quarta-feira, 25 de abril de 2012

Abrace uma prostituta.

Post baseado no trecho bíblico de Jo:8:3-12


            Esquinas lotadas de mulheres. Algumas ali por opção, fugiram de suas casas, abandonaram suas carreiras universitárias e sonhos pessoais para adentrar a um novo ramo, o da mais velha profissão.

            Outras, porém, não tiveram a oportunidade de escolha. É simplesmente necessidade, ganha pão, dinheiro, sustento. É tão fácil menosprezar o trabalho e situação das pessoas ao redor. Pessoas ao lado sem o menor valor, sentido de existência, por algum acaso, apenas estão ali. Elas, no caso, só estão vendendo seu corpo, para propiciar o prazer para quem as pagar o valor pedido.

            Poderia pensar que aquela mulher, com todos os sentimentos e problemas tão profundos quanto os meus, não tem nada que me importe. É apenas uma puta. É quase gente.

            Talvez, você esteja mais impactado com a palavra puta que escrevi, do que a preocupação que o texto quer lhe passar. Quando a verdadeira preocupação deveria ser com aquela vida, e não a sua profissão ou o jeito que me refiro a esta nesse texto.

Não, tudo bem, você tem razão, o errado da história toda sou eu. Usei termos inadequados para o seu nível de sensibilidade e de leitura, me perdoe pelo erro.

            Lembro-me de certa mulher na bíblia pega em adultério. Não sei se a comparação vale, mas, penso que o contrário de amor não é ódio, e sim, indiferença. No caso da mulher da bíblia, as pessoas queriam apedrejá-la. Hoje? A gente finge que não vê.

            Voltando a indiferença, não vejo como sentimento, e sim como estado. Você está indiferente a realidade pessoal de outras pessoas, mas nem por isso, é indiferente à sua realidade pessoal. A indiferença é parente da apatia e irmã do coração gelado. Prefere-se abster a tomar atitude, tapamos os próprios olhos.
  
            Como Cristo, não acredito que a “religião” deva ser mais uma acusadora dessas vidas, ainda mais aquela que é baseada em Seu nome.

Acredito que assim como os religiosos da época de Jesus, devemos tomar atitudes sim, mas atitudes de trocar a multidão de pessoas indiferentes, por uma multidão de pessoas cheias do Espírito Santo. Trocar os pensamentos negativos e opiniões escandalosas, por pensamentos de paz e não de morte, por oração por essas vidas. E por último, trocar as pedras por abraços.

Trocar os comentários inconvenientes, por estratégias buscadas em Deus para que essas vidas se rendam aos seus pés. Trocar a morte pela vida, trocar as trevas pela luz, trocar a prostituição por Jesus.


            Gostaria de te desafiar, a com sensibilidade a voz do Espírito, você ore por alguém que você não conheça onde você a encontrar. E de preferência que esse alguém seja uma prostituta, para que saiba que o amor do Pai não difere pelo que ela faz, mas sim pelo que ela é, filha de Deus. E Deus quer amar a vida dela.


            Que após a sua oração por essa vida, você possa dizer: “vai e não peques mais”.


Que Deus abençoe você,

Que você seja Cheio do Espírito Santo,

E que você abrace um prostituta para a glória a Deus.


Colunista

2 comentários:

  1. Amém !
    Sempre gosto muito do que você escreve Mara,
    que Deus continue te usando muito, pra honra e glória Dele !
    saudades :)

    ResponderExcluir
  2. Glória a Deus rá, que Deus te abençoe, e to com saudade também haha,
    tudo de bom e continua acompanhando, deixa Deus falar com você através de outros textos também.

    ResponderExcluir