me susteve, e a tua mansidão me engrandeceu. Alargaste os meus passos debaixo de mim, de maneira que os meus artelhos não vacilaram. Persegui os meus inimigos, e os alcancei; não voltei senão depois de os ter consumido. Atravessei-os de sorte que não se puderam levantar; caíram debaixo dos meus pés. Pois me cingiste de força para a peleja; fizeste abater debaixo de mim aqueles que contra mim se levantaram. Deste-me também o pescoço dos meus inimigos para que eu pudesse destruir os que me odeiam. Clamaram, mas não houve quem os livrasse; até ao Senhor, mas ele não lhes respondeu. Então os esmiucei como o pó diante do vento; deitei-os fora como a lama das ruas. Livraste-me das contendas do povo, e me fizeste cabeça dos gentios; um povo que não conheci me servirá. Em ouvindo a minha voz, me obedecerão; os estranhos se submeterão a mim. Os estranhos descairão, e terão medo nos seus esconderijos. O Senhor vive; e bendito seja o meu rochedo, e exaltado seja o Deus da minha salvação. É Deus que me vinga inteiramente, e sujeita os povos debaixo de mim; O que me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim, tu me livras do homem violento. Assim que, ó Senhor, te louvarei entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome, pois engrandece a salvação do seu rei, e usa de benignidade com o seu ungido, com Davi, e com a sua semente para sempre". Salmos 18:1-50



Sempre achei engraçado essa dos pastores lerem textos gigantes, vários versículos, e depois de uma leitura grande e exaustiva, ainda se proporem a escrever algo sobre eles.

Me lembro que na minha adolescência, quando ia aos cultos e chegava no momento da leitura do texto para a meditação, era como se estivesse autorizado à partir de então o sono, a viagem no banco, os detalhes que nunca forma percebidos no teto, e por aí vai.

Começo o sobre o salmo 18, pedindo perdão, pois é exatamente duma situação dessa que estamos lidando.

Espero que tenham paciência, e que Deus na sua infinita misericórdia fale conosco através dele.

Acho engraçado tudo que temos vivido, digo temos, por me referir a chamada Igreja Evangélica brasileira. Assim como todos os organismos vivos, a igreja passa por fases, e cá entre nós, estamos numa fase bem difícil.

Para entender o que quero defender, preciso explicar algumas coisas:

1 - O que é Igreja.

2 - O que é Comunidade.

3 - O que é fé.

E depois trabalharemos um pouco o que a somatória dessas coisas representam na prática. Claro que entendo, sou novo, pouca experiência ministerial (quase nenhuma), contudo, gosto de me arriscar e defender o que tenho visto.

Então vamos lá.

Existem vários equívocos sobre o que é igreja.

O primeiro equívoco é o total respeito e idolatria aos templos. Algo remanescente da Igreja da idade média, onde as catedrais foram construídas e etc. A igreja não é um prédio frio, acredite nisso.

O segundo equívoco é a respeito da igreja ser uma pessoa, contudo sozinha. Esse equívoco gigante torna cada um responsável pela sua própria espiritualidade e que nenhuma pessoa ao seu lado vivesse ou partilhasse do momento. Esse equívoco, faz dos crentes magoados, um bando de orgulhosos, que ao não concordarem com determinada pregação, ensino ou disciplina, criam uma nova forma de adoração, visto que não consideram necessário a vida comunitária, e edificação mútua, e a beleza e importância do abraço e amor ao próximo.

O terceiro equívoco com a igreja é desconsiderar as duas coisas e não se pensar no aspecto da reforma em que a igreja permanece sempre se reformando. A igreja não é templo, mas templo é o lugar onde a congregação celebra junto, onde vive a dinâmica do culto. Não é um local mais espiritual, mas é um local especial para o povo, é onde a palavra de Deus encontra seus corações e onde eles podem render à Deus o seu culto racional. Templo não é algo a ser combatido, mas posto no seu devido lugar. Por outro lado, não devo ser alienado quanto a minha vida particular com o Senhor, mas compreender que meu relacionamento com Deus é por amor ao Pai e não por nenhuma outra coisa, não dependo de ninguém para me relacionar com Deus, mas entendo que a relação pessoal é manifesta na vida comunitária.

