quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Sobre Ele e ela. [Parte 4]

Gostaria de entender o que acontece.



Onde foi parar a fé progressiva, a direção e fervor do e para o Senhor. O que fizeram com a palavra, ou a pregação dela, que não transforma, mas acomoda, faz carinho.

O que fizeram da espada? Ela não corta, não faz separação. A espada hoje, nas mãos de gente que tão pouco mostra em temor ao Pai, tem se transformado em canivete, um no máximo um caco de vidro afiado.

O que fizeram da fé? Aquela que antes, nas gerações passadas faziam os crentes perseverar, buscar a face de Deus, entender seus propósitos, seus caminhos, seus ensinamentos na prática, e não teorização, teologificação dos assuntos da vida.

O que aconteceu com a teologia? Que antes tinha ligação íntima com a vida. Teologia era a ciência da vida em relação ao Senhor. Era a ciência que fazia o homem se atentar ao seu dia a dia debaixo do conselho, dos mandamentos e da orientação do Pai. Essa, hoje virou gesso; enquadra, fixa, aprisiona, leva à meditação superficial, sem profundidade prática, não ganha as ruas, não leva os crentes às ruas, os fazem ficar admirados pela poesia das falas rebuscadas e os aliena nos bancos dos templos.

O que fizeram com o Cristo? De salvador e Senhor para nosso empregado. Aquele que era, é e sempre há de ser, agora é obrigado a nos abençoar. Ele sabe o que necessitamos e o que desejamos, e se somos mais do que vencedores nEle, a sua obrigação é nos fazer vencer em tudo, mesmo que em coisas que não tem em nada compromisso com Seu reino.

É esse evangelho? É essa fé? É essa comunidade?

O que fizeram com a igreja? Gente que se unia para celebrar a vida, dAquele que morreu, mas ressucitou. Crucificado, mas agora glorificado. Padeceu, mas vivo está. Humilhado, mas hoje reina. Cadê a comunidade que celebra isso? Num só espírito, numa só fé, num só salvador, num só cantico, numa só visão, numa só autoridade a do Senhor nos céus, o cabeça desse corpo, que nos justifica diante de Deus.

Eu anseio ver a restauração. A restauração de uma relação que não está completa porque os prédios se enchem de pessoas; Não está completa porque as instituições estão enriquecendo cada vez mais; Não está completa porque hoje é popular e ganhou as mídias; Não está completa porque se fala em crescimento quantitativo. Anseio ver uma restauração que será completa quando a maioria dos ditos seguidores, deixarem ser transformados, pelo sofrimento atual, para a glória porvir.

Anseio pelo avivamento do Espírito Santo, através da obra redentora de Cristo, através do propósito eterno do Soberano e criador de todas as coisas, o Deus Pai.



Essa é a minha expectativa, junto com toda a terra. (Rm 8:19)

Mateus Machado
Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário