terça-feira, 3 de abril de 2012

Maranata, ora vem Senhor!


            
Acho engraçado como as pessoas se tornaram superficiais. Salvo as devidas exceções, nunca se houve um tempo tão superficial no mundo gospel religioso. Jogadas de marketing sendo levadas para dentro das igrejas, pregações sendo ministradas conforme o mundo (que disse alguém “jaz no maligno”) dita.

As pessoas preferem adaptar-se ao que lhes é proposta, à remar contra a maré. Somos tranqüilos demais para pensar como Che Guevara, ou criticar com Karl Marx. Aliás, não me impressiona grandes pensadores e influências históricas não serem cristãos. Os agnósticos indignam-se com os que lhes é contra suas opiniões e não são conformados com o que lhes é imputado como correto.

Difícil de acreditar, mas falta uma revolução dentro do cristianismo. Não uma reforma como a de Martinho Lutero, Calvino e outros grandes teólogos que firmaram a reforma protestante. Não fundação de novas denominações, templos e doutrinas.

Falta uma revolução melancólica. É isso mesmo, uma revolução que nos faça olhar para uma igreja extremamente ativa nos seus primórdios (leia o livro de Atos dos Apóstolos), e nenhum pouco interessada em como fazer, mas ligada a fonte verdadeira, o Espírito Santo de Deus.

Ah, como eu queria voltar especificamente na cena que iremos ler agora:

E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do s, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta. E levantou-se, e foi; e eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração, regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. E disse o Espírito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro. E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia.  Assim não abriu a sua boca. Na sua humilhação foi tirado o seu julgamento; E quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra. E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro? Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta Escritura, lhe anunciou a Jesus. E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou. E, quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho. E Filipe se achou em Azoto e, indo passando, anunciava o evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia”.  Atos 8:26-40


Em primeiro lugar, Filipe tem comunhão com o E. Santo. A ordem que ele recebe é simplesmente, sai de onde você está e vai para onde está deserto. O “bem bom” que está aqui na região onde você já tem pregado o evangelho acabou, a missão é nova. Atividade diferente. Ele sai, sem saber o que vai encontrar. Não é uma crítica a ministério de preparo cultural para missionários, mas perde-se mais tempo no preparo que na obra. “A ordem é vá! Obedece! Eu, anjo do Senhor estou dizendo a você, vá onde te digo. Sou contigo. A minha glória vai ser manifesta”. O Espírito Santo não falha!  Ou o Espírito testifica de Deus como João diz, ou esse não é o Espírito Santo. Veja hoje a dúvida não mais qual a ordem a ser cumprida, mas qual o espírito está falando? São as minhas vontades ou as de Deus? Meus desejos ou de Deus? Meu ego ou glória de Deus? Espírito está desconhecido. Tornou-se vento, arrepio, gritaria, dom espiritual, menos algo que represente Deus verdadeiramente. No nome de Jesus, seja cheio do Espírito, conheça-O e apaixone-se por Ele.

Em segundo lugar, oportunidade dada é aproveitada. Ao contrário do que a gente pensa, “essa é a hora de falar de Deus?” Para Felipe toda hora é hora. Pessoas cheias do Espírito são ousadas. Inconseqüentes positivamente. Entenda, a realização delas está na manifestação de Deus, isso independentemente de escandalizar ou não pessoas. O espírito cuidará de tudo. Se for para expulsar demônios como Felipe fazia acima, é isso que as pessoas cheias do espírito fazem. “Pau pra toda obra”. “Quebra galho”. Serviço. O Espírito Santo não as deixa imaginar ou pensar em algo que não seja manifestar a Deus. É como um vício, só que este, bom. É como estar conectado com o Pai, saber o que Ele espera de você e já realizar. Não é uma vontade de planejar grandes projetos, mas é de cair em si e perceber que os grandes projetos já estão acontecendo. É trabalho atrás de trabalho, em busca de vidas e mais vidas. Reino, alvo Cristo. O eunuco lia o velho testamento, profeta maior, base do judaísmo que dominava o poder religioso local. Provavelmente alguma coisinha ou outra ele entendia. Mas seu foco num era Cristo. O Espírito Santo de Deus não dá meias voltas, o foco dEle é salvar vidas. Jesus é Senhor!

Em terceiro, para salvar vidas não se precisa de doutrinas, precisa-se de Cristo. Ao ser impactado pelo Espírito Santo através da mensagem de Felipe, a primeira reação do eunuco não é pedir para saber mais dessa mensagem. Também não é pedir para Felipe demonstrar o poder de Cristo. A primeira reação é pedir para ser salvo. Batismo na hora. Nada de fuga, nada de preparo para ritual. Eu estou decidido agora e vou até o fim. E o mais incrível é que Felipe entende isso. Felipe vai e manda parar o carro. Provavelmente o laguinho que eles viram era quase uma poça d’água. No meio do deserto, num laguinho, lugar inconveniente aos olhos dos judeus para alguém ser batizado. Para os cristãos de hoje, batismo só depois de anos de culto. Acaba-se com a espontaneidade e cria-se rituais. Volta-se aos tempos do tabernáculo, esperar um ano todo para entrar na presença de Deus, para ser realmente considerado aos olhos de todos uma pessoa salva. Felipe entende que doutrinas e rituais são bonitos, mas podem ser vazios. Muito mais por pessoas cheias do Espírito Santo, que por pessoas cheias de regrinhas desnecessárias. Dinâmica e alegria com Deus, ao invés de regras e problemas doutrinários.

Num lago, no meio do deserto, um homem teve a certeza de que Cristo era seu Senhor e foi batizado. Num lago, no meio do deserto, um homem teve a certeza que deveria pregar a Cristo e batizar. O que te impede dessas duas novas coisas?

Que Deus te abençoe.
Seja cheio do Espírito Santo,
no nome de Jesus Cristo, Amém!



Mateus Machado
Colunista

Nenhum comentário:

Postar um comentário