A igreja não está pronta, nem é perfeita. Sinto lhe informar, nunca a será. E com sinceridade, Deus está nesse negócio, apesar de tudo o que temos visto por aí.


Sobre comunidade. 

Gente comum, que não tem muitos interesses, muitas vontades particulares mas pensa em prol de um coletivo. No caso de uma comunidade, dita cristã, gente que pensa em prol do outro, para que esse seja cada vez mais próximo de Cristo, mais parecido com Ele, e mais apaixonado e rendido aos seus pés.

Sobre a fé

"Fé é acreditar naquilo que Deus diz ser, e acreditar que Ele faz aquilo que Ele diz fazer" - Charles Spurgeon. Mas fé, hoje é confundido com crença. Fé é na pessoa, crença nos costumes. Fé é no Deus poderoso, crença é nos rituais. Fé é naquilo que não podemos fazer, crença é naquilo que fazemos. Fé é sinônimo de maturidade, completada com a razão e não tem a ver com reações inapropriadas, complicadas e duvidosas, tem ligação com obediência, à orientação clara da palavra. Fé é simples, crença é cheia fantasias. Fé sabe agradecer, crença só saber murmurar.

Não notamos o quanto, apesar de tudo, somos abençoados nos cultos?

Não notamos, apesar das discussões e confusões, um abraço nos faz bem?

Não notamos e reparamos que apesar de tudo, a palavra ainda continua a nos ensinar, mesmo que por gente que a gente desconfia tanto?

Não notamos que tem gente comprometida, mesmo em lugares em que a gente não esperava nada disso?

Não notamos que o Senhor tem cuidado desse povo, apesar de tudo o que temos visto?

Os mãos-santas, os doe seu dinheiro, os que gritam sem conteúdo, os que falam mais de cura do que de amor, os que pregam milagres e não santificação, consagração e temor ao Senhor, algum momento darão parte disso com Deus, e o Senhor fará o que lhe aprouver, fará a sua Justiça resplandecer. Deus sabe o que faz. Ele está no controle. Não estamos desamparados.

Em primeiro lugar, ao enxergar essa crise que a igreja está sendo submetida por "pastores" profissionais, pastores ladrões, membros mimados, analfabetismo bíblico, espiritualizações esquisitas, interpretação bíblica herética, e por aí vai, eu entendo que Deus ainda está no controle de todas as coisas.

O salmista ensina que nos momentos de crise, devemos nos lembrar que Deus é conosco. Ao olhar para igreja hoje, eu me sinto em crise. Conheço a corrupção, conheço a dificuldade da luta na contra-mão, conheço a falha. Contudo, como bem disse, nós temos visto as falhas, e os aspectos positivos.

O que acontece hoje, é que virou cultural "bater na igreja". Todo mundo bate em todo mundo. Apóstolos da toalha que cura que xingam o pastor que nem prega, só grita. Mas o Deus continua o mesmo, amando os pacificadores, os mansos e humildes, os que choram e os que estão preocupados em sinalizar o reino de Cristo na face da Terra.

Não sou defensor da alienação. Não sou defensor daquilo que não existe. Não sou defensor das causas impossíveis.

Contudo, defendo Deus. Ele não mudou. Se Deus uma vez confiou à igreja o evangelismo, o crescimento, a edificação dos santos, a proclamação do reino, libertação, cura e a apresentação do Senhor para os que ainda não ouviram a respeito Dele. Certamente Ele nos ajudará para o feitio dessas boas obras.

Aí, aprendo o conteúdo da mensagem. Aquilo que deve ser ensinado, gritado e vivido. Deus é refúgio. Deus é socorro bem presente. Ele é conosco. Ele está aqui. Ele sabe que uma hora muitos abrirão os olhos e se voltarão para Ele, e estará pronto para nos receber, e não negar aquilo que sempre foi, desde a eternidade.

A primeira lição é que nos momentos de crise, com o mundo, os próximos, e a igreja, Deus continua presente, sendo amoroso, gracioso, e certamente demonstrará que está no controle.

Em segundo lugar, ao enxergar as crises já citadas, aprendo que antes de mim elas estavam lá, e que após a minha crise, permanecerão lá.

Seria muita inocência acreditar que o mundo vai ser perfeito, que as minhas opiniões, indignações, inconformismo, farão da igreja o melhor local do mundo.

Seria muita inocência acreditar também que antes dessa crise não enfrentamos outras. Não podemos ser imediatistas. Não podemos ser imaturos e mimados. Isso não cabe mais. Devemos entender que as crises passam. Não estamos no controle. Existem situações, e elas são muitas, que a vida não agradará as nossas exigências, que os chefes não respeitarão nossos limites, que o trânsito não fluirá quando estamos atrasados. A vida é mais do que nossos problemas.

E não é diferente nesse tempo nosso. O que não podemos esquecer é o cuidado de Deus.

Ah como é maravilhosa a certeza do cuidado do Pai. Ah como é indescritível a certeza do agir de Deus e não de coincidências nas nossas vidas.

Quando entendemos a dependência que temos de Deus, aprendemos que oração é deleite da alma, mas também arma de guerra. Quem luta é o Senhor, nós admitindo isso ou não. O Pai nos representa, em todo tempo. E sempre nos dirá, enquanto estivermos em Cristo, lutando pelos interesses dEle, que somos filhos amados em quem tem prazer.

Em terceiro lugar, é nos momentos de crise que entendo que a proclamação não pode parar.

Se estamos em crise tendo a fé já firmada, imagina aqueles que não ouvem e vivem essa mensagem.

Se por um lado temos nossas crises internas. As crises são para todos. Os que creêm e os que não creêm.

Se nós, tendo esperança a negamos aos oprimidos, o Deus amoroso e misericordioso trará juízo sobre nós. Nós vendo que existe um alívio para alma, não podemos deixar de pregar a graça, o amor e o perdão. Deus continua sendo bom.

Como orou Habacuque. Ainda que!

Ou seja, as coisas podem piorar, mas eu me alegrarei no Senhor.

No Senhor, não pelo que Ele faz. No Senhor, não pelas circunstâncias que Ele tem mantido em paz ao meu lado. No Senhor e não na saúde, conforto, prazer, etc.

A mensagem da igreja em crise, do povo em crise, é para gente em crise.

A mensagem da igreja em crise, do povo em crise, para gente em crise é: venha conosco, soframos juntos, todos, aprendendo a amar ao Senhor juntos, apesar disso tudo.

Essa mensagem ganhará poder pelo Espírito de Deus, porque não será obra nossa, mas de Deus.

Essa mensagem ganharão as pessoas, pelo amor de Deus sendo derramado, gerando compaixão em nossas vidas e gerando comunhão.


A igreja continua. Talvez capengando, mas continua. Achar que Deus não está no controle disso, talvez seja tão pecado quanto continuar a fazer o que tem sido feito, roubar o povo, pregar a si mesmo e se interessar pelo benefício próprio.

Minha oração é para que a minha crise passe. Que Deus me dê companheiros para passar por elas. E que eu continue a proclamar a verdade, vivendo a mesma e pregando sobre os interesses do Pai.

Que Deus nos abençoe. E se você também está em crise. Venha, vamos juntos, para aprender o que é ser igreja, o que é ter fé, e o que é viver em comunidade.

A Graça e a paz.



Mateus Machado
Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário