quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Sobre nós, louvor e o Salmo 8




"Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra, pois puseste a tua glória sobre os céus! Tu ordenaste força da boca das crianças e dos que mamam, por causa dos teus inimigos, para fazer calar ao inimigo e ao vingador. Quando vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste; Que é o homem mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites? Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés: Todas as ovelhas e bois, assim como os animais do campo, As aves dos céus, e os peixes do mar, e tudo o que passa pelas veredas dos mares. O SENHOR, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome sobre toda a terra!" Salmos 8:1-9


Se estivesse em frente à Davi nesse momento, o aplaudiria em pé, pelas belas palavras que pronunciara aos nossos corações.
           
O salmista, aqui faz algo que hoje está confuso na igreja, não sou autoridade no assunto (talvez, aqui seja escrito um texto sobre uma grande heresia, ou ao final dele, você até venha a concordar comigo); pois bem, o assunto que para mim, o Salmo 8 enfatiza é a respeito do louvor. 
           
Espero que você já tenha previamente o conhecimento de que louvor não se trata de um específico momento dentro de uma grande celebração denominacional; semanal; comunitária. Espera-se a consciência clara de que o louvor está ligado à sua vida e não uma canção.
           
O grande problema hoje, não se dá nessa confusão entre musicalidade ou momento de adoração musical à Deus com o significado do louvor, mas no que se diz respeito a como se tem considerado o louvor. Louvor é prática diária, estilo de vida. Louvor é estar consciente de Quem está ao seu redor e viver para a sua glória. Louvor é algo que representa a plenitude do Espírito Santo, talvez daí, confirme-se o que se diz só Ele é digno de louvor.
           
O salmo 8, fala ao meu coração grandes ensinamentos para que consigamos viver para o louvor de Deus. E gostaria de dividi-los com você.

         Em primeiro lugar, louvor é verdadeiramente louvor pelo fato de quem o recebe. Veja, a vida pode ser um louvor ou dedicada à algo que não signifique necessariamente dedicação a Deus. Exemplo disso, eram os sacrifícios do povo que eram uma orientação dada por Deus, mas que outros ídolos também podiam ter animais em seus altares sacrificados, veja a história de Elias (1 Reis 18:18 em diante). Assim como na história de Elias, o louvor pode ser entoado para qualquer coisa, mas o que faz da vida um louvor a Deus, é pelo fato de Ele a receber.
           
            Os profetas de Baal fizeram como todos os outros sacrifícios, com tudo o que tinha direito. Mas aquilo não subiu ou teve consumação e validação como louvor, pois ninguém estava ali para recebê-lo. Assim como sacrifício, louvor não tem valor por quem o faz (sacrifica e louva), mas por quem o recebe; o Senhor dos Senhores.

Exemplo disso é jovem que ora agarrado à almofadas; vassouras; travesseiros; rosas e etc “ungidas”, acreditando que de alguma forma algo pode acontecer devido aquele objeto. Essa é uma confusão grande que acontece no louvor, uma decisão de vida dedicada a Deus em troca de algo, você se dedica à Deus, e não aos favores que Ele pode ou não despejar sobre sua vida.

O fato do louvor tornar-se importante é ele ser recebido, é ser avaliado e apreciado. Logo o importante não é mais o que eu faço para louvar a Deus, mas o desejo do meu coração em de alguma forma agradá-lO, crendo que Ele de alguma receberá. Isso não é tão simples quanto parece. Temos o costume de colocar certos costumes como o correto diante de Deus, o que nas palavras de Jesus e do Apóstolo Paulo são “doutrinas de homens” (Marcos 7:7 / Mateus 15:9 / Colossenses 2:22), como se Deus precisasse de algum sentimento dentro do coração, ou consciência de grandeza do Seu nome. Louvor está ligado a quem recebe, pois o salmista declara com grande ênfase, algo que mais para frente Cristo confirmaria, da boca dos pequeninos tiraste força; Aqui o salmista acaba com qualquer afirmação de valor humano, ou valor de quem louva, mas exalta quem é louvado, e é isso que sempre importa.

Isso consuma o louvor; isso fortifica a fé; isso edifica a alma a aprovação de Deus sobre a nossa vida, que existe para Sua glória.

Segundo, louvor é a capacidade de reconhecimento do criador na criação. Considero esse ponto talvez desconsiderável, vista que obviamente todos nós já fazemos isso. Não temos o costume de reclamar, de negar a bondade e a misericórdia de Deus por mais um dia. Visto que sempre paramos para refletir sobre a grandeza de Deus diante do pôr-do-sol. Gostamos de orar em gramados sob a luz da lua cheia e cantar vários hinos com o som de uma cachoeira ao fundo.

Esse ponto é desconsiderável, porque nós respeitamos a criação, não jogamos lixos nas ruas, pelo contrário, recolhemos aqueles que vemos por nossos caminhos. Não consumimos à mais do que necessitamos e nem abusamos do tempo no banho, no consumo de energia e etc.

Esse ponto é somente para mim, porque na verdade eu não faço nada disso. O salmista revela uma das verdades que mais tenho visto sendo desprezadas no que se diz “mundo cristão / eclesiástico”. Assim como um pintor de uma obra prima é admirado conforme a sua obra, porquê não nós, admirarmos a Deus por sua obra. Quando penso na infinidade de espécies de animais, aves, peixes, estrelas; em toda a grandeza do universo sem nenhum tempo meu dedicado ao agradecimento a Deus por tudo isso; sem usar a minha vida como louvor (dedicada), a manutenção dessa obra maravilhosa do Pai, entendo que estou longe de louvar a Deus como poderia. Veja que não estou nem falando de dever, mas de oportunidade.

Pois bem, esse texto é para nos ensinar e não chamar a atenção, louvor é entender que o autor de criador de tudo o que se vê respirando, merece louvor. Reconhecimento do autor não é somente dar crédito a quem merece, mas ter a oportunidade de colaborar na preservação do seu monumento.

Por último, louvor só é louvor se outras pessoas souberem disso. É complicado mas é verdadeiro. Você pode viver por uma causa em segredo; você pode torcer por uma causa em segredo; você pode até orar por uma causa em segredo. Mas quem louva; quem vive; quem veste a camisa por alguma causa faz questão de demonstrar isso. Não estou falando de quantidade ou qualidade; não de produtividade ou profundidade; é o simples fato da automática transmissão.

Há certos momentos em que você sabe tanto de determinado assunto que não precisa, necessariamente raciocinar para que demonstre aquilo que acredite ou saiba. São momentos em que você está convicto, está pleno, está transbordante. Algo que por mais surreal que aparente aos terceiros, para você faz sentido e faz com que você se mantenha nesse mesmo foco. Louvor é isso; ser cheio da graça, amor, poder, unção de Deus, até o ponto que você não precise mais se esforçar, você simplesmente manifesta a Deus, e o nome dEle é conhecido por toda terra através de você; e você fica conhecido por manifestar características únicas de Deus.


A graça e a Paz

Mateus Machado
#Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário