quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Sobre o natal, gente com gente e essa coisa de datas comemorativas.


Não quero ser mais um fariseu.

Não quero ser mais um, que ao olhar para o natal, falará que todos se equivocam com a troca de presentes, a ceia farta e abraços carinhosos.

Não quero ser mais um, que ao olhar para os gastos de fim de ano, colocará a culpa no sistema que vivemos, onde gastar é sinônimo de felicidade, quando o "verdadeiro" significado do natal é outro.

Acho imbecil essa história dos cristãos quererem se considerar mais especiais que os outros. Acho que as pessoas, nas suas variadas crenças devem se respeitar.

Aliás, o natal, é o nascimento de alguém que fez diferença no mundo, na história, para a humanidade. Cristão, que tal você nascer também? Nascer e sair dessa sua zona de conforto e mudar, o mundo, a história, a vida dos que precisam, para benefício da humanidade.

Como disse, para muitos natal é mais um feriado, sem significado, só um dia de folga.

Para outros, um dia superespiritual. Ainda existem aqueles que acreditam que o natal é crença dos outros.

Para mim, o Natal apresenta que nem tudo que a gente vê é realmente do jeito que é.

"Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz. Ele estenderá o seu domínio, e haverá paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, estabelecido e mantido com justiça e retidão, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isso". Isaías 9:6-7

Primeiro, um menino que tem todo o governo. Alguém que acaba de nascer, mas é totalmente maravilhoso, sabe de todas as coisas, tem o domínio em suas mãos, mas na profecia revelada por Isaías, ainda é um menino. Meninos precisam crescer, tornar-se homens, para que suas vidas encontrem sentido e cumpram aquilo que desejam fazer.

Segundo, fala de um reino diferente. Antes dar graças porque em uma época do ano gente se preocupa com gente, do que manter-se da mesma forma de sempre, gente se desrespeitando, se atacando, não se amando. Pelo menos um dia que seja do ano, gente senta em volta da mesa e toma a ceia, todos juntos. Talvez, não a "santa ceita", mas para você, o que torna o pão e o vinho (ou suco de uva) santos? Não é o significado do corpo de Jesus.

Terceiro, fala de um ato de graça. O zelo do Senhor fará isto. Não é você que está fazendo nada, nessa época, a gente comemora aquilo que Deus faz para com os homens. Sem lhes cobrar nada, sem lhes dizer nada.

Então, por favor. Pare com esse papo de criticar a festa dos outros.

Pare por favor, de chamar de consumista os que gostam de dar presentes.

Pare por favor, e veja que muito mais do que você acredita, é um tempo onde a harmonia, união de famílias, troca de lembranças, afetos, deve ser comemorada.

E depois que acabarem as festas, depois que passar o fim de ano. Volte a falar de religião, de quem vai pro céu ou pro inferno. De quem é pagão ou diabólico. Aprenda a ser gente, que crê em Cristo. Porque hoje, os cristãos precisam com certeza aprender a ser mais gente.


Que Deus te abençoe nessa noite. Um feliz natal - com sentido, ou simplesmente pela comemoração da união. Uma boa festa. E aproveite da sua família.

Um grande abraço.

Mateus Machado
Colunista

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Sobre Ele e ela. [Parte 7]




Ele ainda sonha que ela cresça. Ele ainda quer que ela se torne madura. Ele ainda quer ser o foco. Na verdade, ele deseja ser o foco novamente.  Ele está com o coração apertado.

Hoje, ela se volta contra ela mesma.

Ela se bate, se xinga, se ataca. Ela pensa que superestimando seus defeitos alcançará transformação. Ela pensa que pela força dos seus líderes alcançará a redenção. Ela ainda não aprendeu que precisa de Jesus, e "só" ele.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Sobre nós, algumas verdades do Reino de Deus, e o salmo 17



"Ouve, SENHOR, a justiça; atende ao meu clamor; dá ouvidos à minha oração, que não é feita com lábios enganosos. Saia a minha sentença de diante do teu rosto; atendam os teus olhos à razão. Provaste o meu coração; visitaste-me de noite; examinaste-me, e nada achaste; propus que a minha boca não transgredirá. Quanto ao trato dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei das veredas do destruidor. Dirige os meus passos nos teus caminhos, para que as minhas pegadas não vacilem. Eu te invoquei, ó Deus, pois me queres ouvir; inclina para mim os teus ouvidos, e escuta as minhas palavras. Faze maravilhosas as tuas beneficências, ó tu que livras aqueles que em ti confiam dos que se levantam contra a tua destra. Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas, Dos ímpios que me oprimem, dos meus inimigos mortais que me andam cercando. Na sua gordura se encerram, com a boca falam soberbamente. Têm-nos cercado agora nossos passos; e baixaram os seus olhos para a terra; Parecem-se com o leão que deseja arrebatar a sua presa, e com o leãozinho que se põe em esconderijos. Levanta-te, Senhor, detém-no, derriba-o, livra a minha alma do ímpio, com a tua espada; Dos homens com a tua mão, Senhor, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida, e cujo ventre enches do teu tesouro oculto. Estão fartos de filhos e dão os seus sobejos às suas crianças. Quanto a mim, contemplarei a tua face na justiça; eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar." Salmos 17:1-15

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sobre Ele e ela. [Parte 6]

Para mim não há separação.

Não há divisão.






Podem ocorrer problemas. Podem ocorrer entraves. Podem ocorrer dificuldades. Podem ocorrer discussões. Tudo isso, não só pode como deve. Não existe visão, opinião e planejamento que não precise de um renovo; que não precise de um ânimo novo; que não precise de uma forma de abordar, um lugar novo à agir.

Não existe opinião fixa? Não existe fundamentos sólidos e inalteráveis?

Isso também é mentira. Existem fundamentos, princípios e valores que não se negociam. Não é tudo relativo. Não é tudo subjetivo. Não é tudo do jeito que você pensa. Não é tudo incerto. Não é cada um por si e Deus por todos.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Sobre nós, um pouco de verdade, e o Salmo 16



Eu não gosto do que acontece hoje. Não gosto do que vejo na televisão. Não gosto do que assisto nas séries. Não gosto do que ouço nas rádios.

Não gosto nem do que tem sido pregado nas igrejas. Não vejo verdade nos discursos. Não vejo sinceridade nas falas. Não vejo afeto nos abraços. Não vejo sentimento na poesia. Não vejo pensamento nas atitudes. Não vejo crítica ao que se tem proposto.

É como se ao olhar para cada situação, o inverso daquilo que foi proposto fosse o mais real. Por exemplo: ao se auto afirmar, o grito da alma é de crise de identidade; ao responder atravessado, existe a necessidade de um abraço; ao isolamento, companheirismo; ao pensamento crítico, compreensão. As capas estão por toda a parte. As vestes estão ao contrário. O coração está no lugar da razão e a razão do coração.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Sobre Ele e ela. [Parte 5]



E o evangelho mudou de cara.

O evangelho se perdeu em algum lugar. Hoje, por algum motivo, renunciamos a cruz para discutir assuntos espirituais.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Sobre nós, um pouco da graça do Senhor e o Salmo 15



"SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte? Aquele que anda sinceramente, e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração. Aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo, nem aceita nenhum opróbrio contra o seu próximo; A cujos olhos o réprobo é desprezado; mas honra os que temem ao Senhor; aquele que jura com dano seu, e contudo não muda. Aquele que não dá o seu dinheiro com usura, nem recebe peitas contra o inocente. Quem faz isto nunca será abalado" Salmos 15

sábado, 2 de novembro de 2013

Algumas musicas me ensinam sobre relacionamento: Eu Escolhi Esperar x Eu Escolhi Fazer Diferente

Não é de hoje que sabemos que a musica pode falar muito conosco, e bom, uma em especial falou comigo, e para que vocês entendam melhor o porque 'ela' falou comigo, explicarei.

Diante de movimentos de corte e de namoro que rolam pelo nosso país, muitas meninas, e diga-se de passagem, alguns meninos, aderiram essa causa. Até aí nada de mais, porém elas deturparam o sentido original de alguns desses grupos e colocaram em suas demandas, as suas próprias necessidades, fazendo com que eles se amoldassem a essas pessoas, apregoando assim um certo tipo de relacionamento padrão e correto, que mais amola o ego do que não sei o que, e que está mais para um conto de fadas do que vida real. 

Um bem conhecido e que se destaca nesse meio, é o Eu Escolhi Esperar - que na verdade não sei realmente se esse era o real sentido desde o começo, ou não, mas pelo que entendi, a priori, sua pregação era em prol da família, da escolha de relacionar-se sexualmente após o casamento, e de mostrar que existem mais pessoas que optaram por isso - de que não estamos sós, e que é possível. E para falar a verdade, o que de menos se falava, era de escolher o 'ungido(a)' com quem passaria o resto vida. Era pelo menos isso, em suma, o que foi falado no seminário que participei no começo de 2012.

Porém a estupidificação de algumas pessoas acabaram corrompendo esse sentido e colocaram outro no lugar, o de que devemos esperar a pessoa certa, que vulgarmente falando, conota-se príncipe ou princesa do Senhor. (Eu também acho que devemos esperar essa tal pessoa certa, mas de uma forma diferente e que explicarei mais a diante). O engraçado é que essas pessoas identificam-se como príncipes e princesas como que por méritos próprios, ou porque são melhores do que as outras. Acham que realmente são príncipes e princesas e merecem regalias, um tapete vermelho e algumas pessoas aos seus pés, adornado-as e fazendo tudo o que querem. Esqueceram-se de que poderíamos classifica-las assim, não por esses motivos torpes, mas porque são filhos e filhas do Rei.

O pior de tudo é que não fazem nada para que um relacionamento dê certo, querem realmente que venha uma pessoa trajada com roupas finas, com uma aparência de um galã ou atriz hollywoodiana,  conquistado e apaixonado, pronto para suprir todas as suas necessidades e regalias, com Deus do lado, claro, afirmando: este(a) é a pessoa certa pra você. (É claro que dei uma exagerada, por senão não teria graça, mas é mais o menos assim que acontece).

Realmente essas pessoas não querem se fadigar, não compreendem o real sentido de Esperar em Deus.  O que elas passam é que querem tudo mastigado. Não vão a Luta, e isso não se limita apenas ao namoro, elas deixam tudo nas mãos de Deus e não fazem nada. Mas como diria Marcos Almeida do Palavrantiga: "Esperar é caminhar", e não abandonar o barco e deixar a esmo. Quando se quer ter um relacionamento, ambos tem responsabilidades, compromissos e funções, e devem estar preparados na medida do possível, e essa preparação começa desde o tempo de solteiro, ali no quarto, em oração - pedido que Deus revele o que precisa ser mudado.  

E parece que o Luan Santana entendeu bem isso, pois em uma de sua musica (Garotas Não Merecem Chorar), ele corretamente fala uma coisa que deixaria muitos adeptos desses movimentos, no chinelo. Em sua musica ele fala: Eu escolhi fazer diferente.

Ao meu ver, essa musica tem uma letra muito bonitinha, e a frase faz total sentido dentro do contexto cantado, e apesar de não ser o estilo que ouço, essa musica fala muito. Ao contrário daqueles que esperam tudo de mão beijada, o rapaz dessa musica fala que vai fazer diferente dos outros homens. Ele vai a luta, ele muda. 

Essa canção em específico fala que devemos fazer diferente quando queremos conquistar alguém, mas como assim fazer diferente? Bom, separei algumas frases de efeito de algumas musicas para tentar exemplificar melhor isso. E ei, não é para escandalizar-se ok? Pois musica é musica, independendo do gênero. 

Vou lista-las e explicar na medida do possível para ficar mais fácil a compreensão.

1. Trate-as como Ladys, não como Gagas. [Alma Gêmea - Emicida feat. Rafa Kabelo]
* Toda mulher merece respeito, aliás, todo ser humano merece respeito. E apesar de algumas pessoas não se darem valor, não devemos trata-las assim. Devemos ser respeitosos, pois são imagem e semelhança de Deus... A sua namorada não precisa ser filha de um rei para você trata-la como uma princesa. E assim, vice-versa. (Leia I Jo:4:20)

2. E o meu erro foi crer que estar ao seu lado, bastaria. [Meu Erro - Paralamas do Sucesso]
* É uma falacia muito grande afirmar isso. Privar um ao outro de fazer qualquer coisa com os amigos dizendo que só eu basto não sua vida para ser feliz, é um tremendo de um egoismo besta. A verdade é que cada um precisa de seu momento a sós, ou com os amigos. O churrasco com os amigos ou a tarde no shopping com as amigas é essencial para a felicidade individual e do casal. Só estar do seu lado não basta, mas saber que sempre que precisar vou estar do seu lado, isso sim é mais que suficiente.

3. Pra quem fala que namorar é perder tempo eu digo, há muito tempo não crescia o que eu cresci contigo. [Pensa em Mim - Darvin]
* Namoro é tempo de conhecer, de crescer, de se aproximar de Deus. Uma exemplificação muito boa que vi é uma que mostra um triângulo onde, na vértice de cima encontra-se Deus, e em cada canto o casal de namorados. Cada vez que eles se aproximam mais de Deus, mais perto um fica do outro. Creio que assim deve ser um relacionamento. Um cooperando com o outro, ensinando e aprendendo, caminhando juntos para o Alvo. Não é perca de tempo se essa pessoa te faz feliz e o aproxima dEle. (Leia Ec 4:9-12)

4. Ela é uma boa garota, ama sua mãe, ama Jesus e a América também. [Free Fallin - John Mayer ]
* O amor dela, ou dele, deve estar, acima de tudo, em Deus. DEle, pra Ele e por Ele. O relacionamento deve glorificar Seu Santo nome. A vontade soberana dEle deve prevalecer sobre tudo, pois devemos ama-Lo de toda a nossa alma, coração e entendimento. Com tudo que somos e temos. Tudo que amarmos mais do que Deus, nos é prejudicial, pois toma o lugar dEle. Então uma pessoa que ama Deus acima de tudo, é uma pessoa que nos levará mais perto dEle.


Existem algumas outras boas frases como essas, mas não quero delongar muito nesse texto, então vou concluir por aqui. Bom, para finalizar, vimos que alguma musicas podem nos ensinar algumas coisas sobre relacionamento, e que precisamos, se quisermos que um relacionamento de certo, correr atrás, colocando sempre tudo nas mãos dEle, esperando ouvir a Sua voz no direcionando para onde devemos ir, que é claro, para Ele próprio. 

Também vimos que é necessário que façamos a diferença, não só na vida cristã, mas em todos os âmbitos pertinentes a nossa vida - se é que da para separar vida 'normal' com a vida cristã, acho que não, mas... inclusive no namoro, ou no conhecer uma pessoa.  
Foto: Google

Queria deixar claro aqui que esse texto não é uma retaliação contra o Eu Escolhi Esperar, mas a estupidificação da mentalidade de muita gente que espera encontrar a pessoa perfeita, sem erros e sem problemas mas não faz nada para que de certo o relacionamento, e ainda diz: "Não é de Deus". Também não é um texto recalque, se alguém pensar assim, mas é um POST que gostaria de compartilhar pois a musica falou comigo e porque precisamos fazer a diferença, ou fazer diferente se quisermos alguma coisa. Temos que lutar para conquistar. Amar para ser amado, e saber que perfeição só vem dEle.

