sábado, 26 de maio de 2012

CATÓLICOS, PROTESTANTES OU CRISTÃOS?

    “Todos seremos transformados pela vitória de nosso Senhor Jesus Cristo” 
                                                                       1Cor 15:51-58

Este é o tema a respeito da semana de oração para a unidade dos cristãos. Nesta semana, está havendo a semana de oração e eu por estudar em uma Universidade Católica (PUC) temos bastante explicito o dialogo inter-religioso para que haja o ecumenismo. Ecumenismo para quem não sabe tem como definição “um movimento que visa à unificação das igrejas cristãs (católica, ortodoxa e protestante). A definição eclesiástica, mais abrangente, diz que é a aproximação, a cooperação, a busca fraterna da superação das divisões entre as diferentes igrejas cristãs.” (O Dicionário Aurélio)

Esta semana aconteceu na Universidade a semana teológica, onde estavam mais de cem pessoas reunidas em uma Paróquia em Londrina. No evento, eu como presidente do Centro Acadêmico, estava ao lado do Padre que é o diretor do curso de Teologia. No momento em que ele tomou a palavra, ministrando aos ouvintes uma mensagem justamente sobre a Semana de Oração e ao virar-se para mim disse para eles: “a maior prova dessa unidade é que nosso presidente é presbiteriano.”. Minhas pernas tremeram. A mistura de emoção que tomou dentro de mim e trousse uma felicidade. Existem pessoas que respeitam as nossas diferenças. Ali eu fui marcado por algo totalmente novo para mim.

Católicos, Protestantes ou Cristãos? Como sabemos na Igreja Primitiva não havia essa divisão. Mais não é essa a questão que quero abordar, mais que mesmo sendo diferentes que possamos fazer, acima de tudo, os mandamentos que Cristo deixou para a sua Igreja: “Amaras ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.” (Lc 10:27).

Rm 12:17b-18 diz: “esforçar-vos por fazer o bem perante todos os homens e se possível tende paz com todos os homens”. Imagina o orgulho nessa hora quando Deus olhar para nós e vê que estamos amando pessoas com uma religião diferente, que conseguimos superar nossa religiosidade, nosso orgulho e simplesmente nos respeitar, nos unir, para a busca do Seu Reino em nós. Fazer do mundo um lugar onde o Amor de Cristo seja pregado, prevalecido diante de toda a iniquidade. Quando há amor, não há obstáculos para isso. A força em que o amor pode romper, ultrapassar muralhas, “o amor tudo suporta” (1Cor 13:7d).

Domingo é o dia de Pentecostes, o dia em que os apóstolos foram tomados em plenitude do Espírito Santo, onde cada um começou a falar em línguas diferentes (At 2). Porque não falar do versículo que é passado despercebido quando lemos sobre o dia de Pentecostes: “E em Jerusalém estava habitando judeus, homens religiosos,de todas as nações e debaixo dos céus” (At 2:5). E o mais interessante disso tudo que é tratado em At 4:32a dizendo: “E era um só coração e alma dos que criam”; ou seja, mesmo havendo diferença, havia a união.

As vezes não conseguimos imaginar isso, imaginar como pode ocorrer isso, como pode se salvar uma pessoa que tem uma religião que venera imagens de homens e valoriza uma Tradição de uma Igreja (com todo o respeito). Daí eu vejo um vídeo de um cara chamado Billy Graham, um dos homens mais respeitados no século XX e diz:



E depois disso tudo, não consigo mais “limitar” a grandeza da Misericórdia de Deus, é algo que passa da compreensão humana, é totalmente divino. Somos chamados por Deus e é isso que devemos tomar para nós.

Deus te abençoe.


Rennan Reichard
Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário