quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sobre a Igreja, os cristãos e os holofotes da mídia


Eu até me espanto sobre o tanto de desafios e convocações que andam sendo feitas para que a igreja se defenda.

"A igreja deve se posicionar. A igreja deve tomar partido. A igreja deve agir".

De fato, isso é verdade. Contudo, quero questionar-lhes duas coisas.

A primeira: O que é igreja para você?

E a segunda: Para que ela serve?

A primeira pergunta é simples de responder: a igreja somos nós, não o templo. Ok, ok, na teoria isso aí é bem bonitinho e poético. Agora de verdade, o que você pensa sobre igreja? O que está dentro de você, e te vem a mente quando os irmãos de sua congregação dizem: "vamos à igreja?"

Quero propôr três versões de igreja para que a gente prossiga no assunto principal, a igreja e os holofotes da mídia.

A primeira versão de igreja é a igreja como local. Essa aqui é meio ultrapassada, ninguém vê a igreja como local mais. Na verdade, na verdade a igreja é ativa em todos os momentos certo? Reuniões de oração pelas casas; os bairros e bares lotados de jovens fazendo evangelismo e cantando louvores para estar em comunhão com Deus; num existe mais essa de culto no templo, isso aí era coisa dos antigos. Acho que nem pastor como 'super espiritual' existe mais, todo mundo já entendeu que o 'super espiritual' viveu muito tempo atrás, aliás sempre viveu, desde a fundação e voltará para reinar no dia da consumação dos séculos. Todo crente sabe disso.

Todo crente sabe que a igreja como local é coisa pra gente que não entendeu o que o evangelho significa com não ter lugar para reclinar a cabeça. Ou todo crente mesmo, já entendeu que os discípulos e o próprio Jesus fazia seus sermões e ensinava na rua, não tendo pretensão de número de pessoas, um culto superlotado. Todo crente, que é crente mesmo, sabe que Jesus, deixou a multidão para fazer milagres, que deixou a multidão para ir orar em lugar onde não tinha mais ninguém. Crente que é crente sabe que culto lotado é mais parecido com sinagoga do que com ceia do Senhor. Todo CRENTE mesmo, já sabe que a igreja como local é da época da Dercy. Se a Dercy conhecesse os pastores aí que bombam na TV ela certamente teria se convertido, todos eles pregam o reino de Deus, sem confusão, sem interesses. Eles bombam porque Deus é o foco deles, e por isso eles sempre falam em nome de Deus e são 'ungidos do Senhor'. Crente que é crente sabe que os pastores estão sempre certos, seu nível espiritual é muito maior.

Pois bem, como já entendemos que a igreja como local é furada, vamos para a segunda versão, acho que a segunda versão vai agradar bastante você.

A segunda versão de igreja é você. POOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO AÍ ESTÁ A SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS. Seu Creysson (do caceta e planeta) diria: seus problemas se acabaram. Pois bem, você é uma igreja de verdade. Você leva a Deus como prioridade, não tem nada entre você e Deus e seu relacionamento com Ele é tão sincero que quem olha para você, enxerga a pureza em pessoa. Você não peca, jejua três vezes na semana, fecha os olhos na oração e até levanta a mão no louvor. Você é um crente e tanto. Você sabe pelo menos um versículo de cada livro da bíblia decor; você prega, e olha que quando prega até grita. Você tem revelações, dá dízimo e sempre lembra seu primo que se ele não parar de beber a cerveja dele nos finais de semana, o inferno é o local que o espera. Você é um crente e tanto. Você se olha no espelho e vê Jesus. Pronto, achei. A igreja perfeita. Você é o cara que toca no louvor, ministra, prega, lidera a reunião de oração, participa da faxina do local de reuniões, aliás a sua casa é o local de reuniões. Poxa, eureca! Achamos.

Não? Não é você? Eu não acredito que você não é a igreja ali em cima. Você ora em línguas!

Tá, se a igreja perfeita não é um local e nem é você, deve ser a comunidade. É claro. Comunidade. Comunidade é gente que se reúne com o mesmo propósito. Claro, sem brigas, confusões, rixas, problemas. Comunidade, é essa. Comunidade não tem problema financeiro porque todo mundo sabe que tem que pagar tudo certinho, e todo mundo colabora com o mesmo tanto. Todo mundo sabe que tem que limpar, daí todo mundo ajuda. Todo mundo sabe que tem pobre passando fome, daí junta dinheiro para comprar comida para eles. É isso. A igreja perfeita é comunidade. Comunidade da onde? A comunidade. É, pronto, achei.

Espero, que nessas três versões de igreja, vocês tenham entendido a minha ironia, por favor.

A verdade é que a igreja é um hospital. Igreja é para gente doente, gente que precisa de cura, gente que precisa da verdade. Igreja não é um formador de opinião, ela pode formar a opinião de alguns, mas seu propósito não é esse. A igreja existe para ser benção na vida da sociedade na vida do ser humano, como um todo.

Não, eu não concordo com que os pastores, os ativistas e os demais estão fazendo a respeito do homossexualismo.

Não, eu também não concordo com o homossexualismo dentro da igreja, nem com o casamento homossexual, nem como nada disso.

Mas eu aprendi, no evangelho de Cristo, que perseguição é benção na vida dos que amam ao Senhor. Que teme a luta quem sobe para lutar.

Nós não subimos para lutar, o Senhor vai em nosso lugar. Me desculpem, mas Marco Feliciano não me representa. Me desculpe, mas minha profissão me ensinou que as pessoas escolhem coisas para si, que não podemos interferir.

Me desculpe, mas a educação que recebi me ensina a amar, me ensina a dar a outra face.

A igreja que não aprendeu que quem defende seus interesses é o seu Senhor, não aprendeu nem mesmo quem é que ela serve.

A igreja não aprendeu que ela é um hospital. E que como hospital, seus cuidados são para com os doentes; hospital é lugar para gente insignificante, que está à ponto de morrer, que carece de cuidados. Cuidado, na visão dos outros é local que só serve para receber críticas, e eu nunca vi ninguém defendendo hospital nenhum. Hospital faz o seu trabalho porque é seu trabalho. Hospital trabalha porque acredita na sua missão. Sua função é curar gente, é tratar da melhor forma. O Hospital sabe que não serão todos que sairão satisfeitos, mas no mínimo pensam em dar o seu máximo. Se a igreja ao invés de ligar para a sua reputação ligasse para o seu serviço, com certeza a sua reputação seria diferente. Se a igreja cuidasse de quem ela pode cuidar ao invés de entrar em assuntos que certamente não tem como abraçar. A igreja precisa de uma reforma, assim como a maioria dos hospitais. A igreja precisa lembrar do que ela precisa fazer na terra; ela foi chamada para ser corpo de Cristo na terra, sua noiva adornada. A igreja não é uma empresa, que se preocupa em arrecadar fundos; a igreja não é uma agência social que faz bem à todo mundo sem lhes pregar à mensagem da salvação, o evangelho verdadeiro; a igreja também não é um centro de imaterialidade, ela não se preocupa somente com a espiritualidade. A igreja é para Deus o local para se tratar da integralidade do ser humano. Local onde o homem aprende o que deve fazer, o que Deus quer da vida dEle; o que Deus fez por Ele; o que o homem pode fazer pelo seu próximo e pronto. Ela para aqui. Homens não são igreja. Homens não representam a igreja. A Igreja representa Deus, embora não possamos confundí-los, a Igreja representa o que Deus quer fazer; a Igreja é a atitude dAquele que está acima dela. A igreja é o corpo, amado e ativo de Jesus, para a glória de Deus.

Quando a Igreja Brasileira se voltar para a palavra de Deus, e se preocupar com a salvação dos que são do Senhor, e com a edificação dos santos de Deus, aí sim, ela pode ser chamada de embaixadora de Cristo sobre a terra.

Enquanto interesses políticos, jogadas comerciais e marketing pessoal estiverem no negócio, a Igreja mais perderá com o IBOPE dos pastores que por aí existem do que ganhará.

Me perdoem, cansei de me calar. Não sou perfeito, careço da graça de Deus, como todos os outros homens, mas não concordo com a sujeira que a Igreja Evangélica Brasileira está sendo manchada.

Que Deus nos abençoe; Que o seu Espírito nos purifique, fortifique e nos dê perseverança.

A Graça e a paz.



Mateus Machado
Colunista