quinta-feira, 12 de abril de 2012

Como restaurar um relacionamento


            Como crentes, Deus nos chamou para ajustar nossos relacionamentos uns com os outros (2 Coríntios 5:18). Seguem sete passos bíblicos para a restauração da comunhão.

Fale com Deus antes de falar com a pessoa.
Converse sobre o problema com Deus. Se antes de mais nada você for orar a respeito do conflito em vez de fofocar com um amigo, descobrirá que em geral ou Deus muda o seu coração, ou muda o coração da outra pessoa, sem sua ajuda. Todos os seus relacionamentos seriam mais tranquilos se você tão somente orasse mais a respeito deles.
Assim como Davi compôs seus salmos, use a oração para desabafar verticalmente. Conte a Deus suas frustrações. Grite por sua ajuda. Ele nunca fica surpreso ou chateado com sua raiva, mágoa, insegurança ou qualquer outra emoção. Diga-lhe, portanto, exatamente como se sente.
A maioria dos conflitos tem suas razões em necessidades não satisfeitas. Algumas dessas necessidades só podem ser alcançadas por Deus. Quando você espera que uma pessoa qualquer amigo, mulher, chefe ou membro da família satisfaça uma necessidade que somente Deus pode atender, você está se candidatando à amargura e à decepção. Ninguém pode suprir todas as suas necessidades, exceto Deus.

Tome sempre a iniciativa.
Não importa se você ofendeu ou foi ofendido: Deus espera que você dê o primeiro passo. Não espere pela outra parte, vá primeiro a ela. Restaurar a comunhão perdida é tão importante que Jesus ordenou até mesmo que tivesse precedência sobre o culto de adoração. Ele disse: Se você entrar no lugar da adoração e na hora de entregar a oferta você repentinamente se lembrar de um rancor que um amigo tem contra você, abandone sua oferta, deixe-a imediatamente, procure esse amigo e acerte as contas com ele. Então, só depois de fazer isso, volte e acerte as coisas com Deus (Mateus 5:23-24).
Quando a comunhão é prejudicada ou rompida, planeje imediatamente um encontro para se acertarem. Agir rapidamente também reduz os danos espirituais para você. A Bíblia diz que o pecado, o que inclui conflitos não resolvidos, bloqueia a comunhão com Deus e impede que as orações sejam respondidas (1Pedro3.7; Provérbios 28.9), além de nos tornar infelizes. Os amigos de Jó lembraram a ele que ficar desgostoso e amargurado é loucura, é falta de juízo, que leva à morte, lembram também que com a sua raiva, você só está se ferindo (Jó5.2; 18.4). Não se reúna se você estiver cansado, apressado ou for ser interrompido. O melhor momento é quando ambos estão disponíveis e tranquilos.

Tenha compaixão pelos sentimentos dos envolvidos.
Use mais os ouvidos do que a boca. Antes de procurar solucionar qualquer desentendimento, você deve primeiro dar ouvidos aos sentimentos da(s) pessoa(s). Paulo aconselhou: Que ninguém procure somente os seus próprios interesses, mas também os dos outros (Filipenses 2.4).  Comece pela compaixão, e não pela solução.
Para restabelecer a comunhão, é preciso carregar o “fardo” de termos consideração para com as dúvidas e temores de outras pessoas — daqueles que sentem que essas coisas estão erradas. Agrademos ao outro, e não a nós próprios, e façamos aquilo que é para o seu bem e assim o edificaremos no Senhor (Romanos15.2).  É sacrificante absorver pacientemente a raiva dos outros, sobretudo quando ela é infundada. Mas lembre-se: foi isso que Jesus fez por você. Ele suportou uma fúria infundada e maliciosa para salvá-lo. Cristo não agradou a si próprio, mas, como está escrito: Os insultos dos que te injuriaram caíram sobre mim (Romanos 15.3).

Confesse sua parte no conflito.
Se você realmente deseja restaurar um relacionamento, deve começar admitindo os próprios erros e transgressões. Jesus disse que esta é a forma de ver as coisas com mais clareza: Tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão (Mateus 7.5).
Já que todos temos pontos cegos, você precisará pedir a uma terceira pessoa que o ajude a avaliar suas ações antes de se encontrar com a pessoa com quem você tem um conflito. Também peça a Deus que lhe mostre quanto do problema foi causado por você. Pergunte: “Sou eu o problema? Estou sendo irrealista, insensível ou sensível demais?”. A Bíblia diz: Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamos a nós mesmos (I João 1.8).
A confissão é uma ferramenta poderosa para a reconciliação. Frequentemente, a forma de lidarmos com um conflito cria um problema ainda maior do que o problema inicial em si. Quando você começa admitindo humildemente os seus erros, isso neutraliza a raiva da outra pessoa e desarma o seu ataque, porque ela provavelmente esperava que você ficasse na defensiva. Não dê desculpas nem transfira a culpa; apenas confesse sinceramente qualquer participação que você tenha tido no conflito. Aceite a responsabilidade pelos seus erros e peça perdão.

