domingo, 18 de março de 2012

#Pastoral - Servos e sua função no corpo


PRESBÍTERO - “Presbítero” e “bispo” são palavras diferentes para uma mesma liderança [é assim em Atos 20:17-35, quando os presbíteros reunidos (v. 17) são chamados de bispos (v. 28) e também em Tito 1:5-9, quando os presbíteros constituídos (v. 5) são qualificados como bispos (v. 7). Em 1 Pedro 5:1-4, por exemplo, o apóstolo dá uma ordem aos presbíteros dizendo: pastoreiem o rebanho de Deus; da mesma forma, em Atos 20:28, Paulo desafia os bispos a pastorearem o rebanho de Deus]. O termo presbítero, palavra grega, significa “ancião” ou, mais especificamente, “homem experiente”. O termo bispo, do grego epíscopos, significa “supervisor”, “superintendente”, e parece ser um complemento à ideia de experiência. Podemos concluir que presbíteros são pessoas experientes na vida e na fé, capazes de supervisionar a caminhada da igreja de forma que siga firme no ensino de Jesus. A grande ênfase do ministério de um presbítero é o pastoreio do rebanho. Presbíteros são pastores (não é por acaso que, oficialmente, os pastores da IPI são chamados de presbíteros docentes, ou seja, que ensinam)! É função dos presbíteros zelar pelos membros da Igreja em sua vida moral e espiritual. São marcas do presbiterato o ensino, a pregação, a exortação, o consolo, a disciplina e a oração por enfermos (Tg 5:14). São exemplos de presbíteros no Novo Testamento os apóstolos Pedro (1 Pe 5:1) e João (2 e 3 Jo 1:1) – apóstolos e presbíteros tornaram-se, posteriormente, um mesmo grupo (cfe. At 16:4) – Judas Barsabás e Silas (At 15:22); e Andrônico e Júnias (Rm 16:7). Esta última, uma mulher, pois o nome Júnias é feminino.
DIÁCONOS - No último editorial escrevi sobre a importância dos presbíteros e dos diáconos na igreja, uma vez que pudemos descobrir na Palavra que desde cedo estes irmãos já se faziam presentes nas comunidades de Jesus. Descobrimos, também, que diácono é aquele que “serve às mesas”, atendendo às necessidades básicas da igreja e, principalmente, dos menos favorecidos, conforme o registrado em Atos 6:1-7. Falamos em diaconia do corpo e diaconia da alma, como nos pareceu claro na distinção entre uma e outra nas palavras de Pedro (vv. 2-4). Hoje, portanto, aprenderemos um pouco mais sobre quem eram e o que faziam, na prática, os diáconos.
O termo “diácono” é uma palavra grega que significa, literalmente, “servo” ou “garçom”. Ele aparece neste sentido em João 2:5, quando serventes (diáconos) são chamados para auxiliar Jesus no problema do vinho. O próprio Jesus se autodenominou diácono quando afirmou em Marcos 10:45 que “o filho do homem não veio para ser servido (diaconethenai) mas para servir (diaconesai)”. A igreja transformou, então, este termo numa espécie de título, para caracterizar aqueles que serviam e assistiam aos pobres no âmbito da congregação. E mais: Paulo eleva o serviço à categoria de dom espiritual, quando em Romanos 12:3-8 ensina que se o dom é ministério (diaconia), devemos nos dedicar a ele. Enfim, os diáconos eram aqueles irmãos que faziam do serviço e da assistência sua vida e ministério. São exemplos de diáconos no NT: Estevão (At 6:5, 8-15, 7:1-60), Filipe (At 6:5, 8:4-8, 26-40), Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas, Nicolau (At 6:5) e Febe, uma irmã que serviu como “diaconisa” em Cencréia (Rm 16:1). Aliás, o ministério das mulheres na diaconia é evidenciado em 1 Tm 3:11 (8-13), quando Paulo orienta-as sobre o exercício do ministério.
Hoje, da mesma forma, os diáconos são aqueles que têm suas vidas marcadas pelo desejo de servir, fazendo dele um ministério dentro e fora da Igreja. O “diaconato” não é inferior ou superior a qualquer outro ministério (leia-se 1 Coríntios 12). O que definirá se seu ministério é diaconia ou não é seu dom espiritual. Se seu dom é servir, exercer socorro e misericórdia, então seu lugar no corpo é junto à diaconia. No mais, não há limite para diáconos, visto que também não há limite para as necessidades. Que o Senhor, pois, levante diáconos e diaconisas cheios do Espírito para o serviço no Reino e na Igreja em nome de Jesus.

Corpo Pastoral 1° IPI de Maringá

Nenhum comentário:

Postar um comentário