sábado, 4 de fevereiro de 2012

Amar é um estilo de vida, e Deus é amor - Parte II

     
          Perdeu-se o sentido da vida. Crianças mandam nos seus pais. Os avós são os responsáveis pela criação dos netos, enquanto os filhos ainda aproveitam a sua adolescência.

Os cristãos são os que, cada vez mais, estão envolvidos em esquemas e escândalos de calão muito baixo. Qualquer padrão se acabou, qualquer sentido não se faz mais real, e qualquer regra existe para ser quebrada.
Li seguinte frase durante a semana: “se o crente que te evangelizou, não falasse com “mundanos” aonde é que você estaria agora?” (tweet de “garotacrista”).

          Desanimo-me a ver crianças abandonadas em situação precária, mendigos implorando por comida ou esmolas sem valor nenhum. Incomoda-me da mesma forma o estado de espírito em que as pessoas tem se encontrado.

A impressão é de extrema ineficácia em relacionamentos. Pessoas já não procuram mais em relacionar-se com pessoas, já não querem firmar, restabelecer, decidir enfrentar um relacionamento sério, durador e prazeroso para ambas as partes, e em todos os sentidos (familiar, profissional, e pessoal).

Cada vez mais a prioridade pessoal tem sido levado em consideração. O que mais agrada, leva a decisão, independente do que custe. Jogo rápido e simples, bom, com rápido e duradouro resultado.

Acabou-se a preocupação com o todo, se estou bem, o resto é problema de Deus.


Certamente suave é a luz, e agradável é aos olhos ver o sol. Porém, se o homem viver muitos anos, e em todos eles se alegrar, também se deve lembrar dos dias das trevas, porque hão de ser muitos. Tudo quanto sucede é vaidade. Alegra-te jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo. Afasta, pois, a ira do teu coração, e remove da tua carne o mal, porque a adolescência e a juventude são vaidade”. Eclesiastes 11: 7-10

       A primeira lição é, precisa haver uma valorização das coisas simples, a restauração dos relacionamentos. As pessoas buscam com vontade, ansiedade, e todas as suas forças um alto padrão de vida (e isso deve ser buscado sim). Mas, há valor nas coisas simples. Um por do sol pode te trazer paz ao seu coração. Uma oração com sua família e por sua família, traz comunhão. Passear com seus pais sem preocupação com compras ou presentes desejados, e com o foco em aproveitar e deleitar-se da companhia deles, gera restauração de elos quebrados. Deus é deus de relacionamentos, Ele mesmo disse que “onde estiverem 2 ou 3 reunidos em meu nome, ali estarei”, disse que “O acharíamos quando buscássemos de todo o coração”. É relacionamento pessoal com Deus, em primeiro lugar. Depois seu com sua casa, e depois com os outros. Qual cristão não faz a diferença nos ambientes em que vive? O cristão do século 21.

            A segunda lição é, necessita-se de moderação no coração das pessoas de hoje. Há uma supervalorização do presente e do futuro. As pessoas sabem o que são e onde querem chegar, mas esqueceram de onde saíram. Esqueceram-se de que todas as experiências, tudo o que foi bom e ruim na vida delas, fizeram-nas tomar as decisões para alcançar o que hoje têm em suas mãos. Elas se esquecem que maior do que tudo que almejam ou sonham, é o único e poderoso Deus, Iavé. Ele é mais que os seus planos, desejos e prazeres nessa carne. Para o sábio, tudo é vaidade e nada tem valor quando comparado a suprema presença, ciência, onipotência, sabedoria, amor e poder de Deus. Deus tem que ser glorificado e não esquecido. O sopro de vida que há em você, vem dEle. E há Ele seja dado louvor, por ser maior e melhor do que qualquer adjetivo humano sem valor.

             A terceira lição é, Deus é um ser soberano. Essa é uma das que eu chamo de “verdades universais” (não precisavam ser lembradas por ninguém, mas, em alguns casos, não temos como fugir delas). Deus é criador e não criatura. É superior a qualquer padrão que possamos imaginar ou alcançar. Assim como eternidade é ausência de tempo, infinito é ausência de medida. E Deus é infinito em glória e majestade, poder, amor, misericórdia e graça! Tudo pode parecer diferente aos nossos olhos, aos nossos limites, mas Deus não tem limites, para Ele não há impossíveis. Ele criou todas as coisas, curou pessoas, e por amor de mim e você, e para provar que tem poder sobre tudo e todos, Ele triunfou sobre a morte através do seu filho Jesus para provar que só Ele é Deus, e com Ele somos mais que vencedores. Porque dele, por ele e para ele são todas as coisas. Deus seja louvado em nossas vidas, e que Ele exerça sua soberania nelas.

              
              Espero que a gente consiga entender essas três lições, e mais do que isso, vivê-las. Deus não é para ser ensinado, pregado, ou discutido, Deus é para ser amado. Deus é para ser vivido.



Que Deus nos abençoe.


Mateus Machado
Colunista

Um comentário:

  1. "As pessoas sabem o que são e onde querem chegar, mas esqueceram de onde saíram. Esqueceram-se de que todas as experiências, tudo o que foi bom e ruim na vida delas, fizeram-nas tomar as decisões para alcançar o que hoje têm em suas mãos. Elas se esquecem que maior do que tudo que almejam ou sonham, é o único e poderoso Deus, Iavé."
    Ele é maior do que tudo, e independente do que a gente passa Ele não muda e continua nos amando! Glória a Deus!

    ResponderExcluir