Invista contra o problema, não contra a pessoa.
Não há como solucionar o problema se você estiver preocupado em identificar a culpa. Você terá de fazer uma escolha. A Bíblia diz: A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira (Provérbios 15.1).  Escolha cuidadosamente as palavras. Uma resposta branda é sempre melhor que uma resposta sarcástica.
Na solução de conflitos, a maneira em que você fala é tão importante quanto o que você fala. Se você falar de forma ofensiva, a outra pessoa ouvirá de forma defensiva. Deus nos diz: Quem tem coração sábio é conhecido como uma pessoa compreensiva; quanto mais agradáveis são as suas palavras, mais você consegue convencer os outros (Provérbios 16.21). Irritar as pessoas jamais funciona, e você nunca é persuasivo quando é áspero.
Assim como as armas químicas e biológicas foram banidas, e os estoques de armas nucleares estão sendo reduzidos e destruídos. Para o bem da comunhão, você deve destruir seu arsenal de armas nucleares relacionais, ou seja: condenar, menosprezar, comparar, rotular, insultar, ser irônico e sarcástico. Paulo resume tudo isso desta forma: Não digam palavras que fazem mal aos outros, mas usem apenas palavras boas, que ajudam os outros a crescer na fé e a conseguir o que necessitam, para que as coisas que vocês dizem façam bem aos que ouvem (Efésios4.29).

Coopere tanto quanto possível.
Paulo diz em Romanos 12.18: Façam todo o possível para viver em paz com todas as pessoas. A paz sempre tem um preço, às vezes custa o nosso orgulho, frequentemente custa o nosso egoísmo. Pelo bem da comunhão, faça o melhor que puder para chegar a um acordo, adapte-se aos outros e mostre preferência pelas necessidades deles (Romanos 12.10; Filipenses 2.3). Uma paráfrase da sétima bem-aventurança de Jesus diz: Você é bem-aventurado quando mostra às pessoas como cooperarem em vez de competirem e brigarem. É então que você descobre quem realmente é e o seu lugar na família de Deus (Mateus 5.9).

Dê ênfase à reconciliação, não à solução.
Não é realista esperar que todos concordem a respeito de tudo. A reconciliação se atém ao relacionamento, enquanto a solução se atém ao problema.
Podemos restabelecer um relacionamento mesmo quando somos incapazes de resolver nossas diferenças. Os cristãos muitas vezes discordam sincera e legitimamente dando opiniões divergentes; mas podemos discordar sem ser desagradáveis. Deus espera unidade, não uniformidade. Podemos caminhar de braços dados sem concordarmos em todos os assuntos.
Isso não significa que você deva desistir de encontrar uma solução. Você pode precisar continuar conversando e até mesmo discutindo — mas faça isso com espírito de harmonia. Reconciliação significa fazer as pazes, não necessariamente esquecer o assunto.
Com quem você precisa entrar em contato por causa deste texto ? Com quem você precisa restaurar a comunhão? Não demore mais nem um segundo. Dê uma parada agora mesmo e converse com Deus sobre essa pessoa. Então pegue o telefone e comece o processo. Esses sete passos são simples, mas não são fáceis. É necessário muito esforço para restaurar a comunhão com alguém. Foi por isso que Pedro recomendou: Esforcem-se para viver em paz com os outros (1Pedro 3.11). Mas, quando trabalha pela paz, você está fazendo o que Deus faria.


Carol Cruz
Colunista

2 comentários:

  1. BOM DIA!!!NOVAMENTE PEÇO ORAÇÕES, PRECISO DE AJUDA PARA RECONSTRUÇÃO DO MEU NAMORO,
    ACHO QUE EU ESTOU FICANDO DOENTE,CABEÇA CONFUSA, FAZENDO COISAS ESTRANHAS, VONTADE DE ME PERDER, DE PECAR, AS VEZES DE SUMIR DE MORRER, NÃO CONSIGO FICAR EM CASA, TENHO Q SAIR, ANDO SEM PACIÊNCIA.NO TRABALHO NÃO TENHO ANIMO,ESTOU TENTANDO ME ENVOLVER COM OUTRAS PESSOAS PARA SUPRIR A FALTA DELE, MAIS DÓI MUITO E ACABO ME MACHUCANDO MAIS, ESTAMOS SEPARADOS A MAIS DE UM ANO, EU O AMO MUITO, ME CULPO PELO FIM DO NAMORO, FORAM 05 ANOS JUNTOS, AGORA ELE ESTA A 03 MESES COM OUTRA MULHER, ELA ATE FEZ PROMESSA NA PROCISSÃO PRA CASAR COM ELE, EU ESTOU PÉSSIMA, PRECISO DE AJUDA, A CADA DIA QUE PASSA PARECE QUE ELE FICA MAIS LONGE DE MIM, ME FALARAM QUE ELA FEZ MACUMBA , PORQUE O INIMIGO TEM TANTA FORÇA?JÁ ATE PASSOU PELA MINHA CABEÇA EM IR ATRÁS DESSAS COISAS,PRA TENTAR DESMANCHAR., PRA TRAZER ELE DE VOLTA, MAIS SEI QUE É ERRADO,TENHO MEDO.POR FAVOR ME AJUDEM,OREM POR NÓS PELA NOSSA RECONCILIAÇÃO BRUNA E MATEUS, PARA QUE ELE VOLTE PRA MIM, EM NOME DE JESUS.AMÉM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Bruna. Gostaria que você entrasse com contato conosco por email, para que a conversa fosse em sigilo, o email é piracaodivina@hotmail.com
      Mas para tanto, é preferível que você tenha um acompanhamento de perto, digo-lhe que seria melhor você ir até o seu pastor, ou a um terapeuta, pois eles irão lhe direcionar mais precisamente para a resolução desse caso. No entanto, estaremos orando por você. Fica com Deus querida, Deus te abençoe.

      Excluir