Que tenhamos esse entendimento e saibamos que namoro é uma coisa séria, e que precisamos ter discernimento e sabedoria, entendendo que é com uma outra vida que estamos nos relacionando e lidando, e assim tornamo-nos responsáveis por ela também. Espero, assim, que vocês tenham entendido o que quis passar, e se alguém quiser compartilhar algum trecho de alguma musica que já aprenderam alguma coisa, podem comentar em baixo.

Que Deus os abençoe,



Ronnedy Paiva
Colunista

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Sobre Ele e ela. [Parte 4]

Gostaria de entender o que acontece.



Onde foi parar a fé progressiva, a direção e fervor do e para o Senhor. O que fizeram com a palavra, ou a pregação dela, que não transforma, mas acomoda, faz carinho.

O que fizeram da espada? Ela não corta, não faz separação. A espada hoje, nas mãos de gente que tão pouco mostra em temor ao Pai, tem se transformado em canivete, um no máximo um caco de vidro afiado.

O que fizeram da fé? Aquela que antes, nas gerações passadas faziam os crentes perseverar, buscar a face de Deus, entender seus propósitos, seus caminhos, seus ensinamentos na prática, e não teorização, teologificação dos assuntos da vida.

O que aconteceu com a teologia? Que antes tinha ligação íntima com a vida. Teologia era a ciência da vida em relação ao Senhor. Era a ciência que fazia o homem se atentar ao seu dia a dia debaixo do conselho, dos mandamentos e da orientação do Pai. Essa, hoje virou gesso; enquadra, fixa, aprisiona, leva à meditação superficial, sem profundidade prática, não ganha as ruas, não leva os crentes às ruas, os fazem ficar admirados pela poesia das falas rebuscadas e os aliena nos bancos dos templos.

O que fizeram com o Cristo? De salvador e Senhor para nosso empregado. Aquele que era, é e sempre há de ser, agora é obrigado a nos abençoar. Ele sabe o que necessitamos e o que desejamos, e se somos mais do que vencedores nEle, a sua obrigação é nos fazer vencer em tudo, mesmo que em coisas que não tem em nada compromisso com Seu reino.

É esse evangelho? É essa fé? É essa comunidade?

O que fizeram com a igreja? Gente que se unia para celebrar a vida, dAquele que morreu, mas ressucitou. Crucificado, mas agora glorificado. Padeceu, mas vivo está. Humilhado, mas hoje reina. Cadê a comunidade que celebra isso? Num só espírito, numa só fé, num só salvador, num só cantico, numa só visão, numa só autoridade a do Senhor nos céus, o cabeça desse corpo, que nos justifica diante de Deus.

Eu anseio ver a restauração. A restauração de uma relação que não está completa porque os prédios se enchem de pessoas; Não está completa porque as instituições estão enriquecendo cada vez mais; Não está completa porque hoje é popular e ganhou as mídias; Não está completa porque se fala em crescimento quantitativo. Anseio ver uma restauração que será completa quando a maioria dos ditos seguidores, deixarem ser transformados, pelo sofrimento atual, para a glória porvir.

Anseio pelo avivamento do Espírito Santo, através da obra redentora de Cristo, através do propósito eterno do Soberano e criador de todas as coisas, o Deus Pai.



Essa é a minha expectativa, junto com toda a terra. (Rm 8:19)

Mateus Machado
Colunista

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Sobre nós, a miséria espiritual atual e Salmo 14;



"Disse o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem. O Senhor olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos: não há quem faça o bem, não há sequer um. Não terão conhecimento os que praticam a iniqüidade, os quais comem o meu povo, como se comessem pão, e não invocam ao Senhor? Ali se acharam em grande pavor, porque Deus está na geração dos justos. Vós envergonhais o conselho dos pobres, porquanto o Senhor é o seu refúgio. Oh, se de Sião tivera já vindo a redenção de Israel! Quando o Senhor fizer voltar os cativos do seu povo, se regozijará Jacó e se alegrará Israel" - Salmos 14:1-7

Nunca se pensou tão pouco em Deus. Nunca se viveu a vida de modo tão natural. Acredito que em nenhum outro tempo, as pessoas se tornaram tão destemidas quanto os atuais. Um aplauso forte para o pós-moderno, para o relativismo, e para a falta de fervor espiritual da igreja. Esses são os responsáveis.

Já disse, me defendi e apresentei-me várias vezes como alguém que certamente não um "espiritualista", confesso que brinco, conto piadas, falo palavrões (evito, mas saem de mim de quando em vez), ouço música "secular" e por aí vai. Também já critiquei muito através dos meus textos, apontei críticas aos evangelhos da prosperidade; apontei pregadores que em minha opinião pregam falso evangelho, ou pregam heresias, segundo o que vejo por correto da palavra; e por aí vai. Tenho buscado o equilíbrio, alguém que consiga manter um relacionamento saudável e sincero com Deus sem que gere na cabeça das pessoas nenhum tipo de espanto ou opinião por alienado.

Abro parênteses, não tenho medo da perseguição, mas ao contrário, espero conseguir levar a mensagem libertadora do Cristo à todos, independente do estilo, das roupas e do nível intelectual. Fecha parênteses.

Nota-se que hoje algo está diferente. Não sou velho na fé, não sei se posso me dizer de outra geração de cristãos, mas nunca vi um povo que se diz algo, e está tão alienado sobre o assunto quanto quem nunca o ouviu falar. É como dizer-se filósofo sem nem saber o significado da palavra filosofia.

Cristão que quer dizer-se cristão tem de aprender sobre o Cristo, pensar sobre Ele, viver para Ele, deixá-lO viver através de si. Não existe outra mensagem, coisa diferente disso, não é ligada Jesus, o crucificado e ressurreto.

Conversar hoje sobre alguns assuntos é motivo até mesmo de piada. Vida de oração, intimidade com a palavra, interpretação de trechos e versículos, discussão de pregações, análise histórica, estudo da reforma, estudo das tradições, credos e crenças comprovadamente bíblicas, não fazem parte do jogo hoje. Aliás, Cristo hoje, pode ser levado assim, Cristo, o jogo; não mais: Cristo minha vida.

Inicia-se o final de semana, o jogo "Cristo" começa... Sábado a noite se dá o culto de jovens da igreja, onde se perde perdão pela festa da noite anterior e os pecados cometidos nela; dá um pause de forma que ao final do culto todos possam sair da igreja e ir para os bares, lanchonetes e outros locais da cidade e a vida continue, e o "Cristogame" fica em espera, para voltar à ativa no domingo na hora do culto, onde se reabastece para a semana toda, até a reunião de células. É isso, a definição do Cristianismo hoje, o reality show do momento.

Nas palavras do Salmo 14: o néscio diz não haver Deus. Nas palavras do Cristianismo atual: para que fanatismo, falar de Deus o tempo todo é desnecessário.

Não quero falar de Deus o tempo todo, mas eu decidi olhar para as coisas da minha vida sob a ótica dEle. Sejam essas coisas: um namoro, um negócio, uma oportunidade, minha faculdade, minha família, meus irmãos, meus amigos, etc.

Não quero ser santinho, nós não somos, nunca fomos, quero gente que queira Deus. Quero gente que não queira mais voltar a ter sede, que sabe que de dentro delas pode correr rios de águas vivas. Quero gente que obedece ao primeiro mandamento: amor ao Senhor, em intensidade e vida.

Mas o décimo quarto salmo tem muito a nos ensinar.

Em primeiro lugar, Deus está vendo tudo. Há algum tempo tenho andado preocupado com toda essa situação. Contexto filosófico, teológico, frieza, falta de amor, falta de comunhão, etc e etc. E uma única coisa que o Senhor tem me dito é: Eu tenho visto. São as palavras do Salmo, Vs.2.

Tenho entendido que Deus não nos mostra defeitos para que somente os denunciemos. Essa parte deve até ocorrer, conforme a orientação do Senhor. Mas devemos nos voltar à oração. Oração é algo que podemos fazer a todo tempo, em todo lugar, de todas as formas. Podemos orar em pensamento; orar por pessoas que não aceitam nossas palavras; orar por intervenção do céu; orar para que nos acalmemos.

Diante do Deus que pode todas as coisas, a lista de pedidos para Ele não deveria ser pequena, nem tão pouco mole (sem insistência).

Tenho para mim, que não temos medo do maligno, temos medo de Deus. Temos medo da restauração que Ele pode trazer e quebrar todo o nosso pessimismo. O ser humano é um ser tão orgulhoso, que não duvido que seja capaz de deixar o mal acontecer, só para provar que tinha razão enquanto reclamava, se tratando de crente então, isso se torna muito mais provável.

Em segundo lugar, o salmo nos denúncia o conforto. Não somos gente que busca o confronto, pelo contrário, buscamos nosso prazer. Buscamos o comodismo. Nós suavizamos os ensinamentos bíblicos para que as transformações em nós sejam amenas. Nós praticamos um mandamento mais enfaticamente e desistimos de outros nove. Nós julgamos as pessoas mas não queremos viver aquilo que falamos. Esse é o crente.

O salmo denuncia exatamente isso: não há nenhum que tema, um sequer. Ou seja, a situação da descrença está tão em alta que crer hoje é ser fora do pacotinho. É ser fora da roda de amigos. É ser fora do ciclo dos empresários ricos. É ser considerado fora do aceitável. O desafio que esse salmo traz não é só da denúncia para fora do "cristogame" (cristianismo atual), mas para dentro dele.

Não existe mais clamor por mudança. Não tem mais intervenção divina. Não tem mais a mão de Deus. Não tem mais autoridade da palavra. Não tem mais temor do Senhor. Não tem mais comunhão dos santos. Vocês estão vendo tudo isso, e achando normal. Para vocês essa luta esta perdida e não há problema nisso. Mudar dá muito trabalho. Como a sabedoria popular diz: sair da fossa dá tanto trabalho que é melhor a gente se habituar ao cheiro do esgoto mesmo.

Em terceiro, e último lugar. O salmo nos diz a solução. Ah, se viesse o socorro de Jerusalém. O salmista recorre ao único que pode salvar, o próprio Deus.

Assim como espiritualidade é algo que envolve nossa realidade e não algo fora dela, é do único ser espiritual todo poderoso que devemos buscar intervenção para nossas vidas. Não estou dizendo que Ele sempre agirá conforme a nossa vontade, mas quando nós entendemos que algo precisa acontecer porque é da vontade dEle, devemos recorrer ao lugar certo. Devemos parar com as conversas e rumores, fofocas e críticas. E nos voltarmos em oração e consagração ao Deus todo poderosos. Dono de todas as coisas que pode fazer o que bem entende, até mesmo fazer o fervor espiritual descer sobre a seu povo novamente, converter os incrédulos, e transformar as nossas vidas para sempre.

Que Ele nos conceda isso, estamos precisando.





Que Deus te abençoe. E que você seja diferença na vida dos seus irmãos, para a glória de Deus, na força do Espírito, a exemplo de Jesus. Amém.

A Graça e a paz.


Mateus Machado
Colunista

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Sobre Ele e ela [Parte 3]



Eu ainda não aprendi a viver assim.

Lugar onde ninguém se cumprimenta. Ninguém se olha. Não se abraçam para não gerar expectativas. Não se beijam por temer os olhares julgadores.

Pessoas tem sido afastadas por pensamentos, por imaginação e não pela realidade. 

Aprendi com o tempo que se nos mantivéssemos exclusivamente nos acontecimentos e não em nosso modo de pensar, muitos dos problemas teriam sido evitados.

Se fossemos capazes de viver sem se importar tanto com a opinião dos outros, como seríamos?

Se você agisse como quando está sozinho, na frente de todos, como será que eles te olhariam.

Se a autenticidade não fosse hoje tão banalizada, do que seria chamado?

O que é para você hoje, aquilo que diz crer?

O que crê é vivenciado no dia a dia?

O que você crê é aquilo que você diz? 

E o que você tem a me dizer sobre esse Deus?

Não sou do tipo de falar de experiências. Acredito na subjetividade delas, e na importância delas para que cada indivíduo busque as suas. Deus certamente não falará com você da mesma forma que falou comigo. Deus não usará você, exatamente da mesma forma que usou a mim. Deus é criativo demais para querer as mesmas coisas.

Falando em hábitos e costumes. O que era aquilo que você fazia de todo o coração, e hoje parece ser vazio de significado? O que é a oração que hoje, fala tão pouco do Pai maravilhoso que está nos céus, e tanto das suas dificuldades, da necessidade dEle intervir.

Não sei. Acho que sou careta. Quando oro, ou melhor, quando fico consciente da sua presença, aprendo que Ele quer mais da minha vida, e menos das minhas palavras. Mais do meu coração e menos das minhas idéias. Deus é algo que extrapola nosso vocabulário, mas é Deus para ser amado.

Não há nada que o AMOR, em sua forma literal, deseje mais, do que ser amado de verdade, por suas criaturas.

Que o Senhor, de amor e misericórdia, derrame do seu perdão sobre nós. E que esse não seja mais um texto que você leu. Que te leve à uma profunda reflexão. Ele ainda quer mais dela.

"Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus; se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós". 1 Jo 4:7-12



A graça e a paz.


Mateus Machado
Colunista

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Sobre Ele e ela [Parte 2]

Eu confesso que não entendo esse evangelho. O evangelho onde a maldição é não ter nada, e sinal de benção ser possuído por tudo.

Não entendo um evangelho onde as pessoas são coisificadas, e as coisas são personificadas. Onde se ama o carro, o celular, o tênis, as roupas e se odeia ou afasta o ser que vive, respira, sente e pensa.

Não entendo uma igreja que valoriza o templo, a estrutura, a reunião, o planejamento e não se lembra do nome do porteiro, aliás, quem é que liga para o porteiro.

Não entendo uma hierarquia espiritual onde a oração do pastor tem mais poder que a oração da criança. Onde os velhos são os intercessores e os jovens, aqueles que devem dar trabalho aos seus pais.

Não entendo um lugar onde ser o que se deve ser é motivo de chacota; Onde falar o que se deve falar, é alienação; e viver aquilo que se prega, é ser diferença e não algo comum.

Aliás, não entendo um grupo que diz estar no caminho, verdade e vida, que não se compromete em caminhar na direção certa, agir com sinceridade sempre, e se preocupa com a vida.

Mas falando do pobre, concordo que talvez seja amaldiçoado. Ele é amaldiçoado porque o rico abençoado não compartilha aquilo que o Dono de todas as coisas tem confiado em suas mãos. Servo ruim e infiel, não tem feito multiplicar a alegria que um prato de comida pode trazer à um lar.

Não creio num evangelho que traz prosperidade, creio no evangelho que traz salvação. Creio no evangelho que faz pobre não ser orgulhoso e aceitar a ajuda do rico. Rico, esse, que nunca deveria ter se tornado avarento, porque teve o exemplo dAquele que tinha todas as coisas. Daquele que tendo forma de Deus, não teve por usurpação ser igual à Deus, mas se esvaziou, e serviu. O rico entende, que sua riqueza é para serviço e não gozo terreno.

O pobre entende que o cuidado vem do Pai, que está nos céus, porque o pobre aprendeu que as coisas do reino vem primeiro, as demais serão acrescentadas, conforme o querer do Altíssimo.

E a igreja? Ah, a igreja ensina, que rico vai para o céu, por intermédio do sacrifício de Cristo; ensina que o pobre vai pro céu, por intermédio do sacrifício de Cristo. Que todos são, diante do Deus que fez todos do barro, apenas pó. Para que a glória seja Dele e rico não seja nada, e pobre seja o que é, ambos necessitados da graça do Senhor.

A igreja continua sendo um lugar onde a graça deve ser pregada. A vida ser valorizada. E Cristo o foco de tudo.



quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A vida e o louvor ao Senhor

Alguma coisa me incomoda num fim de noite chuvoso. Uma vontade intensa de buscar a Deus, somada com um cansaço tamanho por tantas atividades realizadas no dia.

Não sei o que esperar. Não sei o que dizer. Algo no meu coração diz que a vida não é só isso.

Não é o que vemos na TV, tampouco, o que a TV nos propõe.

Não é o que vemos na vida dos outros, tampouco, aquilo que eles tem por certo para vida deles.

De vez em quando penso na vida como algo para ser aproveitado intensamente. Algo para ser vivido. Algo que se limita ao último suspiro.

Não quero ser um espiritualista, um "evangeliquês" que prega que a vida de verdade não está aqui. Que devemos ter nossos olhos na eternidade.

Confesso, isso me enche de esperança nos meus momentos de crise. Mas nos meus momentos de meditação, solitude, de conversa sincera e franca com Deus, o que ouço do bom Mestre é: Vida e vida em abundância.

Cristão não nasceu para ser infeliz. Mas também não nasceu para que tudo desse certo para ele. Cristão nasceu, e quando digo nasceu, me refiro ao novo nascimento (sem o qual ninguém é digno de ser chamado de cristão), para viver.

Viver seus momentos felizes, com a maior intensidade possível. Viver amizades verdadeiras. Viver bagunças inesquecíveis. Viver amores e paixões na juventude. É, cristão de vez em quando precisa parecer gente.

Também deve viver as crises, deve se rebelar contra a prisão que fora mantido (dogmas, paradigmas, julgos). Deve escolher seus caminhos. Deve passar suas dores, com toda a intensidade. Deve chorar as mágoas. Abraçar quando está carente.

Cristão deve viver.

Aprendo com o bom Mestre, que a vida é algo que glorifica a Deus, e não comportamentos. Porque comportamentos são modificáveis, mas o fôlego de vida, glorifica o Pai, sozinho, sem que o homem perceba. Sem que o homem queira um papel nisso.

A vida, em si, é o louvor da glória de Deus.

"Tudo o que tem vida louve o Senhor! Aleluia!" Salmos 150:6



Mateus Machado
Colunista

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Sobre Ele e ela.

Nós sabemos muito bem dos nossos defeitos. Aliás, talvez, conseguimos enxergar tão bem os defeitos nos demais porque os nossos mesmos estão escancarados diante dos nossos olhos, o que nós não queremos, é lidar com eles.

Nós sabemos que há muito tempo o coração se esfriou. Nós sabemos muito bem que há muito tempo as meditações individuais na palavra, pouco nos convencem ou despertam desejo de mudança. Nós sabemos muito bem que há muito tempo alguma coisa mudou. O Cristo, nosso Salvador, Messias, amigo e companheiro, hoje para nós é alguma coisa diferente do que foi um dia.

Para alguns, o Cristo do mundo, se tornou apenas um exemplo de liderança. Alguém que conseguia cativar, fazer com que as pessoas acreditassem em suas palavras, em suas idéias, e seus preceitos, mas não alguém a quem podemos entregar as nossas vidas. Um exemplo de liderança, uma inspiração para sermos um sucesso, à luz do que nos ensinou.

Para outros de nós, um idealizador, que tinha uma sabedoria e ensinamentos que em nenhum outro homem foi visto, Cristo como filósofo.  Um cara que tinha pensamentos legais, revolucionários. Falava o que pensava e pensava de um jeito interessante, que tinha poesia em sua fala, alguém que cativava ao ouvir a sua voz.

Ainda para outros de nós, Jesus é alguém para se começar. O ponto de partida, que logo fica para trás. Àquele que dá as boas vindas ao chegar  à pouco tempo no ambiente, que começa a apresentação de algo para nós, que não sabemos direito como continuará, nem onde se acabará, mas acreditamos que começamos em Jesus.

Existe ainda um último tipo, que são aqueles que O veem como uma espécie de curandeiro. Alguém que age no âmbito dos assuntos sobrenaturais. Jesus como um resolvedor de problemas. Esses começam e continuam em Jesus, mas não entenderam que Ele faz quando bem entende, se Lhe aprouver, se for da Sua vontade. Esses veêm Jesus como super homem, que lhes deve socorro ao mero acionar. Jesus como seu empregado.

Mas para Ele, existe ela. Existe alguém que conhece a mensagem. Que sabe que Ele não é alguém como todos dizem. Para Ele, ela O valoriza pelo motivo certo. Seu caráter, seu exemplo, seu amor.

Suas palavras, Ele acredita que ela recebeu, pelo seu espírito, provocando nela uma série de pensamentos, atitudes, vontades, dedicação, consagração, submissão, rendição.

Para Ele, a Igreja não acredita no Jesus lá de cima.

Não o vê como filósofo, Ele é muito prático para ser lembrado apenas pelo ensino.

Não o vê como um exemplo de sucesso ministerial, pois seu ensino foi fundamental para 12, grupo seleto, que ele gostaria de se relacionar, viver junto, ele realmente acredita que ela entendeu isso, que para ele não importa o sucesso do trabalho, mas a comunhão, o vínculo, o amor entre as pessoas que se reúnem em seu nome.

Ela não o vê como um ponto de partida apenas, pois entendeu que ela só existe por meio dele, ela não é nada sem que ele seja por ela.

Ela ainda não o vê somente como um curandeiro, curandeiro cobra; curandeiro está interessado em retirar sofrimento, ele não, ele está interessado em ensinar, e nas mãos dele, o sofrimento é apenas método, ele não considera doença ou dores algo para se preocupar, quando o caráter está completamente corrompido.

Só que bem lá no fundo, ele se preocupa com ela.

Ele sabe que ela não está bem. Ele sabe que em algum lugar ela se perdeu. Ele sabe que ela precisa reencontrá-lo. Ele sabe que a mensagem se perdeu.

"E vós, quem dizeis que eu sou?" Mt 16:15

Essa pergunta hoje faria a maioria de nós tremermos.

Algo se perdeu. A confissão de quem conhece. A celebração da natureza dele. A proclamação de uma mesma e única verdade.

"Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Mt 16:16

Sem filosofias, sem ideologias, sem falsos conceitos, sem conceitos subjetivos, sem opiniões individuais. Apenas a revelação, da natureza dEle.

Afinal, ele sabe o que ela precisa dizer. Ela não precisa dizer nada para ele, mas sobre ele.

Porém, ela, a Igreja, que um dia conheceu a mensagem, revelada pelo Pai que está nos céus, foi edificada sobre essa mensagem.

Ela precisa voltar. Onde Ele é o suficiente. E ela é a necessitada. A carente. Sem suficiências, sem arrogância, sem receios, e sem máscaras. Só ela e ele, em intimidade, relacionamento, em entrega mútua um ao outro.

Talvez, o tempo de renovo, não seja um olhar para o futuro, não novas ideias e projetos. Não novas teologias e filosofias. Mas sim, uma volta ao passado. A igreja precisa reafirmar que Jesus é o Cristo filho do Deus vivo, e não deixar que nada contamine sua mensagem, vida e ação.

A igreja precisa crer de novo. Na mensagem certa. Cristo não mudou!


Mateus Machado
Colunista

sábado, 31 de agosto de 2013

o TESTEMUNHO que gostaria de ouvir

"Eu não tinha nada, mas conheci Jesus, e hoje tenho a salvação, e isso basta."

     O engraçado (não estou dizendo cômico) dos testemunhos televisivos, é que pessoas dizem não ter nada, mas foram em tal igreja, fizeram tal propósito, e ganharam 'alguma coisa'. De que ganhavam X de salário, e precisavam/queriam ganhar Y, e depois de um tempo fazendo um pacto de entrega e blá blá blá, agora recebem o dobro de Y. Simplesmente porque ELAS foram fies para com Deus (ELAS?).

     Não estou dizendo que Deus não possa nos fazer prosperar ou abençoar, até porque Malaquias 3:10 diz para fazermos prova disso. Mas acho que não é bem desse jeito que muitas mídias mostram. Creio piamente que Ele nos abençoa naquilo que fazemos - trabalho, estudos, relacionamento, etc. Mediante a nossa fidelidade (I Rs 2:3). O problema é que muitas pessoas tem ido a Cristo, achando que vão melhorar de vida - financeiramente falando. O veem como um galardoador, um recompensador terreno por terem entregue a sua vida a Ele. Tipo uma troca: "te dou minha vida e você me da isso". Aí quebram a cara porque não é bem assim. 

     As vezes tenho dó delas. Pois em muitos púlpitos é pregado isso: "Venha pra Jesus e melhorem de vida". E quem não quer melhorar de vida poxa? Só que as narrativas bíblicas falam mais em dar, do que receber (Mt 5:39-42). Em guardar tesouros no céus, e não na terra (Mt 6:19-21). Em buscar primeiramente o Reino de Deus (Mt 6:33). Em ser fiel no pouco (Mt 25:14-29). E nos contentarmos com o que Ele nos dá (Mt 22:35). E quando alguém é abençoado, e outro não é, tem-se uma ideia errônea que não somos bons suficientemente, por isso não recebemos. Mas a verdade é que NINGUÉM é bom senão Deus (Lc 18:19). Não é nós, nunca foi, nem nunca será. Tudo vem dEle, é dEle, e deve ser para Ele. É meio duro, mas Deus nos abençoa se Ele quiser. Porém Ele nos promete que se O ouvirmos e O obedecermos, comeremos o melhor dessa terra (Is 1:19).   

     Sinceramente queria ouvir um testemunho como aquele que escrevi acima. Que apesar de continuar sem dinheiro, ou com a saúde debilitada, ou sem filhos/mulher/marido, essa pessoa possa ter o gozo e a paz que excede todo o entendimento, pois possuí o melhor dessa terra - Deus e o seu amor. Pois ela sabe que as dores de agora não poderão ser comparadas com a glória que há de vir (Rm 8:18). Que a Graça redentora de Cristo, é mais que suficiente para nós. Que não tem a ver com a nossa fidelidade, com os nossos sacrifícios  imperfeitos, com a nossa pseudo-santidade. Mas tem haver com Ele. Pois Ele é fiel e já fez todo sacrifício necessário para que vivamos nEle, em santidade. 

    Que possamos ouvir e dar mais testemunhos como o do inicio desse texto. Que possarmos nos alegrar nEle, e viver a vontade soberana dEle dia a pós dia. Que sejamos a geração que dá ao invés de só receber, e que tudo seja feito por amor, amor a Ele, pois sem amor, TUDO não passaria de NADA (I Co 13). Que Deus nos abençoe!

Foto: Google



Ronnedy Paiva
Colunista

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Não somos os heróis

COLUNISTA NOVO - THALES ANDRADE|

domingo, 14 de julho de 2013

De todo o Coração, Alma, Entendimento e FORÇA. [4/4]

"Qual é o principal de todos os mandamentos? Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, teu Deus, é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, te toda a tua alma, de todo o teu entendimento, e de toda a tua força." Marcos 12:28-30

    Hoje vamos dar continuidade ao estudo de Amar a Deus de todo o Coração, Alma, Entendimento e FORÇA. Este é o POST final, ou não, hahaha. Talvez eu faça a conclusão. Mas relembrando, já falamos de como amar a Deus de todo o nosso coração, de toda a nossa alma, com todo o nosso entendimento  e hoje, falaremos de como amar a Deus com toda nossa força. Para isso, devemos compreendermos um pouco melhor o que é força.

    Segundo Isaac Newton, força é uma gradeza que tem a capacidade de vencer a inércia de um corpo, modificando-lhe a velocidade, seja ela na sua magnitude ou direção. Ou, como a NASA coloca: força é qualquer agente externo que modifica o movimento de um corpo livre ou causa deformação num corpo fixo. Ou seja, força é aquilo que nos mantem firme, que nos faz continuar, que nos faz ir.


    Quando pensamos em amar a Deus com toda a nossa força, logo nos vem a cabeça trabalhar na igreja, ou trabalhar na comunidade. Isso é comum, e sim, é uma forma de glorificar a Deus. Alguns exemplos clássicos se encaixam bem nesse âmbito, como Noé, na construção da Arca. Moisés, em seus 40 anos no deserto. Neemias, na reconstrução do muro. Mas queria ir um pouco além e colocar essa força em buscar a Deus.

Imagem Google
    Hoje em dia temos igrejas abarrotadas de pessoas que tem se doado em ajuda altruísta, doado o seu tempo em prol dos outros, mas tão vazias do evangelho, tão longe de Deus. E, ás vezes, isso tem uma explicação. Quando alguém se converte, ou é incluso na comunidade eclesiástica, logo lhe são jogadas inúmeras tarefas para prende-la ali. Então ela começa a exercer um trabalho sem qualquer intuito de fazer isso por amor - se enquadraria melhor em obrigação. Não é ensinado sobre primeiramente Amar a Deus e o Próximo com a si mesmo. Simplesmente lhe dão uma função, uma obrigação, sem ela estar totalmente arraigada em Cristo, firme em sua Fé, galgando rumo a Deus, entendendo um pouco da Graça. Então ela se vê presa a um ministério, a um favor ao pastor, e até mesmo a Deus, e começa pensar que "para que Deus a ame, tem que fazer alguma coisa para Ele".

    Porém não a nada que possamos fazer para que Deus nos ame mais ou menos. Quando decidimos ama-Lo e a busca-Lo em oração, na leitura da Palavra e escritos, e em comunhão com os irmãos, Ele começa a se revelar de uma forma sobrenatural, inexplicável e transcendente a nós. Então a partir do memento em que conhecendo a Ele, não só numa forma estereotipada, mas pessoal e intima, apreciamos e compartilhamos do Seu amor infinito; é como se um instinto brota-se em nós, um instinto de adorarmos com tudo o que temos, que somos, que podemos dar, inclusive com o nosso serviço abnegado em favor dos irmãos. Com toda a nossa força. 


   Mas precisamos entender que nada disso vem pelos nossos méritos. Não é porque o nosso trabalho é impecável ou por que merecemos. Pois como C. S. Lewis diz: "Quando se trata de conhecer a Deus, toda a iniciativa depende dEle. Se Ele não se quiser revelar, nada do que façamos nos permitirá encontrá-lo."



    Mas Ele nos promete que se O buscarmos de todo o nosso coração, o acharemos (Jr 29:13), e a medida que O conhecemos, percebemos que não é por obrigação, mas por amor e simplesmente por isso, que ajudamos alguém, que usamos as nossas forças em algo. E a partir desse conhecimento iremos 'trabalhar' como forma de louvor a Ele. Tornando-se assim uma forma de demostrar esse amor nosso para com Aquele que nos amou primeiro. E ainda que seja falho os nossos feitos humanos, é nessa força que Deus age. É Ele quem usa a nossa fraqueza para nos deixar forte.

O senhor não daria banho a um leproso nem por um milhão de dólares? Eu também não. Só por amor se pode dar banho a um leproso.
- Madre Teresa de Calcuta
    A força que vem dEle deve ir para Ele como forma de agradecimento, de louvor, de amor. E isso é feito quando O buscamos ainda que cansados. Lemos a bíblia não porque é uma "obrigação do cristão", mas porque queremos ouvi-Lo falar através dela e aprender mais dEle por ela. É deixar Deus falar na oração, mesmo quando estamos estourando de raiva a fim de xinga-lo por não entendermos milhares de coisas que aparecem na nossa rotina e nos deixam abalados, ou porque temos milhões de pedidos egoístas e fúteis para apresenta-Lo. É entender que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que o amam e são chamados segundo o seu proposito (Rm 8:28), mas que nem tudo é do nosso jeito. É ainda exausto, ajudar o irmão que está precisando de uma forcinha em alguma coisa - não por obrigação, mas por amor. É ainda triste, alegrar-se nEle. É ainda fraco, continuar.

    É ainda com medo, sentindo-se sozinho, como Jesus no Getsemani, confiar em Deus, e ir rumo a Sua vontade. E é nessa força que devemos ir. Na vontade de vê-Lo, de agradece-Lo, de conhece-Lo, de mostrar ao mundo o Seu amor através dos nossos serviços, do nosso modo de vida, com todo o nosso empenho, com todas as nossas forças. Por amor, e só por isso, pois se não houver Deus no nosso trabalho, nada passa de vaidade, tudo se torna vão e vazio para Ele. 

"Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela." Salmos 127:1
Colunista

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Os R$0,20 e o Cristão

    Com todos esses protestos oriundos dos R$0,20 de aumento da tarifa do ônibus - em SP principalmente, me remete a um caso um tanto parecido (ainda que não tenha visto, nem em vídeo, mas já me peguei altas vezes imaginando), acontecido entre 1955 e 1956, em Montgomery, no Alabama, EUA. Onde uma mulher negra, Rosa Parks, foi presa por negar dar o seu lugar para um brancos no transporte coletivo. Para deixar claro, o caso não é os R$0,20 como muitos pensam, está muito além disso. Isso foi apenas a gota d'água. Tem muito mais haver com o começo de uma mudança nacional. 

    Pode parecer um pequeno começo, como pareceu ser o caso de Rosa Parks. Quantos negros não foram humilhados nessa mesma época; quantos aumentos já não foram instaurados no nosso país? O caso é, como no conhecido Boicote aos Ônibus de Montgomery, alguém saiu do seu conformismo e lutou por um ideal. No nosso caso, o estopim já estourou, estamos prontos para começar uma  revolução? Martin Luther King liderou esse ideal anos atrás. Um homem, um sonho! Aqui é um país, milhões de sonhos, mas um mesmo ideal, o bem comum. IGUALDADE, RESPEITO e JUSTIÇA!

    Mas e nós, cristãos, devemos nos envolver nessa luta ou não? 

{Imagem: Gustavo Basso/UOL}
     
    Certa vez Jesus foi questionado por um grupo de fariseus e herodianos sobre pagar tributos ao Imperador de Roma, e sua resposta foi: "Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" (Mt 22:21). Jesus não disse "não pague" os impostos. O que é certo é certo, certo? O problema é o valor absurdo que pagamos, e o mesmo não condiz com o que está sendo feito.

    Não há problema em pagarmos impostos, ou tarifa de ônibus e afins. O problema é pagar um absurdo por isso sem o minimo de melhorias destes. Vocês já viram como é precária em todo o Brasil a educação, a saúde, a infra estrutura de muitos prédios, ruas, casas e etc? Creio que pelo menos uma vez já deve ter visto uma matéria falando sobre. 

    Essa é uma opinião minha, não sei se todos desse respeitável e lindo Blog concordam, mas creio que essa luta também é nossa. Pois também somos cidadãos, pagamos passagem de ônibus, usamos hospitais e escolas. Embora não sejamos desse mundo, vivemos nele (Jo 17:15-16), e nele devemos lutar para ter ou dar o minimo de dignidade possível. A luta é por melhorias. É contra a roubalheira que vem assolando o nosso país a anos. Contra a má distribuição de dinheiro. Contra leis que beneficiam uns e degrine outros. Por uma país mais digno de se viver.

    Não estou dizendo para você ir lá na linha de frente das manifestações, mas se você tem coragem, vá! Mas estou falando que nós podemos nos envolver de várias maneiras nisso tudo, por exemplo, como temos visto, muitas pessoas tem se ferido pela retaliação dos policiais. Poderíamos montar pequenos 'QGs' para dar os primeiros socorros a essas pessoas. Ou então oferecer água, uma palavra, uma roupa, uma ajuda que seja. Ou apenas ajudar divulgando as "paradas" postadas por aqueles que estão indo ao confronto por mim e por você. Para manter informado os cidadãos...

    Devemos orar sim por essas pessoas, para que nada de mal ocorra a elas nem aos que trabalham com isso (reportes, policiais, afins). Mas mais do que orar, devemos nos posicionar. Sair da inercia que nos impede de lutar, de agir, de se mover. A luta é contra um governo autoritário, que carece da mão de Deus. Então é hora de se mover pacificamente para o bem comum, como fizeram aqueles bravos homens em Montgomery.

    Para quem não sabe, Martin Luther King era um pastor, que lutou por direitos civis e contra a segregação social vigente nos transportes daquele tempo. Ele deu seu rosto a tapa; ele estava no meio das manifestações atrás de melhorias não só para ele, mas para todos aqueles injustiçados da sua época e das épocas vindouras. E se ele não tivesse se levantado; e se Rosa Parks tivesse cedido o seu lugar sem se impor a discriminação, o que teria acontecido? Não podemos saber ao certo, apenas temos uma vaga ideia. 

    Mas eles se levantaram, são um exemplo para nós, um exemplo como Noé na construção da Arca, Moisés na libertação do povo do Egito, Neemias na reconstrução dos muros, Jeremias na restauração do povo com Deus. 

    Um exemplo como o próprio Cristo, que lutou por mim e por você, em um tempo que cristãos eram mortos, onde o Império Romano dominava e não dava trela a revolucionários, ainda mais a um que pregava amor e um Reino celestial do qual Ele mesmo preparava o caminho para nós. 

   Será que você ainda acha que essa luta não é nossa? Você quer continuar no banco da igreja orando para fazer a diferença no mundo com uma oportunidade dessa? Talvez seja besteira minha, mas eu tenho um sonho, um sonho onde viveremos num país livre da fome, do preconceito; com governantes que governam para o povo, e um povo sem desigualdade social, moral ou cultural. Um país onde se vê a graça redentora de Cristo. Onde se vê a alegria pelas ruas. Um sonho um tanto distante, mas que pode se tornar realidade um dia, mas só se nos levantarmos e lutarmos. E aí, qual é o seu sonho para o Brasil? Qual é o seu sonho para o mundo?

    Você continua achando que essa luta não é nossa? 

"Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição. Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados." Provérbios 31:8-9

Ronnedy Paiva
Colunista

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sobre a Igreja, os cristãos e os holofotes da mídia


Eu até me espanto sobre o tanto de desafios e convocações que andam sendo feitas para que a igreja se defenda.

"A igreja deve se posicionar. A igreja deve tomar partido. A igreja deve agir".

De fato, isso é verdade. Contudo, quero questionar-lhes duas coisas.

A primeira: O que é igreja para você?

E a segunda: Para que ela serve?

A primeira pergunta é simples de responder: a igreja somos nós, não o templo. Ok, ok, na teoria isso aí é bem bonitinho e poético. Agora de verdade, o que você pensa sobre igreja? O que está dentro de você, e te vem a mente quando os irmãos de sua congregação dizem: "vamos à igreja?"

Quero propôr três versões de igreja para que a gente prossiga no assunto principal, a igreja e os holofotes da mídia.

A primeira versão de igreja é a igreja como local. Essa aqui é meio ultrapassada, ninguém vê a igreja como local mais. Na verdade, na verdade a igreja é ativa em todos os momentos certo? Reuniões de oração pelas casas; os bairros e bares lotados de jovens fazendo evangelismo e cantando louvores para estar em comunhão com Deus; num existe mais essa de culto no templo, isso aí era coisa dos antigos. Acho que nem pastor como 'super espiritual' existe mais, todo mundo já entendeu que o 'super espiritual' viveu muito tempo atrás, aliás sempre viveu, desde a fundação e voltará para reinar no dia da consumação dos séculos. Todo crente sabe disso.

Todo crente sabe que a igreja como local é coisa pra gente que não entendeu o que o evangelho significa com não ter lugar para reclinar a cabeça. Ou todo crente mesmo, já entendeu que os discípulos e o próprio Jesus fazia seus sermões e ensinava na rua, não tendo pretensão de número de pessoas, um culto superlotado. Todo crente, que é crente mesmo, sabe que Jesus, deixou a multidão para fazer milagres, que deixou a multidão para ir orar em lugar onde não tinha mais ninguém. Crente que é crente sabe que culto lotado é mais parecido com sinagoga do que com ceia do Senhor. Todo CRENTE mesmo, já sabe que a igreja como local é da época da Dercy. Se a Dercy conhecesse os pastores aí que bombam na TV ela certamente teria se convertido, todos eles pregam o reino de Deus, sem confusão, sem interesses. Eles bombam porque Deus é o foco deles, e por isso eles sempre falam em nome de Deus e são 'ungidos do Senhor'. Crente que é crente sabe que os pastores estão sempre certos, seu nível espiritual é muito maior.

Pois bem, como já entendemos que a igreja como local é furada, vamos para a segunda versão, acho que a segunda versão vai agradar bastante você.

A segunda versão de igreja é você. POOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO AÍ ESTÁ A SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS. Seu Creysson (do caceta e planeta) diria: seus problemas se acabaram. Pois bem, você é uma igreja de verdade. Você leva a Deus como prioridade, não tem nada entre você e Deus e seu relacionamento com Ele é tão sincero que quem olha para você, enxerga a pureza em pessoa. Você não peca, jejua três vezes na semana, fecha os olhos na oração e até levanta a mão no louvor. Você é um crente e tanto. Você sabe pelo menos um versículo de cada livro da bíblia decor; você prega, e olha que quando prega até grita. Você tem revelações, dá dízimo e sempre lembra seu primo que se ele não parar de beber a cerveja dele nos finais de semana, o inferno é o local que o espera. Você é um crente e tanto. Você se olha no espelho e vê Jesus. Pronto, achei. A igreja perfeita. Você é o cara que toca no louvor, ministra, prega, lidera a reunião de oração, participa da faxina do local de reuniões, aliás a sua casa é o local de reuniões. Poxa, eureca! Achamos.

Não? Não é você? Eu não acredito que você não é a igreja ali em cima. Você ora em línguas!

Tá, se a igreja perfeita não é um local e nem é você, deve ser a comunidade. É claro. Comunidade. Comunidade é gente que se reúne com o mesmo propósito. Claro, sem brigas, confusões, rixas, problemas. Comunidade, é essa. Comunidade não tem problema financeiro porque todo mundo sabe que tem que pagar tudo certinho, e todo mundo colabora com o mesmo tanto. Todo mundo sabe que tem que limpar, daí todo mundo ajuda. Todo mundo sabe que tem pobre passando fome, daí junta dinheiro para comprar comida para eles. É isso. A igreja perfeita é comunidade. Comunidade da onde? A comunidade. É, pronto, achei.

Espero, que nessas três versões de igreja, vocês tenham entendido a minha ironia, por favor.

A verdade é que a igreja é um hospital. Igreja é para gente doente, gente que precisa de cura, gente que precisa da verdade. Igreja não é um formador de opinião, ela pode formar a opinião de alguns, mas seu propósito não é esse. A igreja existe para ser benção na vida da sociedade na vida do ser humano, como um todo.

Não, eu não concordo com que os pastores, os ativistas e os demais estão fazendo a respeito do homossexualismo.

Não, eu também não concordo com o homossexualismo dentro da igreja, nem com o casamento homossexual, nem como nada disso.

Mas eu aprendi, no evangelho de Cristo, que perseguição é benção na vida dos que amam ao Senhor. Que teme a luta quem sobe para lutar.

Nós não subimos para lutar, o Senhor vai em nosso lugar. Me desculpem, mas Marco Feliciano não me representa. Me desculpe, mas minha profissão me ensinou que as pessoas escolhem coisas para si, que não podemos interferir.

Me desculpe, mas a educação que recebi me ensina a amar, me ensina a dar a outra face.

A igreja que não aprendeu que quem defende seus interesses é o seu Senhor, não aprendeu nem mesmo quem é que ela serve.

A igreja não aprendeu que ela é um hospital. E que como hospital, seus cuidados são para com os doentes; hospital é lugar para gente insignificante, que está à ponto de morrer, que carece de cuidados. Cuidado, na visão dos outros é local que só serve para receber críticas, e eu nunca vi ninguém defendendo hospital nenhum. Hospital faz o seu trabalho porque é seu trabalho. Hospital trabalha porque acredita na sua missão. Sua função é curar gente, é tratar da melhor forma. O Hospital sabe que não serão todos que sairão satisfeitos, mas no mínimo pensam em dar o seu máximo. Se a igreja ao invés de ligar para a sua reputação ligasse para o seu serviço, com certeza a sua reputação seria diferente. Se a igreja cuidasse de quem ela pode cuidar ao invés de entrar em assuntos que certamente não tem como abraçar. A igreja precisa de uma reforma, assim como a maioria dos hospitais. A igreja precisa lembrar do que ela precisa fazer na terra; ela foi chamada para ser corpo de Cristo na terra, sua noiva adornada. A igreja não é uma empresa, que se preocupa em arrecadar fundos; a igreja não é uma agência social que faz bem à todo mundo sem lhes pregar à mensagem da salvação, o evangelho verdadeiro; a igreja também não é um centro de imaterialidade, ela não se preocupa somente com a espiritualidade. A igreja é para Deus o local para se tratar da integralidade do ser humano. Local onde o homem aprende o que deve fazer, o que Deus quer da vida dEle; o que Deus fez por Ele; o que o homem pode fazer pelo seu próximo e pronto. Ela para aqui. Homens não são igreja. Homens não representam a igreja. A Igreja representa Deus, embora não possamos confundí-los, a Igreja representa o que Deus quer fazer; a Igreja é a atitude dAquele que está acima dela. A igreja é o corpo, amado e ativo de Jesus, para a glória de Deus.

Quando a Igreja Brasileira se voltar para a palavra de Deus, e se preocupar com a salvação dos que são do Senhor, e com a edificação dos santos de Deus, aí sim, ela pode ser chamada de embaixadora de Cristo sobre a terra.

Enquanto interesses políticos, jogadas comerciais e marketing pessoal estiverem no negócio, a Igreja mais perderá com o IBOPE dos pastores que por aí existem do que ganhará.

Me perdoem, cansei de me calar. Não sou perfeito, careço da graça de Deus, como todos os outros homens, mas não concordo com a sujeira que a Igreja Evangélica Brasileira está sendo manchada.

Que Deus nos abençoe; Que o seu Espírito nos purifique, fortifique e nos dê perseverança.

A Graça e a paz.



Mateus Machado
Colunista