sexta-feira, 30 de março de 2012

Ansiedade não!

  Por que ficamos ansiosos? Por que ficamos preocupados e nervosos? Por que as circunstâncias mexem com o nosso humor e ficamos irritados com o que está por vir? Por que não conseguimos descansar? Por que pensamos e repensamos tantas vezes o mesmo assunto sem conseguir deixar Deus agir? Por quê?

  São tantas perguntas, mais uma vez tantas indagações. E todas elas nos remetem a nossa natureza humana que tenta tomar o controle de tudo e não consegue viver um dia de cada vez, mas “enlouquece” pensando e planejando o dia de amanhã.
  Eu quero que esses versículos sejam uma verdade em minha vida:

  “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus.
E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.” 
Filipenses 4:6-7

  Meu desejo é que aprendamos a descansar em Deus, depositar nossas aflições nas mãos Dele em orações, para que possamos ficar cheios da PAZ Dele.


  Um detalhe muito importante que tem que “entrar” na nossa cabeça é que NÓS NÃO FAREMOS NADA MELHOR DO QUE DEUS FARÁ! E não só ficar na nossa mente, mas colocá-lo em prática não fazendo nada além de ORAR  e CONFIAR que Deus fará o melhor, porque Ele sim SABE O QUE FAZ.



Marianna Moreno
Outros

quinta-feira, 29 de março de 2012

Seja o 'alguém' - Missão Caiuá/MS

"Entretanto, a palavra do Senhor crescia e se multiplicava."

Esse final de semana (23,24,25/03), eu e a Carol Cruz estivemos em uma Missão chamada Caiuá, no Mato Grosso do Sul, junto com a nossa igreja. Essa missão tem como objetivo pregar o evangelho aos indígenas que vivem lá, que são cerca de 1.500, entre crianças, jovens e velhos.

Hino em Guarani
Em nossa primeira visita a uma tribo, vimos às condições precárias deles, como por exemplo, o recipiente onde eles tomavam água. Um balde com água e um copo de plástico sujo de barro. Mas nem por isso vimos nenhum rosto triste naquele lugar. Pelo contrário, ouvimos os louvores deles, que era acompanhado por um violão e vozes afinas. Eles cantavam em Guarani, e algumas vezes em português, para que também entendêssemos. E todos cantavam alegres e entusiasmados.

A palavra foi dada por um dos pastores que nos acompanhavam... Como a igreja era pequena, alguns de nós ficaram do lado de fora, assistindo o culto pela janela ou então brincando com as crianças que nos ensinaram, ou tentaram ensinar, Guarani. Embora eu não saiba escrever, aprendi a falar 'Para nossa Alegria': 'Inda Ungá'.

Algumas crianças eram mais tímidas, mas outras não. Conversamos com elas e vimos as dificuldades que elas tinham para estudar. Pois perto da aldeia não havia colégio próximo, então elas tinham que caminhar muito até chegar a escola. Mas elas não falaram disso reclamando.

Crianças e distribuição dos brinquedos 

Ao final do culto, distribuímos pão, bijuterias, brinquedos, livros infantis e roupas. Foi um corre corre para conseguir pegar alguma coisa... Era doações, que ajudaram a dar uma alegria a mais para aquela tribo.. Vi uma das pastoras indígenas daquela igreja chorando atrás do barracão com uma lembrancinha na mão. Também soube do testemunho do pastor de lá, que era usuário de drogas e bebidas alcoólicas, mas que hoje quer ser missionário. 

Saímos daquela tribo e fomos para os alojamentos, almoçar... Almoçamos, e pensando agora, creio que talvez muitas crianças que estavam conosco, e outras que não estavam não tiveram comida sobre a mesa naquele dia... Triste não é? Sim! Mas será que apenas esse sentimento de tristeza alimentará alguém? Não! Devemos parar de apenas nos sentir triste e fazer alguma coisa. Mesmo que você não possa ir a lugares como esse, ajude quem você pode. Não precisa ser um indígena. Pode ser aquele homem sujo e pedinte que está toda vez na esquina da sua casa em busca de dinheiro.

Não temos que esperar por 'alguém' que ajude, mas temos que ser esse 'alguém'. O Evangelho é muito maior que imaginamos. Ele é simples, e não precisa de púlpito e microfone para ser pregado. Na verdade, muitas vezes não precisa nem de palavras. Pois nossas atitudes falam mais alto. E além de dizer que Deus as ama, temos que mostrar isso, suprindo as suas necessidades. Pois o amor se manifesta em ações, e não em palavras.

A palavra de Deus deve ser multiplicada, e não apenas verbalmente, mas também em nossas atitudes corriqueiras do dia a dia. Temos que nos levantar e fazer alguma coisa. A missão não pode parar!

O trabalho é árduo, mas Deus capacita cada missionário que está lá e em tantos outros lugares. devemos orar, e se possível, ajudar no que for preciso, seja com doações, orações ou financeiramente. Se você pode ajudar, contribuindo em alguma coisa, entre em contato com a Missão Caiuá. Com certeza sua ajuda será muito bem-vinda. http://www.ipb.org.br/portal/caiua 

Ñandejara Tanderovasa! [Deus te abençoe!]


Ronnedy Paiva
Colunista

quarta-feira, 28 de março de 2012

Não envie, vá - Missão Caiuá/MS

Nesse final de semana (24/3 e 25/3) eu, o Ronnedy Paiva e alguns irmãos da nossa igreja estivemos em uma viagem missionária no Mato Grosso do Sul (Dourados), e eu gostaria de compartilhar como foram  esses momentos pra mim.   

Na primeira tribo já tivemos um choque de realidade, a maioria dos índios não possuía calçado, o “bebedouro” era um balde com uma caneca suja de barro, muitos não tinham bíblia, mas eles não se importam... Pra eles o que basta é estar na presença de Deus. Na hora de dar as doações ficamos quase sem o que fazer, eles se amontoaram em volta da gente, querendo receber nem que fosse uma camiseta, uma calça, uma saia. As crianças não se importavam que brinquedo estivesse quebrado, rasgado, faltando peça, eles só queriam algo com o que brincar.

Na aldeia que fomos sábado a noite a situação já era melhor, eles possuíam instrumentos musicais e microfones. Mas quando você acha que foi pra ajudar e ministrar para eles, eles é quem te ministram. Durante o louvor eles começam a cantar Agnus Dei e a igreja foi tomada pela unção de Deus que era praticamente palpável.

E na ultima aldeia que fomos ao domingo pela manha, fomos alertados antes de irmos que eles eram uma tribo mais fechada, pois um pastor que havia ido lá tentou exortar o cacique da tribo, e por isso eles estavam “fechados” para o evangelho. Quando chegamos, a surpresa: fomos realmente bem recebidos.  Fizemos um teatro (ladrão da alegria) e fomos ministrados sobre o tamanho do amor de Deus por nós. No final distribuímos bijuterias, roupas e pães. Conversamos e brincamos muito com as crianças e partimos.  

Primeiramente, diante de tudo isso, pude ver o quanto tenho que agradecer a Deus por tudo que tenho, pois acredito que não só eu mas muitos de nós ficamos bravos porque nossos pais não nos dão um sapato novo, uma roupa nova e esquecemos que muita gente não tem escolha, e usam aquilo que ganham.

Em Segundo lugar percebi que não importam as circunstancias, o que importa é que eu tenho um Deus que me ama apesar de todos meus pecados, erros, falhas, minha condição financeira, eu tenho um Deus que me ama apesar de TUDO ! E foi por isso que Ele soprou seu fôlego de vida em mim e foi por esse amor que Ele deu seu único filho por mim.

E pra finalizar um testemunho: eu não tinha ideia do que fazer no vestibular, até estava estudando pra prestar geografia na UEL, mas algo ainda me incomodava quanto a que curso prestar. E quando tocou Agnus Dei eu tive a certeza e como se já não bastasse ouvi claramente eu meu ouvido: TEOLOGIA, pensei: mas Deus não quero pregar na igreja, e a voz mais uma vez: VOCE NASCEU PRA MISSOES.  

Com tudo isso, se eu pudesse resumir esse fim de semana em um versículo, ele seria Provérbios 16.3: Confia ao Senhor as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos.

Nandejara tanderovasa!  (Deus abençoe em Guarani)



Carol Cruz
Colunista

terça-feira, 27 de março de 2012

Vai valer a pena?


Às vezes eu penso em ser mais impulsivo.

É, viver como se não tivesse amanhã. Aproveitar o último minuto com as pessoas que me fazem bem, nos últimos momentos diários em que estou com elas. Saber aprender a valorizar mais a vida pelos momentos simples. Olhar para um mendigo e conseguir esperar nele um futuro grande homem. Olhar para um recém nascido e entender que ele mal sabe do mundo mal em que está entrando.

Acho que preciso mais de Deus. Um pouco mais de oração, mais de palavra. Mais do que vale a pena de verdade. Entende a sensação de vazio mesmo quando você faz as coisas que deveriam te completar? Que você espera que elas te completem?

Sei lá, acho que a minha esperança está no lugar errado. Ou está no lugar certo, e era essa sensação de angústia que Paulo relatava (2 Coríntios 12:8-9), uma busca por algo que o aliviasse, na certeza de que nada era pra ele, e tudo era pra Deus.

Esperar uma resposta é complicado. Ouvir parece tão difícil. São milhares de coisas, compromissos, imprevistos, previstos, correria, mais atividades, ativismo, fanatismo, Jesus Cristo. Tudo parece pesar. A graça parece ser julgo. O julgo, fardo. E o fardo está pesado.

Não sei se caminho olhando para o alvo que é Cristo, cumprindo a carreira que me foi proposta. Ou sei lá, acho que muito de bíblia atrapalha na compreensão de Deus. Jesus agradeceu ao Pai por não revelar seus mistérios aos grandes, mas aos pequeninos. E ae, o que fazer?

Caminhar, crescer, continuar, lutar, evangelizar, acontecer. Ou parar, repensar, olhar para trás e ponderar benefícios a malefícios. Lembrar de quem é digno de Cristo (não olhar para trás) e ter sempre no coração o desejo de anunciar para todos, mendigos, velhos, velhas, crianças, adultos, drogados, alcoólatras, loucos, de que Deus os ama incondicionalmente.

Dizer: “Eis me aqui, envia-me a mim”, ou: “Pai! se possível afasta de mim esse cálice”. Ter como prazer Jesus Cristo vivendo a sua vida. Ou deixar Jesus Cristo de lado um pouquinho para viver um pouco de prazer na vida.

Como o Apóstolo Paulo disse, não me preocupo com esse corpo carnal, esse passa. Preocupo-me se, em primeiro lugar, terei um corpo espiritual e se é ele que importa mesmo.

Mario Quintana, disse que “A resposta certa, não importa nada; o essencial é que as perguntas estejam certas”. Como cristão, posso afirmar duas coisas somente, a primeira é que não vivemos de respostas, vivemos de Deus. E a segunda certeza que tenho é que existe um Senhor. E esse, só pode ser Jesus Cristo. Por meio dele que vivemos, não segundo leis e teologias, mas segundo o seu espírito que habita em nós.

Que Deus abençoe você. Seja cheio do Espírito Santo, e uma boa semana. E não se esqueça se há algum valor em nós, é o E. Santo. 

Texto em homenagem.

Colunista

segunda-feira, 26 de março de 2012

Uma chuteira nova

Imagine que você é um menino pobre, e que por sua situação financeira, você não tem condições de comprar um tênis de futebol. E no campo da esquina do seu bairro, todos os garotos tem um tênis de futebol. E quando você chega lá, se sente ridicularizado, mas com esse mesmo sentimento vai a campo e joga o seu futebol, machucando por muitas vezes o seu pé descalço e encardido pelo barro. Mas um belo dia, ao chegar no campo, os meninos que são do seu time, vem com um presente e entregaram a você. Um tênis de futebol novo, para o seu espanto... E aí, como você encararia o seu presente? Como uma forma da garotada caçoar de você ou como uma benção?

O orgulho muitas vezes não nos deixa ser abençoados. Pensamos ser autossuficientes. E se alguém quer nos abençoar pagando uma conta, batemos o pé afirmando que não é preciso, que conseguimos pagar a pesar de o orçamento familiar já ter estourado. É como se fôssemos menosprezados, incapazes, humilhados se outrem invertesse financeiramente abençoando nossa vida. E por isso muitas vezes perdemos de ser abençoados... Mas lá no quarto pedimos, "Deus me ajuda".

Até quando o nosso 'eu' irá atrapalhar a obra de Deus? Será que nossos pensamentos e a nossa força é maior do que Aquele que nos ama a ponto de enviar alguém para nos ajudar?


Na morte de Jesus, antes dEle ser levado à cruz -que nós merecíamos-, Jesus se juntou com seus discípulos em uma mesa para a ceia, e ao final disso, cingiu-se de uma toalha e com água lavou os pés dos seus seguidores. (Jo 13: 4-15Mas Pedro, indignado perguntou: 

"Senhor, lavas-me os pés a mim?"

Creio que na cabeça de Pedro, ele não conseguia compreender esse ato de humildade. Ele olhava para aquilo e deveria se sentia mal, pois o Rei dos reis e Senhor dos senhores lavava os pés totalmente sujos dos seus seguidores. E aquela forma de Jesus abençoa-los, de ensinar-lhes, para Pedro era estranha. E ele se recusa, dizendo: 
"Nunca me lavarás os pés." 

Mas Jesus, o galardoador, responde a Pedro dizendo: 

"Se eu não te lavar, não tens parte comigo." 

Ou seja, Jesus fazia aquilo por seus amigos de caminhada, e se não o fizesse por um desses, queria dizer que tal não tem parte com Ele. Não seria abençoado por Ele, pois não é seu amigo.

Jesus está sempre prontamente de mãos abertas para nos abençoar, e muitos versículos da bíblia afirmam se clamarmos de todo nosso coração, seremos atendidos. Mas a forma que essa benção virá, já não cabe a nós estipular. Pois os pensamentos e caminhos dEle são maiores que o nosso. (Is 55:8-9)

Podemos esperar achar um dinheiro na rua para completarmos a conta de luz. Mas dessa forma, é como se pedíssemos para alguém perder o seu dinheiro. Pedimos assim, mas Deus faz de outro jeito. Ao invés de alguém perder, este outro te dá... Isso é simplesmente a vontade do Pai, e não só o que recebe é abençoado. Mas com certeza o que dá também, pois a Palavra de Deus diz:


"Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo." 


Então se você precisa de ajuda, não se sinta humilhado por pedir ou ganhar de alguém uma ajuda. Sinta-se abençoado. E você, que tem condições, não se sinta pressionado ou ache que faltará se você ajudar alguém, mas sinta-se duplamente abençoado, e honrado, pois a promessa de Deus está sendo cumprida através de você.

Por isso não podemos ser orgulhosos, nem ansiosos por coisa alguma. Pois se Deus provê o sustentos dos pássaros, quem dirá de nós (Mt 6:26), que somos imagem e semelhança dEle (Gn 1:26)!?

Que possamos ser gratos pelas coisa vão vir, e pelas já vieram em nossas vidas. Agradecendo pois, em tudo, para Honra e Glória dAquele que é fiel e justo para nos abençoar.

Que te te abençoe!

Ronnedy Paiva
Colunista

domingo, 25 de março de 2012

#Pastoral - Mais Cristo, menos Cristianismo

Toda religião está estruturada em dogmas, rituais e códigos morais. O Cristianismo também. Mas não são os dogmas, os rituais e os códigos morais que definem a experiência pessoal com Cristo. O apóstolo Paulo esclareceu que os seguidores de Jesus não podem ser reduzidos a observadores de rituais e padrões morais: Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado. Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo […] Já que vocês morreram com Cristo para os princípios elementares deste mundo, por que, como se ainda pertencessem a ele, vocês se submetem a regras: “Não manuseie!”, “Não prove!”, “Não toque!”? Todas essas coisas estão destinadas a perecer pelo uso, pois se baseiam em mandamentos e ensinos humanos. Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria, com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com o corpo, mas não têm valor algum para refrear os impulsos da carne [Colossenses 2.16,17,20-23].

        A experiência mística do Cristo crucificado e ressurreto, comunhão com Ele, viver nEle, estar nEle, andar nEle [1Coríntios 1.9; Colossenses 1.2, 26,27; 2.6,7; 3.2], enfim, a devoção e a adoração a Cristo importam mais que a defesa do Cristianismo, isto é, dos dogmas, rituais e códigos morais considerados cristãos.

A imitação de Cristo é a essência do seguimento de Jesus, e importa mais que a adesão ao Cristianismo. Consta que Mahatma Gandhi teria afirmado a respeito dos protestantes ingleses: “Aceito seu Cristo, mas não aceito seu Cristianismo”. Eis aí uma constatação interessante: não poucas vezes a maneira como pretendemos servir a Cristo implica trair o espírito de Cristo. Talvez tenha sido isso o que Friedrich Nietzsche quis dizer ao afirmar que “se mais remidos se parecessem os remidos, mais fácil me seria crer no Redentor.

O apóstolo Paulo estava ciente desse perigo e, por isso, recomendou aos cristãos: Vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador. Nessa nova vida já não há diferença entre grego e judeu, circunciso e incircunciso, bárbaro e cita escravo e livre, mas Cristo é tudo e está em todos. Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito. Que a paz de Cristo seja o juiz em seu coração, visto que vocês foram chamados para viver em paz, como membros de um só corpo. E sejam agradecidos. Habite ricamente em vocês a palavra de Cristo; ensinem e aconselhem-se uns aos outros com toda a sabedoria, e cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus em seu coração. Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio dele graças a Deus Pai [Colossenses 3.5-17].

Há muitas pessoas que se declaram adeptas da religião Cristianismo, mas não se comprometem a viver como Jesus Cristo viveu e ensinou. Não estão ocupadas em guardar (obedecer) todas as coisas que ele ordenou [Mateus 20.18-20], nem tampouco em andar como Ele andou [1João 2.6]. A respeito dessas pessoas, o próprio Jesus declarou: Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal! [Mateus 7.21-23].

Cristo é maior que o Cristianismo. Por essa razão, a adoração a Cristo é mais importante que a defesa do Cristianismo, e a imitação de Cristo é mais importante que a adesão ao Cristianismo. Ser como Cristo e fazer mais por Cristo, eis as legítimas aspirações de todo aquele que se comprometeu com o caminho de Cristo. 


sexta-feira, 23 de março de 2012

Louve a Deus!

  Quanto tempo passamos louvando a Deus? Será que a nossa vida é uma vida de louvor e gratidão a Ele? Pelo tanto que Ele faz pela gente o MÍNIMO que deveríamos fazer é: louvá-lo e engrandecê-lo em todo tempo.

  Todos temos motivos para louvar a Deus, mesmo aquele que acha que não, possui sim um motivo para louvar a Deus. ELE nos faz levantar todos os dias, suas misericórdias se renovam na nossa vida dia após dia, Ele nos perdoa dos nossos pecados.

  E nossos louvores devem ser em alegria. Sempre agradecendo pelo o que Ele fez, faz e fará! Deus é tão poderoso e bom que não existem palavras para descrevê-lo, mas com as poucas palavras que temos devemos e podemos louvá-lo!

  Louve a Deus mesmo quando as circunstâncias não ajudam, louve crendo que as coisas vão mudar, um verdadeiro cristão não depende das circunstâncias, mas de Deus e por isso devemos louvá-lo.

  Louve quando tudo estiver bem, nos seus momentos bons, o louve porque Ele te permitiu estar bem, sem nenhuma dificuldade ou problema! SIMPLESMENTE LOUVE A DEUS!



“Aclamem o Senhor todos os habitantes da terra!
Prestem culto ao Senhor com alegria; entrem na sua presença com cânticos alegres.
Reconheçam que ele é o nosso Deus. Ele nos fez e somos dele: somos o seu povo, e rebanho do seu pastoreio.
Entrem por suas portas com ações de graças, e em seus átrios, com louvor; dêem-lhe graças e bendigam o seu nome.
Pois o Senhor é bom e o seu amor leal é eterno; a sua fidelidade permanece por todas as gerações.
Salmos 100:1-5


Marianna Moreno
Outros

quarta-feira, 21 de março de 2012

O exemplo de Cristo

"Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido." 

"Pô, esse versículo é manjado Ronnedy." Tá, verdade, talvez seja mesmo, mas é tão maravilhoso esse ato  que Jesus fez que gostaria de comentar com vocês.

Jesus, o Rei dos reis e Senhor dos senhores cingiu-se de uma toalha e lavou os pés dos seus discípulos, os pés daqueles que Ele escolheu para que andassem juntos. Mas por quê?

O ato de lavar os pés naquela época era feito pelos servos da casa do senhor que convidava, pois as ruas não eram asfaltadas como nos dias de hoje, e as sandálias que eram usadas, tinha um solado e algumas tiras para amarrar apenas. Por isso era se lavado os pés dos convidados para entrar.

E Jesus, mesmo com toda glória investida em si, sujeitou-se como servo, e lavou os pés dos seus discípulos. Dizendo mais tarde que se Ele fez isso, cada um deles também deve fazer.





"Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também." 




O exemplo de Jesus nessa passagem foi de humildade, de fazer pelo outro, aquilo que você gostaria que fizesse por você. Como diz o Pastor Silas Barbosa Dias: "Quem não vive para servir, não serve para viver."

Este é um exemplo clássico, mas Jesus nos deixou tantas outras formas de abençoarmos nossos irmãos. Sobre tudo vos amando uns aos outros, respeitando, compadecendo-se e ajudando no que for necessário.

Então devemos seguir os passos deixados por Ele, fazendo tudo para Glória de Deus, que nos enviou o grande Exemplo à terra, e como homem esteve sujeito como todos nós, mas que não pecou. Isso serviu para nos dizer que é possível sim, e que já foi feito antes!


"Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai; e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho." 


Então chega de 'lenga-lenga' e mãos a obra, e que Deus te abençoe!


Ronnedy paiva
Colunista

terça-feira, 20 de março de 2012

Só mais um Espírito?




            Acredito que dentro de cada ser humano há uma vontade de ser deus. Sim, acredito que grande parte dos problemas, dificuldades, pendências, crises e qualquer outra palavra referentes as frustrações humanas têm relação com isso. Vontades e vontades.

            Um querendo ser deus, para não depender de mais ninguém. Outro querendo se relacionar com os homens para que eles creiam na satisfação de uma única necessária dependência. É antagônico, surreal. O homem quer ver-se livre de todo tipo de auxílio exterior para alimentar o seu orgulho. Enquanto Deus se esvazia de sua glória para reconciliar-se com os homens.

            Na moral, Deus deita.


            Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão,temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito. Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros”. Gálatas 5:16-26
           
            Em primeiro lugar, existe dentro de nós a vontade ser parecido com Deus, sem precisar de Deus. Mahatma Ghandi disse que o cristianismo seria perfeito se não fossem os cristãos. Embora um tanto quanto dura, essa afirmação não deixa de ser verdadeira. Jesus Cristo existiu, é um fato. Pessoas em seu nome realizaram grandes prodígios, alguns deles até confirmados pela ciência (quesito para beatificação dos santos), entretanto, há algo de errado. A vontade de imitar o seu salvador e referencial, já não existe. Não existe um referencial suficientemente convincente entre o cristianismo primitivo e o atual. A vontade de estar aproximando-se dia a dia de Deus através da intercessão do seu espírito, é esquecida pela vontade de estabelecer e transmitir confiança, superioridade e auto-afirmação. Vontades da carne. As conseqüências estão logo ali a cima.

            Em segundo lugar, as suas atitudes esclarecem o que enche sua vida. A sociedade atual é a “melhor do melhor do mundo” em tentar enganar a si mesma. Palavras que são vazias. Pensamentos que não são reais. Ideologias que nem mesmo existiram e muitas vezes nem são compatíveis com o seu modo de pensar, são defendidos. É uma espécie de “da boca pra fora”, com um “falta de entendimento de significado”.  Falar que é cristão é legal. Falar de Espírito Santo é legal. É romântico, é interessante, polêmico. Agora viver, presenciar, conhecer e experimentar uma vida na dependência e direção das coisas que pronunciamos já não é tão legal. As atitudes comprovam o discurso. A Igreja primitiva tinha consigo o desejo de fazer real o testemunho, para não escandalizar ninguém, para que os inimigos não tenham o que falar. Esse texto nos ensina que as atitudes vencem a hipocrisia. A fala deve ser condizente com o orador. O discurso com a vida de quem o faz. Para citar San Agostinho: “evangelize, se necessário use palavras”.

            E em terceiro lugar, o Espírito é tudo. Jesus disse: de que vale o homem ganhar o mundo todo e perder a sua alma? Paulo: a lei mata, mas o espírito vivifica. Gênesis diz: Deus soprou-lhes o espírito (algumas traduções trazem como fôlego) de vida. Não importa. O Espírito Santo é a nossa vida. A compreensão disso não está ligada a visão doutrinária ou teológica. Dependência do Espírito Santo é compreensão da verdadeira vida. A entrega de si mesmo numa cruz como Jesus o fez para que seja cheio dEle. Para encerrar, o apóstolo João disse: que o espírito traz a verdade e testifica da verdade.


Que você seja cheio do Espírito Santo!

Que Deus te abençoe

Colunista

segunda-feira, 19 de março de 2012

Deus: 'Eu escolho você'

As vezes em meio as orações até falamos: "Eis-me aqui, usa-me", porém não passa disso. Apenas vemos as dificuldades, muitas vezes impostas por nós mesmos, e antes mesmo de começarmos, desistimos, e aquilo não passa de mais um pensamento não muito lúcido. 

Nossa vontade sempre da de cara com nossos questionamentos, que vão de: "Mas no que?", ou "Como?", "A onde?", até "Mas eu não sei nada, eu não tenho nada". Sempre precisamos de artifícios, de dinheiro ou de qualquer outra coisa para que possamos nos sentir "prontos" para falar de Deus, ou que possamos nos apegar para ter segurança. E nos esquecemos de que Jesus não tinha isso, Ele pregava o evangelho no meio do nada, sem microfone, e apenas com doze discípulos que o seguiam a todo lugar e sempre estavam a sua volta. E quem ousaria falar que as obras dEle foram poucas? Não, elas não foram poucas, e iam de cura de leprosos, a cegos, aleijados até ressurreição de mortos. Não é pouca coisa não, e olha o que Jesus disse:

"Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai; e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.

Fazer as mesmas obras de Jesus nos tempos de hoje. Quem seria capaz? 

Capaz, acho que ninguém. Mas capacitados sim, e todos os que nEle creem conseguiria, pois se pedirmos em Seu nome, Ele faz. Então ao invés de ficarmos pensando que não temos nada para ajudar, por que não pensamos no que temos para ajudar. Na realidade, apenas a sua boa vontade é o que Deus precisa para fazer as obras iguais ou maiores que as Dele. Isso porque Deus não está interessado em seus recursos, e sim em sua disposição.

Não podemos ficar a mercê de nossa boa vontade para realizamos as boas obras que antemão Deus preparou para nós (Ef 2:10). Nossa carne não pode nos oferecer nada a não ser resistência. O bem que podemos fazer, vem do Espírito Santo que opera em nós, e é uma luta constante entre Carne e Espírito, e a mais bem alimentada, como sabemos, vence.

Por isso não podemos dar margem ao pecado, a preguiça. Temos que nos levantar, e declarar: "Eis-me aqui, usa-me", pois Deus não se importa se você não sabe fazer nada, Ele te capacita para fazer aqui que Ele quer que você faça, seja em que área for, a capacitação dEle é a melhor.

Que possamos levantar e resplandecer, devemos ser sal da terra, luz para mundo. Lembrando que tem muita gente esperando ver a luz no fim do túnel. Seja você essa luz.

Que Deus te abençoe!




"Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa." 





Ronnedy paiva
Colunista

domingo, 18 de março de 2012

#Pastoral - Servos e sua função no corpo


PRESBÍTERO - “Presbítero” e “bispo” são palavras diferentes para uma mesma liderança [é assim em Atos 20:17-35, quando os presbíteros reunidos (v. 17) são chamados de bispos (v. 28) e também em Tito 1:5-9, quando os presbíteros constituídos (v. 5) são qualificados como bispos (v. 7). Em 1 Pedro 5:1-4, por exemplo, o apóstolo dá uma ordem aos presbíteros dizendo: pastoreiem o rebanho de Deus; da mesma forma, em Atos 20:28, Paulo desafia os bispos a pastorearem o rebanho de Deus]. O termo presbítero, palavra grega, significa “ancião” ou, mais especificamente, “homem experiente”. O termo bispo, do grego epíscopos, significa “supervisor”, “superintendente”, e parece ser um complemento à ideia de experiência. Podemos concluir que presbíteros são pessoas experientes na vida e na fé, capazes de supervisionar a caminhada da igreja de forma que siga firme no ensino de Jesus. A grande ênfase do ministério de um presbítero é o pastoreio do rebanho. Presbíteros são pastores (não é por acaso que, oficialmente, os pastores da IPI são chamados de presbíteros docentes, ou seja, que ensinam)! É função dos presbíteros zelar pelos membros da Igreja em sua vida moral e espiritual. São marcas do presbiterato o ensino, a pregação, a exortação, o consolo, a disciplina e a oração por enfermos (Tg 5:14). São exemplos de presbíteros no Novo Testamento os apóstolos Pedro (1 Pe 5:1) e João (2 e 3 Jo 1:1) – apóstolos e presbíteros tornaram-se, posteriormente, um mesmo grupo (cfe. At 16:4) – Judas Barsabás e Silas (At 15:22); e Andrônico e Júnias (Rm 16:7). Esta última, uma mulher, pois o nome Júnias é feminino.
DIÁCONOS - No último editorial escrevi sobre a importância dos presbíteros e dos diáconos na igreja, uma vez que pudemos descobrir na Palavra que desde cedo estes irmãos já se faziam presentes nas comunidades de Jesus. Descobrimos, também, que diácono é aquele que “serve às mesas”, atendendo às necessidades básicas da igreja e, principalmente, dos menos favorecidos, conforme o registrado em Atos 6:1-7. Falamos em diaconia do corpo e diaconia da alma, como nos pareceu claro na distinção entre uma e outra nas palavras de Pedro (vv. 2-4). Hoje, portanto, aprenderemos um pouco mais sobre quem eram e o que faziam, na prática, os diáconos.
O termo “diácono” é uma palavra grega que significa, literalmente, “servo” ou “garçom”. Ele aparece neste sentido em João 2:5, quando serventes (diáconos) são chamados para auxiliar Jesus no problema do vinho. O próprio Jesus se autodenominou diácono quando afirmou em Marcos 10:45 que “o filho do homem não veio para ser servido (diaconethenai) mas para servir (diaconesai)”. A igreja transformou, então, este termo numa espécie de título, para caracterizar aqueles que serviam e assistiam aos pobres no âmbito da congregação. E mais: Paulo eleva o serviço à categoria de dom espiritual, quando em Romanos 12:3-8 ensina que se o dom é ministério (diaconia), devemos nos dedicar a ele. Enfim, os diáconos eram aqueles irmãos que faziam do serviço e da assistência sua vida e ministério. São exemplos de diáconos no NT: Estevão (At 6:5, 8-15, 7:1-60), Filipe (At 6:5, 8:4-8, 26-40), Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas, Nicolau (At 6:5) e Febe, uma irmã que serviu como “diaconisa” em Cencréia (Rm 16:1). Aliás, o ministério das mulheres na diaconia é evidenciado em 1 Tm 3:11 (8-13), quando Paulo orienta-as sobre o exercício do ministério.
Hoje, da mesma forma, os diáconos são aqueles que têm suas vidas marcadas pelo desejo de servir, fazendo dele um ministério dentro e fora da Igreja. O “diaconato” não é inferior ou superior a qualquer outro ministério (leia-se 1 Coríntios 12). O que definirá se seu ministério é diaconia ou não é seu dom espiritual. Se seu dom é servir, exercer socorro e misericórdia, então seu lugar no corpo é junto à diaconia. No mais, não há limite para diáconos, visto que também não há limite para as necessidades. Que o Senhor, pois, levante diáconos e diaconisas cheios do Espírito para o serviço no Reino e na Igreja em nome de Jesus.

Corpo Pastoral 1° IPI de Maringá

sexta-feira, 16 de março de 2012

Deus está cuidando de tudo!

    Por que estamos sempre preocupados com o dia de amanhã? Por que tentamos levar tudo com as nossas mãos? Por que somos tão teimosos e ansiosos? Por que queremos sempre agir sozinhos? Por que não deixamos tudo nas mãos de Deus e esperamos o agir Dele?

  São tantas interrogações. Tantas dúvidas. Passamos por momentos em que o certo, na verdade em todos os momentos o certo é entregar tudo na mão de Deus, mas acabamos tentando passar por tudo sozinhos como se fossemos resolver tudo sem a ajuda Dele.

  Eu julgo ser o mais difícil, não entregar tudo a Deus, mas esperar o agir Dele. Esperar é sempre a parte mais complicada, principalmente porque somos ansiosos e acabamos ficando nervosos e preocupados sem motivo. E quando esperamos com paciência em Deus, Ele escuta nosso clamor.

“Esperei com paciência pelo Senhor, e ele se inclinou para mim e ouviu o meu clamor.
Salmos 40:1

  Mas, se Deus está cuidando do nosso futuro, com o que vamos nos preocupar?

  Nos últimos meses, tenho aprendido a Esperar, às vezes penso em desistir e tentar agir sozinha, mas eu lembro que a recompensa de Esperar em Deus, em qualquer área da minha vida, é muito maior do que qualquer outra.

  Enquanto esperamos temos q esperar ORANDO! Não podemos deixar de orar nunca! Sempre vigiar e orar!



Marianna  Moreno
Outros

quinta-feira, 15 de março de 2012

Tudo começa com Deus

A menos que se admita a existência de Deus, a questão
que se refere ao propósito para a vida não tem sentido.
Bertrand Russell, ateu


A questão não é você.
O propósito de sua vida é muito maior que sua realização pessoal, sua paz de espírito ou mesmo sua felicidade. É muito maior que sua família, sua carreira ou mesmo seus mais ambiciosos sonhos e aspirações. Se você quiser saber por que foi colocado neste planeta, deverá começar por Deus. Você nasceu de acordo com os propósitos dele e para cumprir os propósitos dele.
A procura pelo propósito (sentido) da vida tem intrigado as pessoas por milhares de anos. Isso porque normalmente começamos pelo lado errado — nós mesmos. Nós fazemos perguntas voltadas para a nossa pessoa, como: “O que eu quero ser? O que eu deveria fazer com a minha vida? Quais são meus objetivos, minhas ambições e meus sonhos para o futuro?”. Mas concentrarmo-nos em nós mesmos jamais desvendará o propósito de nossa vida.
Ao contrário do que dizem muitos livros famosos, filmes e seminários, você não irá descobrir o significado de sua vida olhando dentro de si mesmo. É provável que você já tenha tentado isso. Você não criou a si mesmo, logo não tem jeito de dizer a si mesmo para que foi criado! È como se eu lhe entregasse uma invenção desconhecida, você não terá como saber sua serventia nem a própria invenção terá a capacidade de lhe dizer. Somente o criador ou o manual do fabricante poderá mostrar sua utilidade.
Você deve começar com Deus, seu Criador. Você só existe porque Deus deseja que você exista. Você foi feito por Deus e para Deus — e, enquanto não compreender isso, a vida jamais terá sentido. É somente em Deus que descobrimos nossa origem, nossa identidade, o que significamos, nosso propósito, nossa importância e nosso destino. Todos os outros caminhos levam a um beco sem saída.
Muitas pessoas tentam usar Deus para sua realização pessoal, mas isso é contrário à natureza e está designado ao fracasso. Você foi feito por Deus, e não o contrário; viver é deixar Deus usá-lo para seus propósitos, e não você usar a Deus para o que deseja.
Já li muitos livros que sugerem formas de descobrir o propósito de minha vida. Todos poderiam ser classificados como livros de “auto-ajuda”, pois abordam o assunto a partir de um ponto de vista egocêntrico. Livros de auto-ajuda, até mesmo os cristãos, normalmente propõem as mesmas etapas previsíveis para achar o propósito para a vida: “Dê importância aos seus sonhos. Defina claramente seus valores. Estabeleça algumas metas. Defina em que você é bom. Aspire grandes objetivos. Vá a luta! Seja disciplinado. Acredite em si mesmo. Envolva outras pessoas. Não desista jamais”.
É lógico que essas recomendações frequentemente levam a grandes êxitos. Pode-se em geral ser bem sucedido ao buscar uma meta, se houver concentração para o fim proposto. Mas ser bem-sucedido e cumprir o propósito para sua vida são coisas absolutamente distintas! Você poderia alcançar seus objetivos pessoais, tornando-se um sucesso pelos padrões do mundo, e ainda assim falhar em alcançar os propósitos para os quais Deus o criou. Você precisa de mais do que conselhos de livros de auto-ajuda.
Então, como descobrir o propósito para o qual você foi criado? Você só tem duas opções. A primeira é a especulação. Essa é a opção escolhida pela maioria das pessoas. Elas conjeturam, supõem, teorizam. Quando as pessoas dizem “Eu sempre pensei que a vida fosse...”, querem dizer: “Este é o melhor palpite que posso dar”.
Por milhares de anos, filósofos brilhantes discutiram e ponderaram sobre o significado da vida. A filosofia é um tema importante e tem sua utilidade, mas
quando se trata de determinar o propósito da vida, mesmo o mais sábio dos filósofos está apenas supondo.
O Dr. Hugh Moorhead, professor de Filosofia na Northeastern Illinois University, escreveu certa vez para 250 dos mais conhecidos filósofos, cientistas e intelectuais do mundo, perguntando: “Qual o significado da vida?”. Ele então publicou suas respostas em um livro. Alguns deram seus melhores palpites, alguns admitiram ter apenas inventado um propósito para a vida e outros foram honestos o bastante para dizer que não tinham a menor idéia. Na verdade, vários intelectuais de renome pediram ao professor que respondesse, caso descobrisse o propósito da vida!
Felizmente, há uma alternativa à especulação sobre o significado e propósito da vida. Trata-se da revelação. Podemos nos voltar para o que Deus revelou sobre a vida em sua Palavra. O modo mais fácil de descobrir o propósito de uma invenção é perguntando ao inventor. Descobrir o propósito de sua vida funciona da mesma forma: pergunte a Deus.
Deus não nos deixou às cegas, para ficarmos nos questionando e conjeturando. Ele claramente revelou, ao longo da Bíblia, seus cinco propósitos para nossa vida. É o nosso “Manual do proprietário”, que explica por que estamos vivos, como a vida funciona, o que evitar e o que esperar do futuro.
Deus não é apenas o ponto de partida de nossa vida: é a fonte dela. Para descobrir o propósito para sua vida, volte-se para a Palavra de Deus, e não para a sabedoria do mundo. Você deve edificar sua vida sobre verdades eternas, e não sobre psicologia popular, histórias inspiradoras e estímulos para alcançar o sucesso. Em Efésios 1:11ª Bíblia diz: É em Cristo que descobrimos quem somos e o propósito de nossa vida. Muito antes de termos ouvido falar de Cristo e de termos erguido nossas esperanças [...] ele já tinha seus olhos sobre nós; já havia planejado para nós uma vida gloriosa, parte do projeto global que ele está elaborando para tudo e para todos! Esse versículo nos dá três descobertas a respeito do nosso propósito:

1. Você descobre a sua identidade e propósito através de um relacionamento com Jesus Cristo.
2. Deus já pensava a seu respeito muito antes de você pensar a respeito dele. O propósito determinado por ele para a sua vida é anterior à sua concepção. Ele planejou isso antes que você existisse, sem a sua contribuição! Você pode escolher sua carreira, seu cônjuge, seus passatempos e muitas outras partes da sua vida, mas não pode escolher o seu propósito.
            3. O propósito da sua vida cabe em um outro propósito muito maior e cósmico, que Deus planejou para a eternidade.
Você deve ter se sentido perdido a respeito do seu propósito na vida. Mas se você escolher a Deus como seu guia para ajuda-lo, Parabéns! Você está prestes a caminhar para a luz.

Carol cruz
Colunista

quarta-feira, 14 de março de 2012

Um Deus apaixonado

Você sabia que tem um Deus que é totalmente apaixonado por você? 

Deus é apaixonado por você!
Ele te manda flores toda primavera.
Ele te manda o nascer do sol toda manhã.
A qualquer momento que você quiser conversar, Ele te escuta!
Ele pode morar em qualquer lugar do Universo,
Mas escolheu o seu coração!
Encare isso- meu amigo- Deus é apaixonado por você!
E lembre-se:
Deus não prometeu dias sem dor,
Risos sem sofrimento,
Sol sem chuva,
Mas...
Ele prometeu força para o dia,
Conforto para as lágrimas,
E luz para o seu caminho!
E ainda prometeu estar com você todos os dias!
Não é MARAVILHOSO...?


[Autor Desconhecido]


É meu caro, Deus é como aquele pai que aceitou o filho pródigo de volta sem ao menos levar em conta seu pedido de perdão. Não que não valesse a pena ouvi-lo, mas porque para ele o mais importante é ter o filho de volta em seus braços de amor.

Não troque esse amor por nada, Ele pode salvar sua vida, como a mulher adultera que foi entregue a Jesus para ser apedrejada, e que com poucas palavras poupou-a de sofrer o castigo da lei de Moisés. A morte. E fez isso por amor.

Deus é loucamente apaixonado por você, é um amor tão genuíno que não compreendemos, e que apenas devemos aceita-lo, e retribuir este amor amando nosso próximo como a nós mesmo, pois por mais que tentemos fazer alguma coisa para merecer esse amor, não conseguiríamos, pois Ele é um Deus que não leva em conta nossas obras, mas as abençoa. Ele é um Deus justo, e amoroso, que te perdoa e te ama e nos corrige quando vacilamos.

O Livro de Efésios 2: 8-10 diz que: "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nela."

Não há nada que façamos para receber e merecer este amor, nada poderá nos salvar senão a graça de Deus Pai que nos amou primeiro, e que provou isto naquela cruz, onde todos nós deveríamos estar.

Não se esqueça que esse amor é imerecido, e que nada que você faça poderá faze-Lo amar-nos mais, porém não abuse, achando que já que é salvo pela graça, pode ficar estático em seu lugar... Somos salvos pela graça, POR MEIO DA FÉ.  E como Paulo mesmo escreve em Hebreus 11: 6 "Sem fé, é impossível agradar a Deus"

Creia nEle, e mostre ao mundo este amor, pregue as boas-novas, que Cristo morreu por todos, por amor, e que todos que nEle crer, será salvo.

Pois um Deus apaixonado, não rejeita um coração quebrantado.

Deus te abençoe!

Ronnedy Paiva
Colunista